terça-feira, 26 de Agosto de 2014

Mergulhado num diálogo zen que terminou com uma dúvida!


Depois dos mergulhos as crianças ficam assim

No sábado, seguindo o ritual de todos os dias, a minha mãe perguntou-me:
- Quantos são hoje?
- 24 de Agosto, mãe.
- Tomaste banho?
- Claro que tomei! Porque perguntas? Cheiro mal?
Riu-se. Depois continuou
- A água estava fria?
- Como sempre no Verão, a princípio estava quente, mas no final estava fria. Não dispenso uns segundos de água fria no final do banho, quando estamos no Verão.
- Tomaste banho aqui em Cascais?
- Não, mãe, tomei em Lisboa!
- Em Lisboa? Onde é que tomas banho em Lisboa?
- Em casa, na banheira, mãe... onde havia de ser! 
Voltou a rir-se
- Não era desses banhos que estava a falar. Era do banho de mar!
-  É muito raro tomar banho de mar nestas águas frias, mãe. Em miúdo ainda lá ia, mas agora...
- Então não tomaste banho hoje...
- Não! Porque é que havia de tomar?
- Não disseste que hoje é dia de S. Bartolomeu?
- Não sei, mãe. Sei que é 24 de Agosto...
O semblante dela fechou-se num misto de tristeza e reprovação. 
-Já esqueceste o que te ensinei?
- O quê mãe?
- No dia de S. Bartolomeu deve-se tomar  banho de mar.
- Porquê, mãe?
(Pausa
- Não sei, já me esqueci!

Dez minutos depois voltou a perguntar-me que dia era. O diálogo podia ter-se repetido, mas optei por mentir-lhe. Disse que tinha tomado banho e queixei-me que a água estava gelada. 
- Mas faz-te bem, meu filho. Daqui a uns anos  vais agradecer à tua mãe ter insistido para que tomasses banho neste dia.
Chegou a minha vez de fazer uma pausa. O meu rosto deve ter-se fechado, mas disso não me apercebi.
No domingo fui procurar informações sobre o dia de S. Bartolomeu e fiquei a saber o seguinte:
No dia 24 de Agosto, dia de S. Bartolomeu,  é tradição que todas as crianças sejam obrigadas a dar um número ímpar de mergulhos no mar, para afastar males como a gaguez, a epilepsia e o próprio medo. 
Lembro-me de ter sido sujeito a essas sevícias em miúdo, nas águas geladas de Miramar.  Mas a tradição tem uma segunda parte a que não me lembro de alguma vez ter sido submetido. Depois dos mergulhos, as crianças têm que dar três voltas à igreja, segurando um galo preto.
Pelo que percebi, esta segunda parte só se aplica na povoação de S. Bartolomeu do Mar ( perto de Esposende) mas agradecia aos leitores que pudessem confirmar ou desmentir a  minha suspeita.

segunda-feira, 25 de Agosto de 2014

Doutores em chocolate?


A Universidade de Cambridge anda à procura de um mestre em chocolate. Segundo um responsável do departamento de química, pretende-se contratar um especialista para descobrir como se pode manter  o chocolate sólido em países com climas quentes.
São mesmo totós, estes bifes!  Precisam de contratar um “doutor” para isso?
Então não se está mesmo  a ver que basta por os chocolates no frigorífico?

Olá,Argentina, buen dia, Buenos Aires!

Nunca ponho açúcar no café (nem no chá), por isso raras vezes reparo nos pacotes de açúcar.
Hoje, porém,  quando fui tomar café a um novo estabelecimento que abriu na Duque d'Ávila, este Bom Dia despertou-me a atenção.
Fiquei cheio de inveja. Como gostaria de ser um dos 6785 portugueses ( ou mesmo o 6786º) a ser contemplado com este Bom Dia. E se pudesse ser em Buenos Aires- onde, presumo, vive a esmagadora maioria dos portugueses residentes na Argentina-  ainda melhor!

sábado, 23 de Agosto de 2014

Dou-te um beijo...

... em troca de um Chamoa gelado!...


Sinceramente, não preciso de Chamoa para ter vontade de beijar uma mulher bonita, como se fosse a primeira vez, mas alguém lá pela Feira, que também é conhecida pelas fogaças, terá pensado que era um bom investimento. Ao que parece, cheio de razão, porque as exportações vão de vento em popa! 

sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

As Cruzadas vistas pelos Árabes

"As Cruzadas vistas pelos Árabes" foi o primeiro livro que li de Amin Maalouf. Amei! Neste perido que atravessamos, é uma leitura que recomendo aos leitores.
 Depois li "Samarcanda". Adorei!
Seguiram-se ( não obrigatoriamente por esta  ordem) "Os jardins de luz", "O século primeiro depois de Beatriz" e "Escalas do Levante".
Todos estes livros são importantes para perceber melhor o que se está a passar no Oriente mas, talvez por ter sido o primeiro, ou por se tratar de um Ensaio, "As Cruzadas vistas pelos Árabes" continua a ser, para mim,  o livro mais importante da obra de Amin Maalouf. 
Já o último, "Origens", não me despertou a atenção e abandonei a leitura ainda antes da página 50. Qualquer dia, talvez faça outra tentativa...

quinta-feira, 21 de Agosto de 2014

By night

Durante três dias, tive o prazer de servir de guia numa cidade mal amada 


Na noite de quinta-feira

   Fomos tomar um copo  ao bar da ponte Pênsil. Música ao vivo e a imagem de Gaia e da Ribeira em fundo
Depois de uma visita guiada à movida da Baixa cada vez mais electrizante
uma volta pela Baixa para fotografar alguns edifícios emblemáticos
 Nos últimos anos os turistas invadiram o Porto
 E os edifícios iluminados deixam-nos em deslumbramento


 Depois , foi  deixar  a noite correr,  nesta cidade cinzenta e triste.

Está bem abelha! Perguntem aos milhares de turistas, de máquina fotográfica em punho, se acham a cidade triste e cinzenta...
Amanhã desço novamente para Lisboa, durante uma semana, mas antes ainda vou  à Praia dos Beijinhos  (tentar) fotografar mais uma vez o pôr do sol.

( Ainda me ando a habituar ao digital e à mínúscula Olympus que agora me companha para todo o lado)

quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

Sejamos positivos



Anda toda a gente a queixar-se que este ano não há verão, a água está fria e a nortada não larga a orla costeira. Estão cheios de razão, mas há que ver as coisas pelo lado positivo. Estando o tempo mais fresco, há menos incêndios e poupa-se a Natureza.
Vejam só a quantidade de incêndios que houve durante o fim de semana, quando as temperaturas subiram mais um bocadinho. Os linces da Malcata, por exemplo, devem ter dito mal da vida, logo que as chamas começaram a alastrar pela serra.