terça-feira, 17 de abril de 2012

Palavras loucas, orelhas moucas...



Viajo no Alfa Pendular, sentado naqueles  lugares incómodos que nos colocam frente a frente com pessoas que não conhecemos, durante  quase três horas. 
Um  homem já entrado nos 40 dá conselhos sobre higiene  alimentar à mulher que segue a seu lado. Ela estará perto dos 30, tem corpo de geração fast-food.  
“Comer pouco depois das 18 horas. Não tomar café, nem beber bebidas alcoólicas  depois das 19 e não fumar três horas antes de  deitar.”
São quase sete da tarde. Passa a funcionária com o carrinho “chá, café ou laranjada”. A mulher faz-lhe sinal de paragem. Pede um Sumol de laranja, um croissant com queijo e fiambre e um queque. 
O homem olha-a de soslaio.  Ela esboça um sorriso. Toca o telemóvel dela:
“ Sim, Mãe, conta comigo para jantar!”.
O homem  coloca os headphones e recosta-se na cadeira. Ela come com visível gosto. Lança-me um sorriso cúmplice, pedindo aprovação.
Seguimos em silêncio até ao Porto. Posso, finalmente, concentrar-me na leitura.

15 comentários:

  1. E não poderia tentar mudar de lugar? Eu por vezes faço isso...quando é possível, claro.

    Bom resto de tarde, amigo meu

    ResponderEliminar
  2. Carlos
    Espero que ao menos a senhora tenha mastigado de boca fechada e sem proferir nenhuma interjeição de prazer...
    caso contrário adeus concentração!:-)

    Moral da história:
    Se conselhos resultassem, não se davam...Vendiam-se!

    Também faço as minhas viagens Porto/Lisboa no Alfa Pendular. Ficaria mais atenta aos companheiros de viagem...tivesse eu a tua fértil imaginação!

    Beijinho, Carlos.

    ResponderEliminar
  3. O marido era médico, pois o meu tio chico é que costumava dar estes conselhos, ou então, ele não queria ter uma baleia como esposa, ou ela come tanto para compensar a falta de sexo na vida matrimonial.

    ResponderEliminar
  4. Detesto gente assim intrometida, que quer à viva força que os outros sigam a sua maneira de estar na vida, que não se acanha nada em dar uma grandiosa seca a ilustres desconhecidos, que achei a "bofetada de luva branca" dela muito bem dada. :)

    Comigo não tinha chegado a metade dessa verborreia: sou boa a pôr cara de pau! E, não sei como, todos percebem o meu desinteresse a calam-se! :D

    Ah, e um livrinho também ajuda, porque enterro o nariz no livro e, mesmo que só tenham dois dedos de testa, percebem a mensagem... :)))

    ResponderEliminar
  5. Afinal, não é à toa que se tem um corpinho "geração fast-food, não é mesmo,meu amigo? rs...

    Beijos, boa tarde.

    ResponderEliminar
  6. Por acaso nunca calhei nesses lugares da sueca, como lhes costumo chamar!!
    Imagino a chatice que foi... mas olha que me deu vontade de rir!!
    Desculpa lá...

    ResponderEliminar
  7. Retalhos da vida, com humor!

    De nada valeram os conselhos!
    retribuiste o sorriso cúmplice?!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Uma viagem fantástica.
    O que se aprende nessas viagens.
    O que eu adoraria ir para o Porto!!
    Beijo Primaveril

    ResponderEliminar
  9. Conclusão: o parecer do homem, com dicas certíssimas, entrou por um ouvido e saiu pelo outro. O prazer de comer, superou o bom senso. É assim mesmo.

    ResponderEliminar
  10. Pois bem, o meu tio chico não era nutricionista, era psiquiatra, mas isso nunca o impediu de repetir constantemente, que depois das 18.00 horas não se devia comer, explicando com minúcia porquê!

    ResponderEliminar
  11. Queria avisá-lo que lhe roubara o título, mas o Carlos apanhou-me em flagrante!!!

    ResponderEliminar
  12. Retribuiu o sorriso cúmplice?!:)
    Agoraimagine Milão/ Florença sentado em frente de uma mulher feia a falar mal do marido.....Nesta estou a ganhar !;)

    ResponderEliminar
  13. Anedótico... geralmente, as pessoas não estão interessadas em conselhos e sabem perfeitamente em teoria o que devem ou não comer... cada um tem a liberdade de escolher como vive... :)

    ResponderEliminar