terça-feira, 1 de maio de 2012

Dependências


Na terça feira , ao fim da manhã, fiquei sem bateria a meio de uma conversa e não tinha o carregador comigo. Pânico! O que vou fazer? Os números de telefone estão todos lá, portanto a tentativa de recurso ao telefone fixo é infrutífera.
Alguns números estão registados no “outlook” mas, como estou na rua,a fazer uma reportagem, de nada me vale, porque a única forma de aceder seria através do telemóvel que ali jaz, especado, à espera de um carregador que o reanime e devolva à vida.
Compreendo, especado dentro do carro, numa rua de um dormitório dos arredores de Sintra, que aquele objecto que durante tantos anos rejeitei se foi imiscuindo lentamente na minha vida, impondo a sua presença e adaptando os meus hábitos, até se tornar indispensável. Pior ainda: a minha vida tornou-se dependente daquela geringonça e o telefone fixo que, há não muito tempo, era disputado por milhões acotovelavando-se em filas de espera, metendo empenhos a um amigo dos TLP para passar para a frente da fila, era agora, naquele preciso momento, uma inutilidade.
Pressenti o telemóvel sorrir para mim baixinho e murmurar entre dentes: “Venci!”
Olhei-o com desprezo e engrominei uma forma de me vingar. Saí do carro e entrei num daqueles cafés típicos de subúrbio, com nome sabendo e cheirando a África. Pedi uma bica e autorização para utilizar o telefone. Há alguns números que guardo na memória, incólumes às birras e fraquezas dos telemóveis, que poderão ajudar-me. A Susana veio em meu socorro. Trabalha perto do lugar onde estou, tem um telemóvel igual ao meu e vai levar-me o carregador.
Volto para o carro disposto a vingar-me. Assim que entro, disparo:
“ E tu para que é que serves, se não tiveres um carregador que te alimente, ó imbecil?”
Sibilino, manhoso, vingativo,respondeu-me:
" Já contaste quantos aparelhos tens em casa que dependem de um carregador? Eu dependo de um, mas tu dependes de muitos e sem eles já não sabes viver."
Fiz as contas. Entre telemóvel, computador, máquina de barbear, etc , etc, etc, contei seis carregadores. Que raio de vida esta que nos faz estar constantemente dependentes de um carregador e de uma tomada!

19 comentários:

  1. Tem de comprar um carregador de telemovel específico para o carro, é muito prático!! :))

    ResponderEliminar
  2. E se metade do que dizem acerca das catástrofes previstas para 21/12/2012 se realizar.... será o caos! rrssss

    Resto de bom dia para si, amigo.

    ResponderEliminar
  3. É mesmo... e ficamos completamente descalços!!
    Aqui há uns anos sabíamos de cor uma dezena de números fixos... hoje nem o do nosso móvel sabemos!!
    ... não é preciso! Está tudo lá... desde que o carregador esteja por perto!

    ResponderEliminar
  4. Carlos
    Existem carregadores para os carros!
    Para o telemóvel tenho o do carro e, tenho um portátil que me ofereceram, já tentei comprar e parece que já não se vendem, é um carregador a pilhas do tamanho de um batom, muito prático, estamos na praia ou em outro sitio qualquer e carrego o telemóvel.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  5. Quase um filme...

    Não " A vida por um fio", mas "A vida por um carregador"!

    Somos controlados/dependentes da tecnologia.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. Até nós de vez em quando precisamos de carregar as nossas baterias, mas é uma verdade que dependemos de toda essa panóplia de aparelhos e dos respetivos carregadores, é claro. E é por essas e por outras que mesmo que eu queira fazer um pequeno boicote à chinesa EDP reduzindo o consumo drasticamente me vejo enredado numa teia de fios.

    ResponderEliminar
  7. Ah que delícia ler essa crônica numa tarde dengosa a fazer jus a estação da hora,o outono.
    É exatamente assim que acontece , se faltar a bateria estamos ilhados, principalmente se esquecemos também da agendinha com os telefones dos amigos, rs sabe que no meu caso até gosto, me dou por vencida e relaxo.
    O pessoal reclama, mas adoro ficar incomunicável rs
    Gostei muito, sempre gosto de suas histórias cotidianas.
    um abraço

    ResponderEliminar
  8. Realmente meu amigo, hoje dependemos de tanta coisa, que até parece mentira como vivíamos antigamente, sem telemóveis, computadores e até sem televisão....um paraíso :))

    beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Por mais que não gostemos, estamos sempre dependentes de qualquer coisa. Da eletricidade desde que a há, do gás do fogão, da água canalizada e por aí adiante. Os carregadores são apenas uma etapa mais à frente, não sabemos qual será a de amanhã! É o preço que pagamos por ter saído das cavernas... :)

    ResponderEliminar
  10. Qualquer dia já não serão precisos carregadores, mas vamos estar sempre dependentes de qualquer coisa.

    ResponderEliminar
  11. Detesto estar dependente de qualquer coisa; se é de um aparelho por muito útil que seja, fico furioso...

    ResponderEliminar
  12. E agora são as nossas dependências de todos os dias...
    Os nossos jovens hoje criam muitas dependências e algumas são mesmos destruidoras da vida e dos conceitos com que fui educado.
    Algumas dependências são necessárias. Outras nem tanto e outras ainda são proibidas - as drogas e os vícios maléficos.

    ResponderEliminar
  13. Nem sei porquê, uso muito pouco o telefone e o portátil.
    E tira-me do sério estar a conversar com alguém e a ser constantemente a ser interrompido pelo portátil dessa pessoa.
    Prefiro ir embora para não ser bruto.

    ResponderEliminar
  14. LOL...rio, porque já pensei nisso várias vezes! Quanto ao telemovel...não sei 1 único nº e cor: nem o do meu marido. às vezes aponto em papeis que acabo por perder. Um dia destes fico "entalada"!!!!
    Bj

    ResponderEliminar
  15. :) Era pior se estivesse fora do pais e quando chegasse ao hotel e ao carregador não tivesse a tomada de adaptação:))) já me aconteceu . Foi um dia de férias!;)

    ResponderEliminar
  16. Pois esta, é uma dependência que me agrada, Carlos!
    A do telemóvel...não, a do carregador, claro!
    Quem sabe ainda inventam um inteligente, auto-carregável?!
    Já inventaram tanta coisa que dispensa outros préstimos...

    Beijos.

    ResponderEliminar
  17. Eu, que sou precavida, o máximo que te posso garantir é que sem electricidade de nada serve termos montes de carregadores e olha que aqui na minha Aldeia ela falha demasiadas vezes para o meu gosto e para o estilo de vida que nos habituámos a ter.

    ResponderEliminar
  18. Não sei se estamos indo para melhor ou pior... penso o mesmo com a internet, na qual sou viciada:)

    ResponderEliminar
  19. Por acaso esta minha dependência terminou há pouco tempo, pois tenho carregador no carro (ficou-me baratinho na concorrência estrangeira. Sem propaganda! LOL), mas tb se pode ter uma bateria suplente, evita estas aflições. Abraço

    ResponderEliminar