sábado, 26 de maio de 2012

Especialidades doceiras

Algumas leitoras perguntaram na caixa de comentários daqui e do CR o que eram os "Beija-me Depressa" e  os "Jesuítas"
Nada melhor, portanto, do que exemplificar com imagens. Em cima estão os "Beija-me depressa", especialidade de Tomar muito açucarada e calórica que deve o seu nome ao facto de deixar na boca o seu sabor durante um curtíssimo espaço de tempo.



Aqui fica também uma fotografia dos tradicionais jesuítas, especialidade da confeitaria Moura em Santo Tirso, também famosa pelos limonetes.
O jesuíta - cujo nome presumo se deva ao facto de a receita ser um segredo dos jesuítas- foi tomando outras formas e paladares, aparecendo agora, com frequência coberto de amêndoas, com recheio a condizer.
Sirvam-se à vontade e tenham um bom sábado. Até amanhã, dia em que vos apresentarei as visitas da D. Isilda, uma anciã de Idanha que tem sempre a casa cheia de amigos.
E se ainda não leram o final  do conto Homem rico, Homem pobre, vão ler o post anterior... 

22 comentários:

  1. Aqui vai a minha opção - Beija-me depressa, porque o Jesuítas, os verdadeiros, são muito secos.

    Bom fim de semana! Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os jesuítas da Moura não são (eram?) assim muito secos, desde que estivessem fresquinhos, Laura
      Beijo e resto de bom fds

      Eliminar
  2. Carlos
    Já me lixou o nível de glicémia...
    abraço
    Rodrigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca mais inventam estes doces sem açúcar, Rodrigo
      Abraço

      Eliminar
  3. Açúcar em excesso? Não, obrigada! : )
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  4. Hummmmmm...tenho que provar "um beija-me depressa"!

    Já os , jesuítas (bolos) saboreio-os quando me apetece, pois resido em Santo Tirso.

    A sua origem é desconhecida, pensando-se que a receita tenha sido trazida por um pasteleiro espanhol que veio trabalhar para a confeitaria Moura. O espanhol viera do norte de Espanha (Bilbao?), onde teria exercido as funções de cozinheiro dos Jesuítas, tendo aí assimilado o segredo do fabrico da arte dos folhados. Daí o nome por que hoje , efectivamente, se conhecem: os Jesuítas!

    Os jesuítas da Moura são mais pequenos e com aspecto mais apetitoso, menos secos.

    Desculpa o testamento.



    P.S. As miniaturas dos jesuítas(bolos) chamam-se seminaristas.

    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário esclarecedor, Mona Lisa. Também comi muitos jesuítas do Moura, porque tinha familiares em Santo Tirso e ia lá com os meus pais com muita frequência...
      Já não me lembrava dos seminaristas! E os limonetes? Continuam a ser bons?
      Beijos

      Eliminar
    2. Olá Carlos

      Tanto os jesuítas como os limonetes continuam a ser bons, embora com a nova gerência ,( sobrinhos da antiga proprietária), tenham perdido alguma qualidade.
      Aliás, os limonetes são bons em qualquer pastelaria de Santo Tirso.

      Beijos

      Eliminar
  5. Hummmm... que doces tentações. Os nossos doces, bolos, bolinhos são do melhor que há.

    Bom domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma perdição! Um dia destes vou aqui escrever sobre outros doces, porque uma cena que observei esta semana na Versailles deu-me mote para fazer uma história sobre Duchaises e S. Marcos.
      Bom domingo também para si.

      Eliminar
  6. Olá amigo Carlos!
    Sinceramente, isto não se faz. Anda um pobre mortal a tentar escapar à doçaria conventual, já que o colestrol é dela amigo, e tu aqui a provocares-me com estas tentações. Ainda por cima eu já fui seminarista. Fico com a sensação que já me comi a mim mesmo.
    Adorei o homem rico, homem pobre! Muito bem escrito, incisivo, real. É afinal uma estória que acontece nas esquinas da vida e nem dela nos damos conta.
    Grande abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eh, eh eh! Essa do seminarista provocou-me uma boa gargalhada.
      Obrigado pelas palavras amáveis sobre o meu conto.
      Grande abraço

      Eliminar
    2. Ehehe,eh! Essa do seminarista arrancou-me uma boa gargalhada, amigo Kim!
      Obrigado pelas suas amáveis referências ao meu conto.
      Grande abraço

      Eliminar
  7. Aprecio alguns doces mas não conhecia os "beija-me depressa".

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então, quando for a Tomar, não deixe de experimentar e depois diga-me alguma coisa
      Grande abraço

      Eliminar
  8. Oi Carlos
    Obrigada pela gentileza de esclarecer sobre o 'jesuíta' que 'apeteceu-me' provar rs e o outro só o nome já me satisfez rs
    se corresponder deve ser bem gostosinho.

    ResponderEliminar
  9. Os primeiros não conhecia, que deve ser especialidade mesmo lá de Tomar, mas os outros aparecem na pastelaria do país inteiro. Quer dizer, boas pastelarias, que as leitarias de bairro só costumam ter duas ou três variedades de bolos... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sendo um grande fã de nenhum deles,a verdade é que quando vou a Tomar normalmente como um, porque realmente só lá e´que os encontro. quanto a Jesuítas, nunca comi nenhuns tão bons como os da Moura em Santo Tirso

      Eliminar
  10. Obrigada, Carlos!
    Os jesuítas eu já conhecia. O "Beija-me Depressa" foi para mim uma doce revelação. Adoro tudo que sejam bolos com doce de ovos, mas como não sou muito glutona nem lambareira,- conheces a expressão? -só de quando em vez como um bolo.
    Está explicada a origem do nome. Beija-me Depressa, antes que passe o sabor!!
    As coisas que eu tenho aprendido contigo!...
    Beijinho.

    ResponderEliminar