quarta-feira, 2 de maio de 2012

O Labirinto




Frederico, celibatário à força desde o momento em que a mulher o abandonou atraída por um especialista performativo em gabinete ministerial,viu-se um destes últimos sábados a desaguar numa vasta superfície onde, em bailados alucinantes, centenas de pessoas se cruzavam evitando o choque das viaturas para cuja condução não deveriam estar devidamente habilitadas. 
Esgueirou-se a custo, evitando o choque, e dirigiu-se, convicto, a duas portas que ostentavam o sinal de sentido obrigatório e lhe franquearam a entrada assim que o avistaram.
Por entre música ambiente, começou então a vislumbrar vídeogravadores, máquinas de lavar, frigoríficos, ferramentas, vestuário do mais variado e uma parafernália de produtos que o fizeram pensar ter entrado no sítio errado. No meio da confusão, foi abalroado pela esquerda por um carrinho a abarrotar de produtos alimentares, por entre os quais emergia uma criancinha aos gritos, reclamando aos pais a oferta do namorado da Barbie. A breve distracção foi-lhe fatal, pois embateu estrondosamente com um jogo de xadrez , do qual saltou um rei em xeque-mate clamando justiça contra o energúmeno que o destituíra da coroa. O energúmeno, claro, era ele!
Recuperou a custo a calma e dirigiu-se para uma banca que vislumbrou ao longe, onde se acomodavam frutas e legumes. Foi colhendo alguns exemplares que lhe pareceram em bom estado e depositou-os no açafate com carinho. 
Foi então que detectou um ajuntamento de pessoas dispostas em quatro filas orientadas para um centro comum, onde se encontrava uma balança, na qual as pessoas iam pesando os produtos. Da boca do aparelho viu sair pedaços de papel que as pessoas colavam nos sacos onde previamente haviam acomodado as frutas e legumes. Num impulso mimético, foi também depositando em sacos as diferentes espécies e, concluída a operação, alinhou-se no fim da fila que lhe pareceu mais curta. 
Para não fazer má figura quando chegasse a sua vez, foi observando as operações que as pessoas que o precediam efectuavam, mas foi surpreendido por um burburinho que estalou 90º a leste da sua fila. Rapidamente se apercebeu que a causa do tumulto era um indivíduo alto e magro que se aproveitara da distracção de um dos clientes, para assaltar a balança electrónica onde pretendia pesar as bananas que esgrimia, de braço ao alto, em postura heróica. O aparecimento de uma senhora corpulenta, mas com destreza de golfinho, pôs fim à questiúncula e o “chico –esperto” ( nome que a turba em polvorosa rapidamente lhe atribuiu por unanimidade e aclamação) lá foi, envergonhado, para o fim de uma das filas que se formara em torno de uma outra balança mais distante.
( Continua)

7 comentários:

  1. Acabei de falar com uma familiar portuguesa ao telefone, que me disse para não criticar o acontecimento de ontem, porque estou longe e não posso avaliar como os 50% de desconto fizeram geito àquela gente.
    Ela não foi ao Pingo Doce, porque não precisa de tais descontos, mas louva o Pingo Doce pela a ajuda social aos mais necessitados (!!!).
    Quando me referi que acção do Pingo Doce não foi social, mas pura e simplesmente política contra o Dia do Trabalho, veio a resposta pronta:
    - A Teresa, afinal, continua comunista como noutros tempos.

    Mas que raio de sina a minha, para uns sou amiga da Angie para outros sou amiga do Jerónimo, penso que o melhor é retirar-me do palco.

    ResponderEliminar
  2. Carlos.
    Lida esta primeira parte da tua Crónica, parece-me que este Labirinto será a versão romanceada do acontecimento PD, de ontem.
    Vou aguardar, para saber em que labirintos o Frederico se perdeu...ou não!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  3. Uma vergonha! Povo sem educação! Povo de baixo nível!

    ResponderEliminar
  4. kkkkkk diverti-me com o Frederico , Carlos.
    lógico que um cara que nunca casou nunca também ouviu e viu a mulher esbravejando sobre preços, timtim por timtim rs e ele ali perdido no meio da turba feminina a caça de encher a dispensa seja como for,rsrs
    Super normal minha gente como perder uma boquinha dessas? e assim o nosso Frederico vai aprendendo a nao se meter em fria !! rsrs
    abraços Carlos/

    ResponderEliminar
  5. Esta aventura eu não perco por nada!!

    ResponderEliminar
  6. É bom, é bom, estas secas fazem bem a qq um. :)))

    ResponderEliminar