quarta-feira, 16 de maio de 2012

Se não é poesia, é efeito da anestesia



Outra tarde passada na dentista. Não vim por ela ser uma brasa balzaquiana de cortar a respiração (embora isso ajude muito a passar o tempo, confesso...) foi mesmo por estar disposto a arranjar o frontispício!
Depois de ver o orçamento abri a boca, mas não pedi para pagar em suaves prestações. Quando soube que tenho de ir lá todas as semanas, só lhe perguntei se não há passes sociais para tratamentos de estomatologia...
Ela riu-se. Retribuí e, enquanto olhava para ela, pensei na faceta positiva da questão. Este tratamento (prolongado) pode ser encarado como um 2 em 1. Enquanto ela me trata da boca eu vou lavando a vista e poupo no oftalmologista.
Parafraseando um senhor cujo nome não pode ser mencionado neste blog, as dores de dentes podem ser uma oportunidade de negócio para os pacientes.
Não tarda nada, estou a escrever um livro de poesia. Reparem como nas duas últimas frases eu fiz poesia espontânea! Se não é poesia, é efeito da anestesia!

12 comentários:

  1. Adorei:

    a imagem;
    a brasa balzaquiana ( que se não enquadra muito bem na imagem moderna e divertida do post);
    o abrir da boca;
    o lavar a vista;
    a paráfrase.

    Um texto cheio de humor e ironia. Parabéns e olhe que o que acaba de ler não é "efeito da anestesia!"

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
  2. Não é que meu amigo é um felizardo? Pelo menos pode adoçar a vista e assim esquecer um pouco do medo que todos nós sentimos quando sentados em uma cadeira de dentista... rs... E que venham as poesias, que a causa e nobre... rs...

    Beijos e uma boa tarde para você.

    ResponderEliminar
  3. Carlos
    Se a Srª Drª aqui vem, ainda se arrisca a que a anestesia seja reforçada e passa de local a geral.
    Boa!
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Se está a pensar em fazer negócio com a poesia, ui..., Carlos, aconselho-o a procurar oportunidades noutro sector. ;)

    ResponderEliminar
  5. Se a Dra. souber que te está a prestar dois tratamentos, ainda te arriscas a pagamento dobrado. lol
    Eu acho que isso é poesia provocada pelo efeito da anestesia!:)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Carlos, não sei se a musa é suficientemente inspiradora para o ajudar a desenvolver os dotes poéticos...mas pelo menos já é uma mais valia uma vez que lhe "enche os olhos de beleza" :))))

    ResponderEliminar
  7. Já me faz lembrar uma colega minha que arranja sempre médicos que,diz ela, são verdadeiras brasas. :))

    ResponderEliminar
  8. Eheheh, Carlos, deve ser efeito da anestesia, sim! Mas a Sun já o disse melhor que eu... :)))

    ResponderEliminar
  9. Qual é a anastesia a que se refere, Carlos?
    A picadela, ou a balzaquiana? :))

    ResponderEliminar
  10. Anestesia, sem dúvida!!!
    Um texto soberbo...adorável...
    Há qui, no burgo, um "gaijo" cujo nome também não pode ser mencionado no meu Blog...há coisas!!!
    Bj
    BShell

    ResponderEliminar
  11. Será que há versão masculina? Pode ser que me passe o tal pavor de que lhe falei:)
    Adorei o seu texto e ri a valer!!!


    beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Com certeza faltam-me uns parafusos na cabeça.Eu gosto de ir ao dentista e não é bem por causa dos seus belos e cansados olhos de um septuagenário.Gosto da sensação que fica na boca depois de tratada.Desde meus 18 anos só vou ao consultório para fazer a limpeza anual.Nada de cáries, isso faz parte da infância.O juízo, por conta dos cisos, já perdi todo mesmo.Não tem nada melhor do que uma boca recém saída do consultório de um dentista, fresca, limpa e perfumada!!!

    ResponderEliminar