sábado, 16 de junho de 2012

Às vezes chegam cartas




Durante as actividades num campo de férias, o monitor perguntou:
O que preferiam receber de um(a) amigo(a) distante que vos desperta especial atenção ? Um convite para um encontro por e-mail, ou por SMS?
As opiniões dividiram-se. A maioria manifestou preferência pelo SMS. Uma miúda de 16 anos respondeu:
"Preferia receber por carta"
Todos viraram os olhos na sua direcção. Um, mais atrevidote, avançou:
"Deves ser muito romântica... já ninguém escreve cartas."
O monitor perguntou:
"Por que razão preferias a carta?"
A miúda, envergonhada, mas convicta, respondeu:
" Porque uma carta dá mais trabalho a escrever e ainda é preciso metê-la no correio. E depois, se for verdadeiramente meu amigo, ainda me vai mandar qualquer coisa a acompanhar. Uma flor seca, uma ilustração, ou uma fotografia. E ainda há mais uma coisa. A carta pode ser perfumada e quando toco no papel, sei que ele também teve que o tocar para escrever a carta."
Os jovens entreolharam-se. Uns sorriram de escárnio.Outros reflectiram sobre as palavras da colega.
À noite, o monitor encontrou alguns rapazes a escrever cartas.

31 comentários:

  1. CARLOS, essa menina é das minhas.Me identifiquei com toda a definição de uma carta escrita.
    Saiba, amigo, que eu ainda as escrevo. E,como gosto de recebe-las!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também, Paloma, mas há muito que não recebo nenhuma

      Eliminar
  2. Carlos
    Ainda ontem se queixava de "falta de inspiração". Ler este pequeno post. põe-nos a pensar e a recordar tanta e tanta carta. Até me lenbrei daquelas que enviei para a "posta restante" (acho que era isso). Boas memórias meu caro.
    Abraço
    Rodrigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A inspiração deste post, Rodrigo, pertence toda ao monitor e à menina. Trata-se de uma cena real passada bem perto de si, em Óbidos. Já lá vão dois anos, mas nunca a esqueci.
      Abraço

      Eliminar
  3. Até eu tenho saudades de uma carta...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu, João, mas de as receber, porque tenho escrito algumas.

      Eliminar
  4. Bateu-me a saudade!Há quanto tempo não escrevo, nem recebo ...

    Cartas são pedaços de nós...

    Tal como os jornais. Continuo a lê-los em papel. Gosto do seu toque.

    Um miúda inteligente, sensível!(a do teu conto).

    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo menos sensível, Mona Lisa. Coisa que vai escasseando muito entre os nossos jovens
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Como sempre os homens (neste caso, rapazes) são influenciados por nós, mulheres (neste caso, pela menina romântica, que ainda gosta de receber cartas perfumadas).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não deixa de ter razão, Teresa, mas em algumas situações era melhor que os homens não se deixassem influenciar por uma mulher. Eu sei que a minha amiga sabe em quem estou a pensar
      :-)))

      Eliminar
  6. "Interessante e fantástica"! Foi assim que a assinalei e como considero esta crónica!
    Escrevi e recebi tantas cartas! Sabes que ainda tenho algumas guardadas? Nunca recebi nenhuma perfumada, mas com pétalas de rosas, sim! Que saudades tenho de receber uma carta...
    Menina sensível e romântica! É cá das minhas!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Janita. Também guardo algumas cartas.Às vezes releio algumas e emociono-me. Outras penso como os Deolinda: que parvo que eu fui!
      Beijinhos
      PS: Não, não me vou despedir à francesa, Janita. Amanhã haverá despedida formal no CR e aqui. Só não sei se haverá fanfarra, mas música quase de certeza...
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Essa menina, de facto, não tem nada a ver com as meninas de hoje. Vive fora de época. Conseguiu influenciar alguns rapazes? Conseguiu! Por muito tempo? Não creio!
    Há muito que não escrevo uma carta e há muito que não recebo.
    Escrever uma carta para o solicitador (há 3 anos) porque o senhor ainda não se entendia com o computador conta? Um solicitador português a exercer a profissão em Portugal, pois claro! : )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que conta, Catarina. Uma carta é sempre uma carta,embora não seja dessas que eu tenho saudades.
      Abraço

      Eliminar
  8. O seu post é tão bem intencionado que me deixou emocionado. Contém, porém, tremenda mentira. Era este, de facto, o texto da menina:

    " Pq 1 carta dá + trabalho a escrever e inda é preciso ir nos CTT. E dp, se for verdadeiramente m amigo, inda me vai mandar qq coisa a acompanhar. 1 flor seca, 1 ilustração, ou 1 foto. E ainda há + 1 coisa. A carta pode ser perfumada e qd toco no papel, sei q´ele tb teve que o tocar pª escrever a carta."

    Eu sei, eu vi...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A resposta foi oral, Rogério, logo não havia texto :-)))
      Agora sobre as cartas que os meninos escreveram à noite é que já não posso responder... Não li!

      Eliminar
  9. Gostei que os rapazes tivessem sido influenciados.
    E tive a sorte de ter recebido cartas assim :)
    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem nunca recebeu uma carta de amor que atire a primeira pedra, Gabi :-)))

      Eliminar
  10. Eu adoro cartas! E postais.. é exactamente por aquilo que a menina disse! ;)

    ResponderEliminar
  11. As cartas têm mais que letras a formarem palavras...!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aí está, mfc! E é esse valor acrescentado que lhes confere outro estatuto. Além disso, as cartas não se apagam. Quando muito, rasgam-se ou queimam-se...

      Eliminar
  12. As cartas!!! Agora só conhecem as de jogar e com uns desenhos e naipes extremamente confusos...

    Mas as cartas aquelas em que recebíamos os abraços e as saudades, o carinho a deslizar pelas linhas, dessas tenho saudades.

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
  13. E a miúda tinha razão. A carta é muito mais pessoal e penetrante. Para além do cheiro tem também o carimbo da distância e a beleza da escrita, já que esta se descobre nos compêndios da grafologia.
    Às vezes chegam cartas de amor! Às vezes chegam cartas com sabor a lágrimas!
    Grande abraço Carlos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ainda tem os selos que se coleccionavam e proporcionavam belíssimos momentos, amigo Kim
      Grande abraço

      Eliminar
  14. Esse ritual acho que já nem existe, Carlos.
    Infelizmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Alice Vieira continua a escrever cartas. Por puro prazer. Eu também não deixo de escrever alguns postais aos amigos, quando me ausento por longos períodos. E às vezes também escrevo uma carta...

      Eliminar
  15. Adorei esta estorinha tão simples. Mas verdadeira... :)

    ResponderEliminar