quarta-feira, 20 de junho de 2012

A sala de brinquedos



Durante o século XX jogámos ao pião, brincámos com marafonas e jogámos futebol com bolas de trapos. Bamboleámo-nos com o Hulla- Hoop, fizemos acrobacias com o disco voador e habilidades com o iô-iô.
Enlouquecemos com o cubo de Rubik, perdemos noites a tentar enriquecer com o Monopólio, a construir palavras com o Scrabble ou a testar a cultura geral com o Trivial Pursuit.
As raparigas fizeram da Barbie a menina dos olhos, os rapazes montaram no cavalo dos sonhos com o Cavaleiro Andante ou o Mosquito e todos mostraram as suas habilidades no Lego e no Meccano, se emocionaram a ler o Tin-Tin, o Pato Donald ou o Rato Mickey. Fizeram músculo a ver desenhos animados do Poppeye, brincaram às guerras com soldadinhos de chumbo e recriaram o Oeste empunhando pistolas de fulminantes.
Apaixonaram-se pela bicicleta e ansiaram pela idade em que poderiam cavalgar uma Vespa. Depois… bem… depois veio o Dragon Ball, a paixão pelo tamagotchi, a moda do walkman e grudaram-se ao computador viciados em jogos electrónicos e na Play Station.
Tempos houve em que havia salas de brinquedos para meninos e meninas. Hoje as salas já são mistas, mas nelas não há lugar para o pião, o berlinde, ou o arco.
Uniformizaram-se os nomes das bonecas , acabando com os baptizados - momentos raros de brincadeiras entre meninos e meninas.
Já não há carrinhos de plástico e acabaram-se as corridas de “sameiras” em pistas improvisadas. Já não se coleccionam cromos em busca do “carimbado”, despareceu até o carrinho de sabão e o triciclo foi enjeitado. Já não se brinca ao “tira , rapa e põe”, porque na sala de brinquedos ( quase) só resta o computador.
Durante o Verão, pela manhã, o Crónicas on the Rocks vai passar muito tempo na sala dos brinquedos, recordando as brincadeiras que nos entretinham, mas também as que divertiam e educavam os nosso pais e avós. Espero que desfrutem com estas recordações mas, para começar, desafio-vos a dizerem-me qual era o vosso brinquedo preferido.

6 comentários:

  1. Carlos
    O meu não era o preferido, mas o mais usual, era o Sacho a cavar nas terras desde os meus 8 anitos, ou andar na monda do arroz com água pelo pescoço de tão pequenina que era.
    Nunca tive um brinquedo Carlos, a não ser o que saía na farinha amparo ou na farinha 33.
    Mas na escola (mesmo sendo feminina)jogava ao pião, bolas de trapos e jogar ao botão, os botões arrancava-os da roupa lá de casa para levar para a escola.
    Talvez por isso, quando já mãe (também o fui aos 16 anitos)alinhava com as filhotas e amigos delas no iô-iô, na bota botilde, no arco de cintura,cubo mágico, Monopólio, Trivial, adorava ver os desenhos animados da altura, hoje os que os meus netos vêm são horriveis, é só guerra, como diz o meu mais novo "aquele é o mauzão".

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  2. CARLOS, com tristeza, percebo que para as crianças de todas as idades, só existe o computador. Não conhecem mais brinquedos e muito menos brincadeiras de roda (meninas). Houve uma mudança radical. Infelizmente.

    ResponderEliminar
  3. Fui uma espécie de Maria Rapaz por isso jogava à pedrada com os miúdos meus vizinhos, também ao "agarra e foge" e mais tarde já no colégio de freiras, à falta de melhor, fiquei-me pelo "Hulla Hoop"!
    Sempre dava para me torcer toda! :-)

    ResponderEliminar
  4. Eu gostava das bolas de trapo para jogar ao mata, das outras para o futebol, corda de saltar e elástico - tudo que desse para correr, saltar e brincar, portanto! :)

    Mas também gostava do view-master, e de jogos de papel e lápis como a batalha naval ou o stop... Outros tempos, mesmo! :)))

    ResponderEliminar
  5. Qual era o meu brinquedo favorito, Carlos?
    Um carro com pedais.
    Mas, um dia, tive um "acidente" (atirei-o ao rio) e nunca mais o vi :)))

    ResponderEliminar
  6. A minha loucura eram os "Dinky Toys"; que modelos magníficos e que "corridas" eu inventava com essas miniaturas de automóveis.

    ResponderEliminar