quarta-feira, 13 de junho de 2012

Santos Populares: a cada um seu paladar



Nunca fui grande fã das noites de Santo António. Quando cheguei a Lisboa, com apenas 17 anos, a primeira noite de Santo António foi uma grande desilusão.Durante muitos anos carreguei com o estigma de ser vítima de um bairrismo que não me permitia assumir o Santo António. O tempo demonstrou quão errado era o juízo dos que pensavam assim.
Levei muitos amigos lisboetas ao S. João do Porto. Num ano - já longínquo - aluguei um autocarro e levei 40 amigos lisboetas para viverem, in loco, uma noite de S. João. Começámos com o alho porro e o irritante martelinho nas ruas da cidade e terminámos, madrugada alta, com uma cabritada e caldo verde no jardim da minha casa.
Obviamente que não faltaram os típicos balões sãojoaninos- que os deixou a olhar para o ar como pategos- e o “cachaporrão” que lhes conferiu o direito a uma valente ressaca. No dia seguinte ninguém sentiu a falta das sardinhas nem das marchas populares, mas alguns perceberam, depois de uma volta pela cidade às primeiras alvoradas, a razão de o mês de Março ter sido, durante muitos anos, o mês de maior natalidade no distrito do Porto.
Os tempos mudaram e o S. João perdeu o seu encanto, mas tenho amigos lisboetas que ainda hoje recordam aquela noite de S. João e alguns, sempre que o calendário o permite, rumam ao Porto para recordar.
Tenho algumas boas recordações das noites de S. João, mas de Stº António, apenas uma.Ano passado ainda fui dar uma volta, mas este ano fiquei em casa a visitar-vos e depois a trabalhar até ao raiar do Sol.

7 comentários:

  1. Ó meu rico Santo Antoninho!
    Se Portugal perder esta noite
    contra a Dinamarca em Lemberg
    Levas no ...

    Eu cá confio mais no nosso São João!!!

    ResponderEliminar
  2. Nunca fui ao Santo António em Lisboa, daí não me poder pronunciar.
    Grandes recordações tenho, isso sim, do São João de Braga, porque estava naquela idade de ouro que só se vive uma vez. Claro que também gosto muito do São João do Porto, mas já não tinha "aquela idade"...

    ResponderEliminar
  3. Nunca "vivi" nenhum Santo Popular.

    As marchas vejo-as, às vezes, na TV. Na confusão do S.João, ninguém me apanha!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  4. Curiosamente, o melhor S. João que já vivi, não foi no Porto. Isto, porque só entrei no turbilhão de tripeiros em festa, de martelinho e alho porro em riste, uma única vez. Ainda o Santo se festejava no Jardim da Rotunda da Boavista. Tive tanto azar, que uma daquelas bombinhas que estupidamente a rapaziada lançava para o chão, me veio rebentar na perna.
    Agora, vamos até à Ribeira ver o fogo de artifício e não é sempre.
    Mas, como te ia dizendo, o meu melhor S.João aconteceu ano passado aí na Fonte da Telha, com uma enorme fogueira na areia da praia e música ao vivo. Aquilo é que foi dançar!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Carlos,
    Chamo-me João Pedro porque nasci entre o São João e o São Pedro (27 de Junho).
    Como o meu avô (António José) e o meu padrinho (José António) não se entendiam, o meu pai escolheu o nome por causa da data.
    Gostei da escolha!!

    ResponderEliminar
  6. Gosto de noites longas, sejam elas de Sto. António, S.João...ou São Januário!
    É nas noites que me penso!

    ResponderEliminar
  7. Nunca passei o S. João no Porto, em Lisboa tenho boas recordações do Santo António, quando era miúda e saltava a fogueira lá na minha rua, e uns anos mais tarde de uma noite pelas ruas de Alfama. Não acho especial graça às marchas, aquelas sardinhas comidas na rua em cima de uma fatia de pão sabem lindamente, mas nem sempre apetece a canseira de subir e descer vielas, pejadas sobretudo de gente muito bêbeda... ;)

    Há uns anos que não alinho nessas andanças!

    ResponderEliminar