sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Praças da minha vida (12) - The end


Não é uma praça fascinante, mas escolhi-a porque, quando fui viver para Londres, morava lá perto ( na Queensway) e muitas vezes me sentei naquela relva  em amena cavaqueira, ou simplesmente a ler um livro e a comer um cachorro ou um hamburger. 
Ao contrário da maioria das praças, não nasceu com essa condição. Numa praça se transformou ao longo do tempo.
Com Cleveland Square encerro a minha parte desta rubrica, tendo a certeza de que muitas outras praças que fizeram parte do meu percurso de vida, também aqui deviam estar.
A partir de segunda-feira, dia 3, começarão aqui a aparecer, de 2ª a 5ª feira às 9 horas da manhã, as fotografias das praças enviadas pelos leitores. Eu, que já as vi, ( não todas, porque sei que até dia 2 ainda vão chegar mais algumas...) posso garantir-vos que vale a pena passarem por cá diariamente. 
Agradeço, desde já,  a todos os leitores que aceitaram o desafio. 
Mais lá para diante revelarei uma alínea que não estava no regulamento, mas que decidi criar tendo recebido, para o efeito, a anuência do conselho de administração do crónicasontherocks. 
Até logo...

5 comentários:

  1. Eu é que agradeço ao Carlos pelos seus interessantes desafios, que obrigam a minha imaginação ferrugenta a trabalhar.

    Para mim esta praça é fascinante, Carlos, por ser tão verde e tranquila.

    Como eu gostava de estar sózinha sentada num banco a ler um livro ou a escrever (nessa altura ainda escrevia um português fluente) ou a comer uma sandwich de pepino, porque não gosto lá muito de cachorro ou de hamburger.

    As the time goes by...

    ResponderEliminar
  2. Há lugares em que nos sentimos extremamente bem, sem descortinarmos as razões!

    ResponderEliminar
  3. Vivi em Londres uns 6 meses, quando era muito miúda (tinha uns 4 anos), tenho poucas memórias disso. Nem sei dizer onde vivi, mas sei que da janela havia vista para um parque, onde mal fazia uma nesguinha de sol lá se iam os ingleses esparramar na relva de fato de banho... Nós olhávamos para aquilo de boca aberta, pois ainda estávamos com as camisolas de inverno... :)

    Mas lembro que lá perto e durante todo o ano, havia assim uma espécie de quiosque de ice creams! E isso não me importava de comer todos os dias, de inverno ou verão... :D

    ResponderEliminar
  4. Gosto desta praça, inspira qualquer um.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Queria mandar-lhe uma fotografia de uma praça, Carlos, que fica afastada de Düsseldorf mais de 70km, daí a minha demora.
    Espero que entretanto, tenha chegado a minha praça ao seu @-mail.

    Desejo-lhe um fantástico fim-de-semana.

    ResponderEliminar