domingo, 21 de outubro de 2012

Conversa à volta da lareira



Disse um dia destes à minha empregada:
- Tenha cuidado, que um dia destes vão proibi-la de acender a lareira.
Ela riu-se. Eu insisti. Ela mudou de conversa. Eu voltei à carga.
- Mas quem é que me vai proibir de acender a lareira em minha casa e porquê?
- O Estado, para proteger a sua saúde.
Ela riu-se mais e depois atirou:
- O Estado? Mas que é que o Estado quer saber da minha saúde? Há dois anos o médico disse-me que tinha que ser operada aos joelhos por causa da artrose. Disse que era urgente , mas ainda estou à espera que marquem a operação...
- Pois, mas também é para proteger o ambiente...
- Então porque é que eles deixam arder tudo no verão?
Eu ri-me. Ela riu-se. Saí de casa e fui pôr o lixo no ecoponto.
Dirigi-me para a estação de Metro caminhando ao lado de uma longa fila de automóveis, movendo-se a passo de caracol. Tive que levar o lenço ao nariz para não respirar toda aquela fumarada que saía dos escapes dos automóveis que transportavam ( quase todos ) apenas uma pessoa. Esta não é uma questão que preocupe o Estado. Sorri, peguei numa pedra da calçada e arremessei-a ao ar. Na direcção do Estado, que mais uma vez se esgueirou por entre as curvas da incoerência. Corria, leve, uma brisa de demagogia!

8 comentários:

  1. As contradições políticas da vida em sociedade. :)

    ResponderEliminar
  2. Aqui há anos, uma educadora de infância com preocupações ecológicas ensinava as suas crianças os sítios devidos para colocação de papel, vidro, ...

    Um belo dia levou o grupo ao local de tratamento do lixo - choque total para toda a gente: aquilo que tão cuidadosamente tinham separado no ecoponto, encontrava-se tudo num emorme monte !

    Bom dia, sem poluição

    ResponderEliminar
  3. Depois de ler esta tua saborosa crónica, que foca uma das muitas incoerências estatais e o alheamento cívico do povo,também, ficou-me a bailar na mente o refrão de uma velha canção:
    "Demagogia feita à maneira é como queijo numa ratoeira".
    Os anos passam, mas as ratoeiras não mudam.

    Beijinhos, amigo, tem um bom domingo.

    ResponderEliminar
  4. ...continuamos a deixar que nos conduzam a uma falsa situação.

    Belíssima e actual crónica.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Infelizmente o que não faltam nesta terra são brisas de demagogia... Brisas? Bem, não são bem brisas, são mais rajadas ciclónicas... :P

    ResponderEliminar
  6. Demagogia é o que para aí há mais, Carlos.

    ResponderEliminar
  7. Boa crónica! E, se Teté me permito, copio-lhe as palavras - "Bem, não são bem brisas, são mais rajadas ciclónicas..."

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
  8. Foi a brisa da demagogia que desviou a pedra arremessada, a mesma que fica à espera de Godot!
    Grande abraço amigo Carlos

    ResponderEliminar