quinta-feira, 25 de outubro de 2012

De Ofir a Hannover


Praia de Ofir (foto roubada aqui)

A minha amiga Petra W. telefonou-me ontem da Alemanha. Como vem acontecendo nos últimos anos, ela não me dá os parabéns. Limita-se a dizer " lá me fugiste outra vez" ( Durante dois meses temos a mesma idade, pois ela faz anos em Agosto).
Para quem não saiba, a Petra W. é minha amiga de infância. Conhecemo-nos ainda crianças, nas areias de Ofir e construímos, ao longo dos anos, uma amizade inquebrantável.
Se seguiram os links acima, já sabem que ela é uma apaixonada por Portugal, pelo que a situação porque estamos a passar a deixa profundamente incomodada. É, por isso, uma feroz crítica de Merkel, a quem não poupa epítetos pouco abonatórios e não andam longe dos que lá na sede já tenho atribuído à bola de Berlim com pêlos.
Ontem, durante a conversa, contei-lhe que Marcelo Rebelo de Sousa, com o apoio da câmara de Cascais, vai fazer um filme sobre Portugal para ser exibido aos alemães. Primeiro ela riu-se mas depois, com aquela voz azeda tão germanófila, disse:
- Não precisam de gastar dinheiro com filmes. Os alemães sabem muito bem o que se está a passar com Portugal e os mais alfabetizados percebem que a Merkel está a cometer um erro enorme, impedindo que vocês e os gregos sejam ajudados pelo BCE. Ela está com medo de perder as eleições e, apesar de ser inteligente, vai alimentando a ideia de que não podem ser os alemães a pagar a crise dos outros - é assim que pensa o alemão analfabeto -  em vez de explicar que, se vocês e os gregos saírem do euro, nós aqui vamos ter consequências terríveis.
Eu sei que há muitos alemães a pensarem do mesmo modo e que a imprensa portuguesa dá, por vezes, uma imagem dos alemães que não corresponde à realidade. Lá, como cá, a massa anónima e politicamente analfabeta é que ganha eleições, mas seria expectável  que num país tão "evoluído" como a Alemanha, os políticos tivessem a coragem de explicar aos cidadãos alemães os efeitos nefastos para as suas bolsas, no dia em que Portugal e Grécia saiam do euro. 

9 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Pois é amigo Carlos. Um destes dias, deixa de ser de Ofir a Hanover, mas sim do Bombarral a Kuala Lampur.
    Nós, que somos um povo tão simpático, andamos a ser fornicados por uma senhora que nos espreita ainda, por detrás duma cortina de ferro.
    Se viermos a sair do Euro, todos os países da CE vão sofrer com isso, mas nós seremos os principais prejudicados. Nem quero pensar nisso.
    Até que isso não aconteça, é bom que se vão comemorando aniversários mesmo quando apetece ir viver para o hemisfério sul.
    Um grande abraço de Parabéns!

    ResponderEliminar
  3. Eu tenho um amigo alemão, amante também de Portugal, que opina da mesma maneira.

    ResponderEliminar
  4. Por vezes penso que se saíssemos já do Euro, só tínhamos a ganhar. Antes que estes gajos esfolem até ao fim tudo o que temos que valha dinheiro, pelo preço da uva mijona, e sem que o país fique menos endividado. Vão-se os anéis, fiquem os dedos. Mas sem dívidas, evidentemente!

    ResponderEliminar
  5. Eu...procuro nem pensar...pois não auguro nada de bom!

    Vejo Hitler na "bola de Berlim peluda"...ando pessimista, sei!!!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. Carlos.
    Pode ser que isso aconteça, mas na verdade não acredito muito nisso- refiro-me à nossa saida do euro - isso representaria para nós, um gigantesco passo à rectaguarda!

    Ando há imenso tempo por aqui e "perdi-me" pelos links que deixaste. O blog onde foste buscar a foto da praia de Ofir, tem algo de familiar, mas não consigo, de momento, entender porquê.

    Gostei muito da tua amiga Petra W., de personalidade vincada e mentalidade bem diferente do conceito que faço do germânico vulgar, ou seja, egoísta e pouco sensível aos problemas alheios.

    Depois, há aquela canção que faz parte da tua vida desde sempre:
    SAG WARUM, interpretada por Camillo Felgen.
    Ouvi-a duas vezes e a música impressionou-me muito, mas quando fiz a tradução daquele excerto da letra que encabeça o post, associei-a a uma parte da tua vida, aquela que gostarias de exorcizar, e sentindo-me triste, por ti, também eu me perguntei: Porquê?

    Vou ficar por aqui. Acho que o sono e o adiantado da hora me estão a levar para divagações que não fazem muito sentido...

    Beijinhos e até breve, Carlos.

    ResponderEliminar
  7. Parabéns!

    A Alemanha , os alemães cultos ou não sabem o que se passa em Portugal , tal como em 42/43/44 etc sabiam o que se passava na alemanhã e por isso não acredito que se importem ou vão mudar de atitude com um filme . Atrevo-me pensar que o Professor Marcelo R.de sousa tambem não acredita , portanto quem querem enganar ? Nunca estive tão desanimada :(

    ResponderEliminar
  8. Isso NUNCA vai acontecer, Carlos.
    Expulsar um país do euro é o princípio do fim
    Um fim que ninguém quer.
    E não sã só os europeus.

    ResponderEliminar
  9. Foi esse mesmo povo 'analfabeto' que se deixou convencer por um senhor de bigode ridículo há uns anos atrás...e quando lhes pintam 'eles são maus e vamos passar pior por causa deles' o analfabetismo vira fundamentalismo. As massas deixam de pensar e vão na onda cega.

    Contra isto não podemos fazer nada. Mas podíamos, assim alguém os tivesse no sítio ( sabemos todos do 'eunuquismo' que grassa neste governo)dizer à Merckl para se acalmar e fazer o esforço de lhe explicar as coisas como se ela não fosse extremamente burra. Mas isso, claro, dá trabalho. E não garante tachos internacionaisquando esta mama acabar...

    ResponderEliminar