segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Top 50




Depois da saga “Os 50 livros que toda a gente deve ler”, o “Expresso” ofereceu-nos, este fim de semana, “Os 50 filmes que toda a gente deve ver” ( Presumo que o próximo – e espero derradeiro- episódio  seja “As 50 canções que toda a gente deve ouvir”) .
Não sei a razão de o “Expresso” ter escolhido o número 50. Porque não 100? Ou 25? Isso não é o mais importante… Creio, no entanto, que esta saga do semanário mais lido em Portugal se inspirou muito nos blogs. Também eu já tive, no CR, uma série sobre os filmes da minha vida e vi, noutros blogs, idênticas séries sobre livros ou canções.
 Estas séries, na blogosfera, parecem-me até interessantes, porque favorecem a interacção entre os bloggers, mas em jornais não lhes vejo qualquer utilidade. Se a escolha fosse feita pelos leitores, ainda vá, agora pelos críticos?
Mesmo assim, dei-me ao trabalho de ler a lista e ver quantos filmes, entre os 50 que o “Expresso” garante que toda a gente deve ver, eu tinha visto. Foram 28, o que me parece um número interessante, mas constatei duas coisas:
1- Nem todos os 28 estão entre os que eu considero que toda a gente deve ver.
2- Falta lá aquele que é, ainda hoje,  o “filme da minha vida”: Cinema Paraíso.
Não me dei ao trabalho de comparar a lista do “Expresso” com a lista que elaborei há uns anos no CR, mas sei que alguns estão lá.
Bem, mas o que eu queria dizer é que me parece muito provável que se decidir hoje fazer uma nova lista sobre os livros e filmes da minha vida, provavelmente não coincidirá totalmente ( principalmente em matéria de livros) com as listas que noutros tempos elaborei.
Mesmo assim, um dia destes vou responder ao desafio da Teté e elaborar a lista dos 50 livros de que mais gostei.
Quanto aos filmes, talvez os vá despejando aqui a conta gotas e, no final, irei comparar com a lista que  elaborei há uns anos no CR.
E vocês? São capazes de dizer  qual o livro ou filme que mais vos marcou em toda a vida?

15 comentários:

  1. Não incluíram "Cinema Paraíso"?! Eis porque não confio em especialistas, rrrss

    mais uma vez comento o outro blogue: Policarpo, vende o desmantelamento do país e a dor do povo português pelo IMI e benesses semelhantes, mas isso é sempre o comportamento do Vaticano: defender os seus interesses sem se preocupar com as vítimas.

    O que a criatura deveria ter acrescentado é que andar de rastos /joelhos en santuários e ao redor de imagens também nada resolve!!

    Boa semana, amigo meu

    ResponderEliminar
  2. Olha Carlos:
    O livro que mais me marcou foi "A Carta de Pequim", o primeiro livro que li da escritora norte-americana Pearl Buck. No entanto, já estou como tu, depois deste li outros igualmente marcantes, mas aquele é especial.
    Li-o quando era muito muito jovem e ainda o guardo comigo. As suas folhas amarelecidas pelo tempo representam uma época muito bela da minha vida: A idade das ilusões!
    Apesar de "Cinema Paraíso" ter sido um filme que adorei, foi "As Pontes de Madison County" o que mais me marcou. Não, o facto da personagem se chamar Francesca não teve nada a ver!!:-)
    Foi mesmo a história, em si...

    Beijinhos e boa semana, Carlos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo muito jovem li quase toda a obra de Pearl S. Buck, gostei muito em especial da sua obra máxima, a gigantesca triologia constituída por Terra Bendita, Os Filhos de Wang Lung e Casa Bendita.

      "A Carta de Pequim" não me lembra de o ler, mas vou procurar nas minhas estantes, porque tenho tantos livros desta autora, que pode ser, que me tenha esquecido.

      Então, Janita, o teu verdadeiro nome é Francisca? Lindo!

      Entre o "Cinema Paraíso" e "As Pontes de Madison County", prefiro o primeiro, embora gostasse de ambos.

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. (isto hoje está a correr bem...é a terceira tentativa para colocar o comentário. Cada vez que publico encontro uma gralha. Já se vê que a malta não deve postar depois de almoço. A ver se é desta que não faço asneira :))

    Não gosto muito de fazer listas porque acho sempre que me esqueço de algum... Mas há uns filmes que 'saltam' logo à cabeça; também gostei muito de 'Cinema Paraíso' que vi com um colega de trabalho em Turim, e talvez por isso me tenha marcado tanto. O Janita também referiu outro dos meus filmes favoritos, 'As pontes de Madison County', que vem de mão dada com o 'Clube dos Poetas Mortos'. Outro que me marcou, a ponto de o ver três vezes seguidas madrugada adentro (porque tinha de o devolver)foi 'Onegin', um filme discreto com Ralph Fiennes e uma improvável Liv Tyler que nem sei se passou nas salas, mas de que gostei imenso. É claro que o momento em que se vê um filme também influencia muito a apreciação que dele se faz. Regra geral tudo o que for dramático sem ser xaroposo tem boas hipóteses comigo. E uma comédia inteligente, adoro.

    Ah! A Lista de Shindler.

    Tenho de pensar bem nisto e começar uma lista a sério. Um projecto de vida, lá está, sempre a engrossar (ou emagrecer) com novos visionamentos.
    PS: sinto-me muito burra com a lista do Expresso, é o que me ocorre dizer. Metade não conheço, alguns conheço da faculdade (uns vi, outros consegui fazer a cadeira sem os ver (graças a Deus!) e outros já vi, mas sem achar que a minha vida dependeria disso. O ET é giro, mas vá lá...

    ResponderEliminar
  6. Estou farta de procurar esse filme - "Cinema Paraíso" - que nunca vi. Mas em breve remedeio essa lacuna, dê por onde der... :)

    O filme da minha vida é, sem dúvida, "Les Uns et Les Autres". Logo eu, que nem sou grande apreciadora do cinema francês... "A Lista de Shindler", de que fala a Safira, "Voando Sobre um Ninho de Cucos" ou até o mais recente "As Serviçais" seriam sem dúvida títulos que figurariam nessa lista dos "50 filmes da minha vida". Pensando bem, se calhar um dia destes também faço uma... :D

    Da lista do "Expresso" só figurariam dois: "Citizen Kane" e "My Fair Lady". E de Hitchcock preferiria outro título. "Serenata à Chuva"? Are they joking with us? :)))

    ResponderEliminar
  7. Também vi o filme "Cinema Paraíso" ,que adorei. Dois filmes que me marcaram foram "A escolha de Sofia", com Merryl Streep e "Era uma vez na América".

    Dois livros que adorei e já os reli foram os "Fio da Navalha" e o "Fim da Aventura".

    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Eu vi o filme "Cinema Paraíso", mas outros marcaram a minha vida, talvez pela data em que os vi, livros também tenho vários!
    O expresso só oferece filmes que já passaram na TV 300 vezes.
    Boa semana Carlos

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  9. Vou ficar à espera da lista dos 50 livros :)

    ResponderEliminar
  10. Sem o Cinema Paraíso está incompleta.
    Não podia estar mais de acordo.
    Mesmo sem ainda ter consultado a lista.

    ResponderEliminar
  11. Quando a minha amiga Angie visitar Portugal em Novembro, vou fugir da blogosfera; agora ando fugida por falta de tempo.

    Listas destas não se levam a sério!!!

    Cada um de nós tem as suas preferências. Eu, por exemplo, adoro o filme "Serenata à chuva", enquanto que a "Lista de Schindler" não vi até ao fim.

    O Cimema Paraíso não é o filme da minha vida, mas já o vi várias vezes e também é um dos meus favoritos.

    ResponderEliminar
  12. Gostei de ler uma grande quantidade de livros, mas SÓ UM marcou a minha vida para sempre!!!

    ResponderEliminar
  13. Dos livros, dois há que recordo sempre: "Le Petit Prince" e "Memórias de Adriano".
    Filmes são muitos, claro, com predominância nas obras primas de Felinni, Visconti e Fassbinder.
    Claro que "Cinema Paraíso" tem que estar em qualquer lista de bons filmes.
    Falando com o coração, dois filmes me "esmagaram" - "West Side Story" e "Um dia inesquecível", de Ettore Scola

    ResponderEliminar
  14. E já me esquecia era de escrever sobre o livro, só que teriam ser livros :) A Pousada do Anjo da Guarda, Heidi, As aventuras da Dona Redonda, O Meu Pé de Laranja Lima, Férias Grandes, Orgulho e Preconceito, O Tempo dos Duendes, O Monte dos Ventos Uivantes, Exodus, A Felicidade não se compra, Amor numa rua escura, O Tempo e o Vento, Gabriela Cravo e Canela, Dona Flor e seus dois maridos, As Meninas, Ciranda de Pedra, Iracema, Bela de Dia, A Ingénua Libertina, Os irmãos Karamazov, Almas Cinzentas, Corpos e Almas,...em idades, épocas e por razões diferentes e sei que há muitos mais que não estou a lembrar agora. De todos, destacaria O Monte dos Ventos Uivantes (com este título mesmo no livo de bolso da Europa-América).

    ResponderEliminar