segunda-feira, 26 de novembro de 2012

As voltas que a vida dá



Raras vezes um filme com final tão previsível, desde praticamente o seu início, me prendeu tanto a atenção.
É certo que o argumento é fraquinho e tresanda a “déjà vu”. A história de um velho doente, quase cego,  visto pelos mais jovens como acabado, porque  preferiu continuar a seguir a sua intuição e confiar na experiência  a aderir às novas tecnologias, para desempenhar a sua profissão. Claro que uma história destas só podia acabar com a glória do velho e a humilhação dos mais novos, mas dispensavam-se algumas lamechas finais próprias de telenovela, com os maus a serem  castigados e os bons a serem felizes para sempre. 
O que salva então o filme? Para além das interpretações de Clint Eastwood e de Amy Adams, uma certa dose de humor e o perfil das personagens, onde merece especial destaque  Mickey, a filha ambiciosa, em permanente conflito com o pai, que se vai transformando ao longo do filme de forma previsível, mas quase imperceptível. A teimosia e casmorrice de Clint Eastwood (Gus) já é uma imagem de marca do actor mas, mesmo assim, há algo de mais maduro e sereno neste velho Eastwood que até o torna simpático.
As voltas que a vida dá vê-se com agrado. Numa tarde de chuva, numa sala de cinema onde pipocas não entram.

9 comentários:

  1. Para apoiar publicamente um partido como o Republicano só pode ser casmurro!

    Agradeço a opinião, mas acho que não vou.

    Bom serão, amigo

    ResponderEliminar
  2. Há actores que quanto mais envelhecem melhor representam e mais se gosta deles! Na minha opinião o Clint é um deles, o Sean Connery outro e o Paul Newman então...quanto mais envelhecia melhor.

    Salas de cinema sem pipocas é bom.:) Para estes lados não sei se há disso. Há meses que não assisto a um filme numa sala de cinema!

    Vou esperar, "pelas voltas que a vida dá!"

    Beijos.

    ResponderEliminar
  3. Mesmo sendo um filme de "sábado à tarde" tenciono vê-lo porque aprecio imenso Clint!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  4. Tal como a Janita sou fã dos actores que referiu e mais alguns, mas sinceramente à muito que não vou ao cinema.
    Boa semana Carlos

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  5. Este é quase certo que também irei vê-lo, já que o maridão é grande fã de Eastwood. Mas concordo com o Carlos, gosto mais dos últimos trabalhos do ator do que das coboiadas e dos "dirties" que o tornaram famoso. É assim, alguns atores são como o vinho do Porto... :)

    ResponderEliminar
  6. Até gostei bastante do filme que em Inglês é “Trouble with the curve”! : )

    Fantasia? Previsível? Que importa se nos dispõe bem?
    Mas que sala é essa onde não entra pipoca?! Em qualquer sala onde vou, quer seja neste cineplex com 18 salas na minha zona, quer seja na baixa de Toronto, Yorkville, por exemplo, zona chiquérrima, vejo sempre alguém a comer as saborosas pipocas! Os americanos/canadianos são muito mais práticos e pouco esquisitos independentemente do ambiente onde estao inseridos!

    ResponderEliminar
  7. Carlos,
    Clint Eastwood, com a postura que assumiu na campanha presidencial americana, desiludiu-me imenso.
    Só faltou dizer "make my day" para voltar a ser Dirty Harry.

    ResponderEliminar
  8. Também já está na minha lista. Se bem que depois de 'Gran Torino', de que gostei imenso, tenha algum receio de me decepcionar. Bem, o Clint é sempre o Clint. É como o Al Pacino. Ou o de Niro. Ou o Jeremy Irons. A malta papa essencialmente para os ver a eles.

    ResponderEliminar
  9. errata:a malta paga, não papa. Papar só se forem as pipocas que por vezes se compram só para abafar o ruido das pipocas dos outros. Se não os podes vencer... :)

    ResponderEliminar