quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Karaoke



O jovem entrou bamboleando. Cabelo pela cintura, vestimenta punk,  trazia  a tiracolo uma rapariga que quando levantava a cabeça lhe cheirava a axila. Procuraram uma mesa com o olhar. Solícito, o empregado indicou-lhes uma acabada de vagar. Dirigiram-se para lá, caminhando ao ritmo da música ró desafinada por um cliente.
Recusaram a lista . Ele escreveu num papel a canção que ia cantar.
Alguns minutos depois foi chamado ao palco. Caminhou, em passo lento, agitando as pulseiras e os colares que tilintavam naquele corpo atlético musculado em ginásio. 
Quando atacou os primeiros acordes de uma canção brasileira, um sorriso ecoou pela sala.
“ Receba as flores que eu lhe dou
E em cada flor um beijo meu…” 

8 comentários:

  1. Gostei! Muito! Sobretudo daquilo que não ficou explícito...mas que eu consegui ler nas entrelinhas! Há quanto tempo isso foi!!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Ahahah, é mesmo a bota a não bater com a perdigota... Com que então Nelson Ned?!? :)))

    ResponderEliminar
  3. Era a namorada dos seus sonhos?!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  4. O "caralhoque"tem destas coisas, Carlos :)))

    ResponderEliminar
  5. Adorei! Eu tinha um primo que sempre que viajávamos longas distâncias atacava com músicas assim o percurso todo.Sim, nós tivemos uma fase "todos na kombi" ao som de Valdick Soriano e Roberto Carlos.

    ResponderEliminar
  6. Quem vê cara ... não "vê" gostos musicais!!!!

    ResponderEliminar