quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

António Variações


Tornei-me admirador de António Variações, quando o ouvi, pela primeira vez, num bar em Genève. Não o posso afirmar com toda a certeza, mas creio que na altura, em Portugal, poucos se atreviam a elogiar o barbeiro-cantor. Eu fi-lo várias vezes contra a corrente. Lembro-me de uma noite, durante uma daquelas tertúlias que tinham lugar no “Botequim”, ter sido quase trucidado quando afirmei que gostava do Variações.
A Natália Correia saiu em minha defesa e apoiou a minha opinião. Depois de todos terem saído fiquei só com uma amiga, a Natália e o Dórdio. O assunto voltou naturalmente à conversa e a Natália virou-se para nós e disse:
“ Podem crer que o Variações vai ser um dos grandes nomes da música portuguesa, mas para isso acontecer, primeiro terá de morrer”.
Hoje, o papel de António Variações na transformação da música popular portuguesa é aceite de forma consensual. Pergunto-me se o mesmo aconteceria se ainda fosse vivo, ou não tivesse morrido envolto naquela áurea de mistério.
Não sei se Tony Carreira virá a ficar na história da música como outro Marco Paulo, ou alguns degraus acima. Sei  que o cantor romântico em Portugal é normalmente visto com pouco apreço. Talvez por isso me lembre de Tony de Matos. Muitos dos que o criticaram, hoje elogiam-no e chegam a compará-lo com Charles Aznavour .
Do oito ao oitenta, como é apanágio do português cinzento, sorumbático, volúvel, com opinião sobre tudo e sobre nada, com uma mórbida tendência necrófita, que o leva a pôr nos píncaros, depois da morte, quem muito criticou durante a vida.


14 comentários:

  1. A primeira vez que ouvi Variações foi num programa televisivo de Júlio Isidro...e fiquei abismada!

    Depois, indignou-me a forma como decorreu seu funeral.

    A caneta com que aprendi a escrever era irmã gémea da sua, meu caro amigo.

    Bom serão.

    ResponderEliminar
  2. É o usual da mentalidade "pequenina" da maioria dos portugueses.

    "Homenagens Póstumas"!!!

    Adoro as suas canções desde que as ouvi.( O seu estilo próprio e inconfundível). Apenas o vi uma vez, casualmente, em 75, chegada de Luanda,
    numas andanças a tratar da papelada( sentindo-me JUDIA), em Lisboa.
    O à vontade e a forma pouco usual de vestir de António Variações, atraiu-me!

    Um visionário!

    Beijinhos.





    ResponderEliminar
  3. Tal e qual... a morte que tudo torna perfeito...

    ResponderEliminar
  4. Sempre gostei de António Variações, mas o mesmo já não posso dizer do Tony de Matos: sempre detestei aquela maneira de cantar.

    Já Marco Paulo e Tony Carreira não cantam o género de música que gosto. Mas reconheço que têm boa voz, ao contrário de outros que têm música mais a meu gosto mas voz... népias!

    Sempre me confundiu aquela mania tuga de depois de morto qualquer um virar santo... mas que é que se há de fazer? ;)

    ResponderEliminar
  5. Ai subo! Subo!!!
    deixa a chuva parar!

    A foto foi tirada em 2011 em Bled/Eslovénia.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. Carlos,
    Não gostei, não gosto.
    Nem do António Variações, nem do Tony de Matos, muito menos do Tony ou do Marco Paulo.
    A todos eles, não obrigado!!

    ResponderEliminar
  7. Eu gosto do Variações!
    Ainda hoje se pode considerar um original!

    ResponderEliminar
  8. A primeira vez que vi actuar A.V. foi no "Passeio dos Alegres" um programa apresentado por Júlio Isidro, creio que no ínicio da década de 80.
    Lembro-me de ter ficado completamente siderada com seu aspecto! Nunca tinha visto nada assim!:) Cheio de correntes, tatuagens e quase nú...:)) Mas, adorei! A ousadia, a originalidade e sobretudo a voz! Completamente diferente de todas as vozes em voga, nessa altura, e ainda hoje...
    Ja muito depois dele morrer, li a sua biografia e fiquei a conhecer, através de depoimentos dos irmãos e amigos, muitos factos sobre a sua vida íntima - houve um descuidado comportamento dele em Amsterdam que me deixou abismada, dado o extremo cuidado que ele tinha com pequenas coisas relacionadas com a saúde, no seu dia-a-dia - e o seu relacionamento com os familiares.
    Gosto imenso de ouvir António Variações; tem uma voz única e inimitável.

    Beijos.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Valha me Deus, Janita!

      Estou em pulgas para saber qual foi o descuidado comportamento do António Variações em Amsterdam.

      Eu que sou extremanente cuidadosa com as minhas coisas, perdi em Amsterdam uns óculos que me tinham custado uma fortuna.

      A minha fatasia muito suja, diz-me que o descuido dele foi muito grave do que o meu.

      Eliminar
    2. O teu descuido, Ematejoca, apenas te trouxe prejuízos materiais, logo, o dele foi muitíssimo mais grave do que o teu, sem dúvida!
      Na minha opinião o comportamnemto algo irresponsável dele, foi literalmete entrar num quarto "escuro" e sem saber quem estava no outro lado..deu umtiro que lhe saiu pela culatra...entendes?
      Só para ficares com uma ideia, nessa biografia de A.V.eu fiquei a saber mais coisas do lado obscuro e sórdido da vida, do que nos anos que vivi antes edepois. Nem em filmes nem em livros li nada igual. Nem sequer nos 11 minutosdo Paulo Coelho...:))

      Abraço, amiga de longe!

      Eliminar
  9. A Natália Correia é uma das melhores poetisas portuguesas, e era também uma mulher muito inteligente.
    Trouxe tudo que ela publicou para Düsseldorf.

    Todos os povos têm uma mentalidade "pequenina", por não é só em Portugal, que a morte é uma porta aberta para o sucesso.

    ResponderEliminar
  10. Gosto de ouvir as músicas de António Variações, não conhecia Tony de Matos, não gosto de Tony Carreira muito menos da postura dele dizer que é ele que compõe todas as músicas dele e afinal são plagiadas de um outro cantor latino (e falo de sucessos que o tiraram do anonimato), mesmo antes de saber dessas coisas já não gostava do tipo de músicas, e cheguei a ouvir, para tentar perceber o fascínio de colegas minhas. São gostos :)

    Voltando ao António Variações, era irreverente, chocou a sociedade na altura por isso não me surpreende que a sua excentricidade tenha deixado muita gente de pé atrás, acho que é uma reacção natural do ser humano ter "receio" do que é novidade, não me parece que isso aconteça só em Portugal.



    ResponderEliminar
  11. A "canção do engate" é, para mim, uma das mais bonitas canções portuguesas que conheço. Até mesmo na versão dos Delfins (e Deus sabe que não suporto o Miguel Ângelo!). O Tony, pois que não gosto nem desgosto, é-me indiferente. Reconheço-lhe algum nível acima do pimba que o torna audível mas daí a ouvi-lo de facto vai uma distância muito grande. Não ouço. Não aprecio o género 'festa da aldeia', e honestamente não percebo o fascínio que põe o mulherio em delírio. É uma estampa? Não. Tem um vozeirão? Não. Não querendo ser snob, ou há por aí muito desespero ou simplesmente não sabem o que é boa música. E suponho que também terão sido as suas avós e tias solteironas que compararam o Tony de Matos ao Aznavour. Seriously??? Só me dá para rir :)

    Termino congratulando-o pelo seu bom gosto ao eleger a música francófona como predilecta. Suspeita que sou, claro :)

    ResponderEliminar
  12. Nem imagino comparações entre António Variações e Tony Carreira, pois não são comparáveis em nada, apenas ambos cantam...e nesse campo, enquanto Carreira tem uma voz igual à de muitos outrosm Variaç~´oes é único.
    E Variações foi único em muita coisa, em quase tudo, na sua vida.
    Admira-me esse episódio em Amsterdão, pois eu não estou muito de acordo com a opinião da Janita, de que ele era cuidadoso com os problemas de saúde, pois vi com os meus próprios olhos uma cena incrível dele, em público, num bar muito conhecido em certa zona da cidade de Lisboa, nesse tempo...

    ResponderEliminar