quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Era uma vez...

Há dias escrevi aqui sobre canetas. Foi com uma destas que aprendi a escrever. E o tinteiro também era assim...

10 comentários:

  1. Eu não. Havia-as em casa.São uma relíquia!

    Possivelmente por ter feito a 1-ª classe em Macau. Mesmo, quando vim para Luanda não as usei. A lousa, sim!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. eheh... já eram penas, mas continuaram a ser "penas", não era, Carlos ? rsrs
    Também eu ! :))
    Abraço !
    .

    ResponderEliminar
  3. Os tinteiros eram incorporados nas carteiras...quando os aparos abriam e a caligrafia começava a sair distorcida, era só comprar novo aparo e encaixá-lo na "caneta".
    Também foi com uma dessas que aprendi a escrever, Carlos!:))

    Ah, mas a minha primeira caneta de tinta permanente, foi uma prenda que recebi e fez sucesso lá na Escola Primária de S. Salvador! eheh

    Fizeste-me sentir vontade de cantar como o António Mourão!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Ah! as canetas com bico de lança. Tive algumas, de madeira, com um papel às cores a decorar o cabo, fininho mas resistente.
    A tinta, essa, largava por vezes uns fios que borratavam a escrita precoce feita em cadernos de duas linhas, ou quando, por falta de habilidade, carregávamos demais no aparo prenhe de tinta.
    Tempo em que a caligrafia se impunha aos gatafunhos que se lhe seguiram.
    Há quem lhe chame evolução...

    ResponderEliminar
  5. A minha primeira caneta de tinta permanente foi-me dada pelo Avô materno e custou, em 1961, 2$50.

    Mas usei penas afiadas e depois passei para estas canetas, na 3ª classe e só em casa, por imposição da minha Mãe, professora de Desenho, que afirmava que tendo destreza com a pena e com a caneta de aparo, ser-me-ia facílimo manusear o tira-linhas e o compasso e fazer o tracejado certinho. E tinha razão!

    Quando fiz o exame do 2º ano, ao fim de pouco mais de 3/4 de hora, deixaram-me sair. Já tinha feito dois desenhos geométricos, passados a Tinta da China e pintados como era pedido. Escolhi o que me pareceu melhor. Cá fora, uma Mãe virou-se para mim e disse-me "correu mal? veio para a rua? chore, menina, chore!" e eu não a entendia.

    Já desenrolei a meada!

    Beijinho

    Laura

    ResponderEliminar
  6. Amigo Carlos, por este post se vê que somos da mesma geração! Exactamente como aconteceu comigo. E borrões que o aparo deixava,?!!
    Ainda apanhei algumas reguadas, à custa disso! ;)
    Um abraço-

    ResponderEliminar
  7. A minha deve ter sido do modelo a seguir... era daquelas com um pequeno depósito incorporado e que se enchia aspirando a tinta do tinteiro. Era cor de vinho e em tempos publiquei-a lá na esquina :)

    ResponderEliminar
  8. As carteiras da escola ainda tinham o tinteiro.
    Mas já não usei as canetas.
    Bic laranja e Bic cristal, era mais isso.

    ResponderEliminar
  9. Está explicado o buraquinho que tinham as secretárias antigas :) Essas canetas são lindas, não me importava nada de ter uma mas deve ser difícil de encontrar :)

    ResponderEliminar