terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Lígia e as Hot pants

Sou do tempo em que as hot pants surgiram como alternativa às minisaias. Causadoras de inúmeros torcicolos e estimulação masculina, tiveram vida mais ou menos efémera na década de 60.
Recentemente voltaram e, neste Inverno, parecem estar muito em voga.
Vem isto a propósito de uma jovem funcionária que a editora contratou no Verão. Elegante e desinibida, a Lígia veste habitualmente de forma discreta. Foi por isso, com surpresa, que ontem a encontrei no metro envergando uns ousados hotpants que lhe realçavam as formas, sob um casaco de malha comprido. Não comentei, mas interroguei-me como ela aguentava aquela vestimenta, com o frio que estava.
Ao final da tarde tive de ir ao gabinete dela. A temperatura era sufocante e constatei que o ar condicionado estava regulado para os 35%, condizentes com as paisagens caribenhas que decoram o seu gabinete.
Comentei o facto, sem nenhuma ponta de recriminação, mas ela  parece ter percebido o meu desconforto com o calor e respondeu-me com uma gargalhada franca:
- Está a ver o que eu sou capaz de fazer para estimular a produção da editora, Carlos? Hoje tem sido um corropio de homens aqui no gabinete a pedir a minha opinião sobre os mais variados assuntos.
Esta tarde, foi a vez de a Lígia me devolver a visita. Como nunca ligo o ar condicionado, quando ela entrou no meu gabinete sentiu frio. 
- Como é que pode estar aqui sem aquecimento?-perguntou. Não posso voltar aqui, senão constipo-me!
Foi a minha vez de lhe devolver a picada de escorpião.
- Tem razão, Lígia, mas diga-me uma coisa. Se quando anda na rua em hot pants não sente frio, isso significa que tem aquecimento central?
Pensava eu que com esta pergunta arrematava o assunto, mas a Lígia não é pessoa para se ficar sem dar resposta, por isso respondeu-me à letra:
- Nunca tinha pensado nisso, mas se calhar tem razão! Devem ser os holofotes dos que não tiram os olhos de cima de mim que me aquecem...
Moral da história: Depois dos 60, nunca penses que podes ficar por cima de  uma miúda de 22...




10 comentários:

  1. Eheheheh
    Atão, Carlos, que raio de moral da história é essa?
    Depois dos sessenta se ficares por baixo, também não ficas nada mal, penso eu de que!!:-))

    Beijinhos!!


    ResponderEliminar
  2. E estas respostas prontas deixam qualquer um desarmado.
    Quem me dera ter metade da garra dessa Lígia.

    Já me fizeste sorrir e isso é bom.

    Porque será que as palavras me fogem e fico descerebrada em ocasiões deste teor?


    ResponderEliminar
  3. Devo dizer-lhe "no meu tempo", corria o ano 1972 tinha uns hot pants pretos curtíssimos com botas altas de verniz pretas, que davam cabo da cabeça da tropa que enxameava a linda cidade de Nampula...:))), que saudades desse tempo!

    ResponderEliminar
  4. Picar uma mulher com essa pinta, Carlos?
    Erro básico, meu caro, erro básico! :))

    ResponderEliminar
  5. Eheheh, também tive umas "hot pans", suponho que (como diz a Ariel) no início dos anos 70... Não fazia era o furor dessa Lígia, já que teria prái os meus 12 anos... :)))

    O Carlos já devia saber que a maioria das mulheres topa sempre quando a "rapaziada" anda com os "olhómetros" em cima e em bico... :D

    Mas teve piada!

    ResponderEliminar
  6. E algumas ficam bem giras com essa indumentária!
    Tivesse eu idade...:-))

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Ahahaha... desinibida e sem papas na língua :) No meu tempo não era assim, não senhor :)

    ResponderEliminar
  8. Já me ri!

    Gostava de ver a tua cara!

    Nunca usei...sou mais do tempo da mini.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  9. Mas que bela história Carlos, e comentários à altura! :)

    ResponderEliminar
  10. : ))
    Nem a muita experiência (a sua) atrapalha uma jovem de 22 anos : )

    ResponderEliminar