sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Ó Evaristo! Tens cá disto?

Não sei se ainda se vendem Bombocas nas pastelarias e cafés. Ou guarda-chuvas de chocolate. Ou mesmo chocolates da Favorita.  Provavelmente não... mas se sentem a falta destes produtos, talvez os encontrem num café a que a Teté nos vai levar no próximo domingo. Contou-me ela, que naquele café/pastelaria fina gostam muito de guardar preciosidades raras.
Bem, mas mais não digo. Se quiserem saber passem por aqui no domingo, porque a Teté conta-vos.

16 comentários:

  1. :) Por acaso das bombocas nunca fui fã, mas gostava dos guarda-chuva e dos chocolates Favorita...

    ResponderEliminar
  2. Se é estória contada pela Teté, vai valer a pena ouvir!
    E doce, ainda por cima! Cá estarei, com prazer, sim senhor...:)

    ResponderEliminar
  3. AS bombocas são do tempo da minha filha...

    Hummmmmmm...que saudades dos chocolates Favorita e dos guarda-chuva.

    Domingo , cá estarei!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Eu gostava mais dos chocolates, nunca gostei das Bombocas...mas ainda se vendem em grandes superfícies, vi-as há dias com o meu irmão passamos os minutos seguintes a falar desses doces...
    Cá estarei!

    ResponderEliminar
  5. Creio que as BomBokas terão desaparecido comidas pela miudagem, e não só... como soía dizer-se há uns tempos atrás, quanto aos gurda-chuvas, bem como as garrafinhas e cigarritos de chocolate ainda sobrevivem cá pelo burgo, ali para o lado da Rua das Flores.
    Quanto aos chocolates da Favorita, devem ter-se perdido aí pela Graça, ou terão passado a residir definitivamente no talhão da saudade junto aos refrescos de capilé, das laranjadas Invicta, dos pirolitos com bola, onde estão escutando a Elis a cantar o Canto de Ossanha do nosso querido Vinicius...
    O homem que diz dou, não dá
    porque quem dá mesmo não diz...

    Vai, vai, vai
    Não vou...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...Que eu não sou ninguém de ir
      Em conversa de esquecer
      A tristeza de um amor que passou
      Não, eu só vou se for pra ver
      Uma estrela aparecer
      Na manhã de um novo amor.

      Amigo sinhô Saravá
      Xangô me mandou lhe dizer
      Se é canto de Ossanha, não vá
      Que muito vai se arrepender
      Pergunte pro seu Orixá
      Amor só é bom se doer!


      Sorry, Teófilo M.

      Mas não resisti à tentação
      de ao Canto de Ossanha
      dar um pouco de continuação.:-)


      Eliminar
  6. Ah se me lembro das bombocas... agora é capaz de haver por aí umas imitações.
    Quanto a domingo espero bem passar por aqui... :)

    ResponderEliminar
  7. Uma bomboca era igual a um almoço! E eu almoçava várias vezes!

    ResponderEliminar
  8. Não me recordo de bombocas nenhumas! ; ( Mas recordo-me dos guarda-chuvas; ainda foi pelo Natal que os vi numa padaria/pastelaria portuguesa.

    Passarei pelo meio-dia (7 da manhã para mim... o que eu não faço para ler a Teté! : ) ; se não estiver aqui ninguém, voltarei pelas 18h)

    ResponderEliminar
  9. Ainda existe a Favorita?

    De bombocas nunca gostei, mas das sombrinhas (que há pouco tempo vi), sim, rrss

    Bom final de semana, amigo meu

    ResponderEliminar

  10. Até ia um guarda-chuva... de chocolate que dos outros não lhes sinto a falta. Amanhã cá estarei.

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
  11. Bombocas...! Que recordações me trazem...! Nos cafés acho que não se vendem, mas em alguns supermercados, sim... Mas já não têm o mesmo sabor de quando era ainda menininha...
    Concerteza gostarei de conhecer esse café!

    Bom sábado, beijo

    ResponderEliminar
  12. há 30 anos, mais até, as bombocas eram um dos presentes de natal que recebia dos meus tios do porto que passavam a quadra na aldeia. vinham numa embalagem tipo tubo, de cartão. tão boas, de chocolate ou morango. agora não sabem o mesmo, antes sabiam a infância e lá ficaram. neste momento, não lhes toco.
    amanhã é dia de história, fico à espera.

    ResponderEliminar
  13. Cá estarei a marcar presença, pois está claro! :)))

    ResponderEliminar
  14. Ainda há bombocas nos supers, mas não sabem ao mesmo. É como o tulicreme e as Gorila, hoje. Blargh! É uma pena. Eu cá gostava de abrir um pacote ou um frasco e ser transportada 30 anos no tempo. Mas devem ter arranjado um processo de fabrico mais barato...Ou serei eu que estou muito exigente.
    Beijinhos

    ResponderEliminar