quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Dia dos Namorados (1)


Quando eram crianças não se comemorava o Dia dos Namorados, mas povoavam-lhes o imaginário de histórias em que formosas princesas beijavam sapos que se transformavam em belos e viris príncipes.
Na idade da inocência – mais ou menos o período pós Mafalda e Astérix- príncipes e princesas beijavam-se a céu aberto, empunhando bandeiras de vitória.
Na idade adulta, meteram o tio Marx na gaveta, começaram a olhar para o avô Mao com complacência e saudosismo, trocaram a leitura de “O Capital” pelo Financial Times e perceberam que tinham que se preocupar com as carreiras, as promoções, os carros e o sucesso a qualquer preço. Muitos escolheram a carreira política para o conseguir.
A grande maioria concluiu, sem amargura, que afinal as princesas beijaram muitos príncipes, que depois se transformaram novamente em sapos, concluindo assim o inexorável ciclo da vida.
Assim surgiu a ideia de criar o Dia dos Namorados. Para que o amor não desapareça na idade adulta, decidiu-se que seria celebrado uma vez por ano. 
Se não alimentar o amor, pelo menos sempre anima um bocadinho a economia...

19 comentários:

  1. O meu "Kraut" também é da opinião do Carlos, que o Dia dos Namorados é uma americanice para alimentar a economia/consumo.

    Mas eu esta noite vou aplicar-lhe uma finta.
    Há princesas que são sapos disfarçados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que eu queria dizer é que há sapos disfarçados de princesas. Ou, mais precisamente, eu sou um sapo disfarçado de princesa.

      E o meu "Kraut" vai cair esta noite como um patinho...

      Eliminar
  2. rrsss Neste momento, acho que nem para um ramo de flores dá...

    Que namores muito...hoje e sempre, meu amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Namorar é bom em qualquer momento, amiga. Não é verdade?

      Eliminar
  3. Para mim, é apenas mais uma americanice importada, tal como o dia das bruxas, ou a "Black Friday" que por cá começa a aparecer volta meia volta sem data precisa.
    Eu prefiro celebrar o namoro diariamente... cum grano salis.

    ResponderEliminar
  4. Alimentar o amor um dia por ano? É pouco... :)))

    Mas pronto, americanices à parte, os comerciantes que façam negócio com amores alheios... que bem precisam! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, mas infelizmente há muitos amores assim. Não sei é se lhes devemos chamar amor...

      Eliminar
  5. Detesto dias comemorativos disto, daquilo...etc...etc..etc...

    No meu tempo nem existia!

    Puro consumismo!

    Vamos namorando quando nos apetecer...

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não gosto dos "Dias de..." e já expliquei porquê há tempos lá na sede.
      O Amor acontece... e isso é muito bom!

      Eliminar
  6. Como se os sentimentos tivessem dias...

    O comércio agradece.

    Fico-me pelo caminhar inexorável da vida.

    Como seria se 'o casaram e viveram felizes para sempre' existisse?

    Para o ano há mais.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há mais, se o Coelho deixar :-)) Com o caminho que as coisas levam, qualquer dia também temos de pagar imposto para amar
      Beijinho

      Eliminar
  7. Obviamente uma festa para fazer correr $$$$
    Mas que pode ter coisas boas :))

    ResponderEliminar