segunda-feira, 25 de março de 2013

O descarrilamento


Para quem não leu o que escrevi sobre este livro, recomendo uma visita aqui, antes de continuar a ler o post.
Posto isto, resta-me dizer que o filme é uma enorme xaropada e até custa a acreditar como é possível um elenco com Jeremy Irons, Charlotte Rampling, Christopher Lee ou Melanie Laurent, produzir um filme tão chato e execrável. Também o realizador Billie August ( A Casa dos Espíritos) me decepcionou. Em suma, o "Comboio Nocturno para Lisboa" descarrilou e ninguém se salvou.
Fica provado, uma vez mais, que nem sempre é boa ideia ir ver um filme realizado a partir de um livro de que se gostou muito. 

30 comentários:

  1. Oh , Carlos, mas de modo geral os filmes são sempre piores que os livros, não é?

    Uma excepção, para mim, é "O NOme da Rosa".

    Tudo de bom

    Deixei comentário sobre o "Estudo " mas não sei se entrou ou não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá isso é verdade, mas nunca pensei decepcionar-me tanto...
      Vou à sede ver se o comentário entrou:-)
      Uma noite boa

      Eliminar
  2. não gostei do livro, achei-o uma seca, mesmo seca, apesar do tema interessante...
    o filme é o chamado euro-pudim, não é? juntam-se uns actores de renome, filmam umas paisagens, lisboa até pode ser muito linda na tela, mas de resto, nada de novo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei muito do livro e da expressão euro-pudim! Deliciosa e a preceito.É isso mesmo... eu até gosto de pudins, mas há alguns intragáveis:-)

      Eliminar
  3. Amanhã tenciono ir ver este filme, embora os meus amigos me digam que ainda é mais chato do que o filme Lincoln.

    Lincoln não vi, mas este não quero perder, embora, ou por isso mesmo, o livro também pouco me impressionou, mas como já o li há muito tempo, ainda o vou ler outra vez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que depois de ver o filme não vai ter vontade de ler o livro, Ematejoca...

      Eliminar
  4. No momento que estou a passar não irei ver nadinha. Neste momento estou em Coimbra com o meu pai melhorando, mas a minha mãe "noutro mundo".
    Quinta reuniremos (filhos) para decidirmos ,para já, o futuro da minha mãe.

    A vida é Madrasta!

    A minha mãe está à porta , eu ao ferrolho.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já te deixei uma mensagem no Fardilha's, Elisa. A vida é mesmo Madrasta e, como sabes, para os meus lados também não está grande coisa. Ainda por cima estou outra vez engripado e se calhar não poderei ir passar a Páscoa ao Porto.
      Folgo em saber das melhoras do teu pai e, quanto á mãe, que tudo corra pelo melhor.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Carlos, O escritor deu uma entrevista no programa Bairro Alto (rtp2-sábado-21h30) entre outras coisas afirmou que se fizeram alterações ao livro e que ele não gostou...acabou por compreendê-las mas foi difícil. A entrevista foi interessante embora o senhor seja muito sério, triste, negativo....mas inteligente. Quem quiser vê-la pode "viajar no tempo" e repescá-la.
    Já são muitas pessoas a dizer que o filme é chato!
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vi um excerto hoje ao final da tarde. Deve ser chato para um escritor ver o seu trabalho desvirtuado...

      Eliminar
  6. Que pena!!! A crítica também diz que é mau. Que pena1 Numa cidade tão bonita como a nossa e com um elenco daqueles... Eu nem o livro li. Talvez um dia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando o filme estreou na Alemanha , li que a crítica não lhe tinha sido favorável, mas ainda não li nada dos nossos críticos, cuja opinião tenho em pouca consideração, aliás...

      Eliminar
  7. Uma amiga minha diz que gostou muito, estava a pensar ir ver. Mas agora com esta da xaropada e de ainda ser pior que o Lincoln, já fiquei indecisa... :)))

    O livro nunca li! Mas já acabei o Murakami... ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Normalmente só escrevo sobre filmes de que gosto muito, mas fiquei tão decepcionado com este, que tive de desabafar. Aliás, este fds foi mau em termos de cinema. Fui ver também Quarta Divisão e... bem, talvez escreva sobre isso.
      Então e que tal o Murakami? Fico a aguardar a sua opinião no Quiproquo.
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Então será melhor ficar pelo livro :)

    ResponderEliminar
  9. E, eu que estava a pensar ver o filme...

    ResponderEliminar
  10. Raramente vi um filme que me tenha impressionado depois de ter lido um livro de que gostava.
    Pensando bem, acho que isso nunca aconteceu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comigo aconteceu uma vez, que me lembre. Foi com Não Matem a Cotovia.
      De qualquer modo, neste caso não se trata de impressionar, Pedro. Trata-se de decepcionar... :-)

      Eliminar
  11. Raramente um filme nos apaixona mais do que o livro.
    Obrigado pela dica!
    Grande abraço Carlos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu penso que a excepção é quando vemos primeiro o filme e depois lemos o livro...
      Forte abraço, Kim

      Eliminar
  12. Gostei muito do livro, li-o há uns tempos com prazer. Mas quando o filme foi anunciado, mesmo com os autores que são, fiquei desconfiada, pois Bille August já tinha feito de "A casa dos espíritos" uma anedota filmada, com o vira do minho a ser apresentado como uma música tradicional mexicana habitualmente tocada em casamentos, e coisas parecidas...
    Considero a tua opinião como uma confirmação das minhas desconfianças, e claro que não irei ver o filme. É pena...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apesar de alguns casos caricatos, como o que referes, gostei de "A Casa dos Espíritos" Justine e, talvez por isso, pensei não ficar muito decepcionado com este Comboio.Afinal enganei-me...

      Eliminar
  13. O comboio da memória é traiçoeiro e, quando as memórias são boas, há que ir munido de baixas expectativas ;)
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  14. As minhas expectativas nem eram muito elevadas, pois é para mim um dado adquirido que os filmes são (quase) sempre piores que os livros, mas nunca pensei que a indigência do filme me provocasse tanta indignação e até repulsa...
    Beijinho

    ResponderEliminar

  15. É sempre dece(p)cionante ver o filme depois. Não me lembro de uma exce(p)ção. :)

    Beijinho

    Laura

    ResponderEliminar
  16. Quase sempre que vi um filme ou filmes, caso da saga Harry Potter, (yeahhh eu sou da geração "eu cresci com o Harry Potter" nada de gozar :p) nunca os filmes me deixaram melhor impressão do que os livros.

    Certa vez falei sobre isso com um professor e ele sugeriu-me que nunca fosse ver um filme com a expectativa de que o filme estivesse à altura do livro, porque quando lemos um livro nós fazemos o próprio filme na nossa cabeça, somos os realizadores :) Algo assim, já não me lembro das palvras exactas nem de longe nem de perto mas é mais ou menos assim que recordo e a impressão com que fiquei. Além do mais os livros são sempre muito "maiores" do que os filmes. O Anjos e Demónios filme, ocultou, inclusivé personagens no filme que achava fundamentais para a história.

    E agora a razão do quase... A única excepção de que me recordo é o "Pride and Prejudice", li o livro em português, em inglês e vi o filme, o que é com a Keira Knightley, adorei o livro o filme tudo! Talvez porque o filme seja a reprodução mais fiel de um livro que vi até hoje :)

    ResponderEliminar
  17. Fui ver o filme hoje e até gostei, mas desconfio que isso aconteceu porque ainda não li o livro. Só me lembro de dois filmes que gostei de ver, depois de ter lido o livro, todos os outros me decepcionaram...lembrei-me agora de um terceiro ou três que também gostei (O Amante, O Véu Pintado e os três de O Senhor dos Anéis).

    ResponderEliminar
  18. É curioso que ainda hoje postei sobre um filme que vi e o livro respectivo que li.
    Claro que preferi o livro, mas não desgostei do filme.
    trata-se do "Running with scissors" do augusten Burroughs.
    Deste filme que referes ainda hoje um amigo me disse maravilhas, mas vindo de quem veio, desconfiei...

    ResponderEliminar