quarta-feira, 10 de abril de 2013

Ferrugem e Osso



Já não há canções de amor? Um filme sobre o amor é piegas?
Esqueça os chavões.
Imagine  um tipo desempregado, individualista, ex-lutador, que gosta de lutar,  para quem as mulheres são meros instrumentos de prazer,  que se refugia na casa da irmã com um filho de cinco anos. Encontra emprego como segurança de uma discoteca, vai coleccionando aventuras amorosas, maltrata o filho, um dia desaparece e  deixa-o entregue aos cuidados da irmã. Um episódio inesperado obriga-o a revelar a sua verdadeira índole e a descobrir que afinal tem sentimentos que a adversidade despertou. Uma ex- treinadora de orcas paraplégica é um amor improvável, mas tudo pode acontecer...
Olhem, às tantas o filme é mesmo piegas, mas no dia em que o fui ver não me pareceu. Bem pelo contrário, pareceu-me uma história de amor bem contada.  Há dias assim... e ainda por cima, sou muito condescendente com (quase) tudo o que é francófono.

30 comentários:

  1. Admiro muito a França e o seu mundo,meu amigo, mas quanto a cinema tenho que dar razão ao meu ex-marido: geralmente é muito enfadonho.

    Um bom resto de tarde, sem a chuva daqui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não concordo com o seu ex, São. Alguns dos melhores filmes da minha vida são franceses.
      Um bom dia com sol!

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Não fará parte da minha videoteca, João. Vê-se uma vez e está visto :-)

      Eliminar
  3. É verdade que os filmes franceses têm um encanto tão espacial que por vezes somos condescendentes com eles...:) Mas este foi premiado - e os festivais de Cannes e Veneza não são tão manipulados nem tão comerciais como os Óscares...
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Queria dizer "especial", claro...:)

      Eliminar
    2. Sabia que tinha sido premidao em Cannes, mas não em Veneza. Estou de acordo consigo quanto aos critérios, especilamente de Cannes, cujo Festival acompanhei durante vários anos.
      Beijinho

      Eliminar
  4. Os franceses podem ter muitos defeitos, mas têm muito provavelmente o melhor cinema europeu.
    Obrigado pela sugestão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Plenamente de acordo, embora os italianos sejam imbatíveis na comédia e haja alguns bons realizadores espanhóis que me obrigam a ir ao cinema. às veze, mesmo com pipocas...

      Eliminar
  5. Vi a apresentação... e não me convenceu! Sei lá, talvez se um dia o apanhar na TV... :)))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  6. Não costumo gostar de filmes franceses, mas a história parece bonita.

    ResponderEliminar
  7. Também aprecio o cinema francês. Esse filme fica em espera!

    ResponderEliminar
  8. Bem, ele já antes não era assim tão mau, porque não lidava com a tratadora de baleias com horror e/ou pena, mas tratava-a como a trataria, imagino eu, se ela não tivesse perdido as pernas. Gostei do filme, só queria que tivesse algo mais no final, um pouco mais de romance :)

    ResponderEliminar
  9. (gosto de cinema francês e tento não perder aqueles que passam nos cinemas por cá)

    ResponderEliminar
  10. Eu gosto muito de filmes franceses.
    Quanto a mim, livros e filmes, dependem bastante dos nossos estados de alma.
    Já me aconteceu comprar um livro começar a lê-lo e acabar por me desinteressar, durante meses ou anos não lhe tocar e um dia....recomeço e acabo por gostar e muito!
    xx

    ResponderEliminar
  11. Francófono?
    Não vai passar por aqui quase de certeza!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então quer dizer que desde os meus tempos de Macau a oferta cinéfila não se alterou muito...

      Eliminar
  12. O amor pode revelar-se de tantas formas.
    Gosto muito das alternativas.

    O que interessa foi o prazer que tiveste no visionamento da pelicula.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto das alternativas que o cinema europeu nos oferece, Pérola
      Beijo

      Eliminar
  13. Francófono?!

    Vejo alguns. A minha irmã mais nova não perde um.

    Aguçaste-me o "apetite".

    Como ela os vai comprando ,talvez o veja em casa.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Numa tarde chuvosa de domingo, parece-me uma boa escolha, Elisa
      Beijinhos

      Eliminar
  14. Confesso que pela descrição soou-me um bocadinho exótico. Uma treinadora de orcas paraplégica...ok... mas, porque não? também gosto de ver cinema francês, mas talvez mais pelo prazer de ouvir falar. Não sigo como deveria por falta de tempo e de preguiça (nem o 'mainstream' consigo manter actualizado de há uns anos para cá). E ainda não vi o 'Amour' (:().
    Mas fiquei curiosa com esta história do brutamontes-encontra-miuda-frágil-habituada-a-lidar-com -baleias. Tomei nota!
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa de não ter visto o Amour é imperdoável, Safira:-)
      Beijos

      Eliminar
  15. Eu podia dizer tanta coisa sobre este post Carlos, mas de facto quando uma pessoa chega a este ponto "ex- treinadora de orcas paraplégica" e conclui que à primeira vista lhe pareceu que ela treinava orcas paraplégicas... Só me consigo é rir...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também me ri com este seu comentário, Poppy :-)))

      Eliminar