sexta-feira, 26 de abril de 2013

RM (8): Os loucos anos 20



Enquanto o mapa da Europa pós guerra era redesenhado e o Império Otomano se desmembrava, as sufragistas conheciam vitórias em Inglaterra e nos Estados Unidos (1920) e assistia-se ao surgimento de movimentos revolucionários em vários países.

O êxito do Jazz estende-se à Europa, (com uma pléiade de intérpretes onde se destacaLouis Armstrong - Satchmo e as salas de baile animam-se ao som do charleston. No mundo das Artes, o surrealismo ganha um número crescente de adeptos e nas Letras surgem os nomes deHemingway, Pirandello, T.S.Elliot, James Joyce ou Thomas Mann.
O cinema conquista cada vez mais adeptos e Greta Garbo é a sua diva.
Década de contradições, os anos 20 vêem emergir a figura pacifista de Gandhi, mas também os sinistros Mussolini (1922) e Estaline (1927).
É a década do capitalismo do bem –estar, mas também a do desencanto da classe média; da Belle Époque mas da propagação da fome; da euforia, mas também da incerteza; do equilíbrio precário de uma paz que não se adivinhava duradoura.
O primeiro ano desta década serve de berço ao secador de cabelo, ao triunfo dos detergentese assiste ao nascimento das emissões radiofóniocas regulares nos E.U.A. A primeira emissão foi transmitida apenas para um milhar de aparelhos, mas o sucesso não tardaria. Sucesso, igualmente, foi o lançamento do primeiro livro de Agatha Christie que deu a conhecer ao mundo o inspector Poirot.
Em 1921 Coco Chanel lança a sua última criação, que será um êxito de vendas em todo o mundo- o perfume Chanel nº5- e na medicina a insulina traz uma mensagem de esperança para os diabéticos. Para os automobilistas a notícia do ano é a gasolina super. Mas, por agora, só para os americanos.
No ano em que é finalmente descoberto o túmulo de Tutankhamon e Mussolini marcha sobre Roma (1922), é descoberta a vitamina E.
No mundo da moda, o espartilho dá lugar ao soutien, a saia sobe até ao joelho, o chapéu de aba cede o seu lugar ao "cloche" e o corte de cabelo "à garçonne" faz furor. As marcas da Guerra estendem-se ao vestuário e a mulher começa a libertar-se, a pintar-se e a fumar. Mas de Chicago vem a surpresa, com a aplicação de multas de 10 dólares às mulheres que usem saias curtas.


7 comentários:

  1. É uma época incrível. O nascimento do mundo moderno!

    ResponderEliminar
  2. Não aprecio jazz por aí além...

    Quanto ao Chanel nº 5 acho que já não é o que era: comprei dois frascos e, francamente, foi uma desilusão!

    Bom resto de dia, meu amigo.

    ResponderEliminar
  3. Oi Carlos!
    É interessante salientar que a década de 20 chegou ao Brasil urbano, apenas na década de 50 (como a TV, por exemplo), e ao Brasil rural, lá pela década de 70.
    Hoje temos um mundo globalizado, onde tudo acontece em tempo real. Quanta mudança!

    Excelente fim de semana.

    ResponderEliminar
  4. O século vinte teve muita loucura, mas receio muito pelo vinte e um!
    Grande abraço amigo Carlos

    ResponderEliminar
  5. Excelente!

    A vida num turbilhão de mudanças nos comportamentos e cultura.

    Ahhhh...sempre detestei o Chanel n-º5.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. Talvez a década mais interessante, junto com a de 60, do século XX.

    ResponderEliminar
  7. Nota 10/10 para a insulina que ainda hoje é de tremenda utilidade (para que não se pense no bicho papão da indústria farmacêutica como sendo apenas algo terrivel).

    ResponderEliminar