quinta-feira, 6 de junho de 2013

Brincadeiras perigosas


Quando tinha 12 anos gostava de jogar à bola e brincar aos polícias e ladrões. Agora as criancinhas estão muito mais evoluídas. Gostam de brincadeiras mais assertivas. Eu, como já sou velhote,  não compreendo que as crianças gostem deste tipo de brincadeiras e só me apetecia puni-las como elas merecem. Garanto-vos que nunca mais voltariam a fazer destas brincadeiras.
Mas isso sou eu, um careta que não percebe os problemas dos jovens, coitadinhos!



9 comentários:

  1. Também eu não entendo semelhantes comportamentos e especialistas a dizerem que há muito mais agressões sexuais nas escolas do que se pode imaginar!

    ResponderEliminar
  2. Também eu não entendo Carlos, não consigo por muito que me esforce e garanto-lhe que me esforço, pois o meu neto mais velho te16 anitos, o que me leva a tentar perceber e entender muitas coisas desta joventude, mas não me é facil.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  3. Carlos,
    Tive ontem o mesmo comentário/desabafo num outro blogue.
    Aos 12 anos eu queria era carros, coboiada, bola, .....
    Não consigo perceber, juro que não consigo.

    ResponderEliminar
  4. Ui, Carlos! Já viu mesmo este filme? É das coisas mais arrepiantes que já conheci no cinema. De "Brincadeiras" o filme não tem nada. É a pura e fria personificação do mal. E o final? Céus. Arrepiante. E sem redenção, nem luz, nem "coda"...
    Beijinhos da
    Lou
    PS - Aqui estou, já enxuta depois do meu longo banho :))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, só agora vi que o 'post' não era sobre o filme mas sobre a notícia dos adolescentes violadores. Ok.

      Entretanto, li que os mesmos dois monstrinhos reincidiram! Mas, desta feita, violando um colega rapaz. Ignoro o que poderia ser feito nestes casos, se bem que o que nos apetecia fazer todos sabemos...

      Eliminar
  5. Mais uma que não entende e é CARETA!

    Em que mundo vivemos???

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. É terrível. Em que sociedade vivemos? Como é que chegamos a isto?

    ResponderEliminar