terça-feira, 11 de junho de 2013

Estes difíceis amores



Antes da Meia Noite estreou-se na quinta-feira, mas a  história começou a ser filmada  em 1995.
Não,  Richard Linklater não é um realizador preguiçoso, nem o filme esteve embargado porque nenhum produtor ousou arriscar o seu dinheiro. Acontece é que, Antes da Meia Noite, é o terceiro filme de uma saga invulgar que narra uma história de amor iniciada em 1995.
Nesse ano, durante uma viagem  de comboio para Viena , o jovem americano Jesse (Ethan Hawke) encontra a estudante francesa  Celine ( Julie Delpy) e assim nasce Antes do Amanhecer, um filme que virou culto, apesar de ter sido um relativo fracasso comercial.
Vi-o por mero acaso em Paris em 1996 e fiquei apaixonado por aquela história de amor que me fez recordar episódios da minha vida de andarilho, recheada de amores episódicos que começaram numa conversa acidental e terminaram 24 ou 48 horas depois num qualquer aeroporto, ou estação de comboios.
Nove anos depois, surgiu de forma inesperada o segundo episódio desta trilogia: Antes do Anoitecer. 
Antes do Anoitecer (2004)

Só o vi  muito depois de ser exibido nas salas de cinema. Numa tarde invernosa de domingo, num qualquer canal do cabo, reconheci o par Jesse e Celine que “ conhecera” anos antes em Paris. Filmado (quase) em tempo real, Antes do Anoitecer relata o encontro casual dos dois em Paris, durante o lançamento do livro de Jesse. Durante uma tarde revivem o seu encontro nove anos antes e deixam a sensação de que aquele encontro não será o último.
Este ano ficamos a saber que não foi mesmo. Em Antes da Meia Noite, Jesse e Celine estão a passar férias na Grécia, em casa de um escritor amigo de Jesse. Estão na casa dos 40,vivem juntos  e têm duas filhas gémeas. Tudo parece correr bem entre eles mas, uma noite, a relação estremece e vêm ao de cima os problemas escondidos de uma relação. Jesse amargurado porque não acompanhou o crescimento do filho do seu casamento, Celine a viver um período profissional difícil.
Antes do Amanhecer (1995)

Em Antes da Meia Noite acabaram-se as histórias de amor dos contos de fadas e a realidade abate-se sobre um casamento periclitante, onde cada um pretende manter a sua identidade, sem cedências. Jesse e Celine são agora um casal real, comum, mortal, como todos os casais, onde a virulência do diálogo atinge momentos de grande realismo. O filme acaba sem sabermos se serão felizes para sempre. Talvez tenhamos de esperar mais nove anos…
Para além da relação entre Jesse e Celine, Antes da Meia Noite  tem um momento que me fez recordar “Amigos de Alex”. Durante um almoço, casais de três gerações falam sobre o amor no seu tempo. É um retrato da evolução do amor e da relação entre homens e mulheres  ao longo do tempo, que levanta muitas questões e encerra matéria abundante para uma longa noite de tertúlia.
Este é, em minha opinião, o melhor dos três filmes. Pelas questões que coloca, pelo realismo com que trata as relações entre os casais, pela recusa de cedências ao facilitismo e, last but not the least, porque consagra definitivamente uma nova dupla do cinema, que ficará para a posteridade.

Resumindo: a não perder, para quem goste de histórias de amor, não acredite em contos de fadas  e  adore uma boa conversa no final dos filmes.
Apenas um conselho. Se não viu os outros dois filmes, não perde nada em vê-los, para melhor perceber a evolução da história deste par.

10 comentários:

  1. Há muito que não vou vejo um filme em ecrã gigante.

    tenho alguns em casa (cópias que o meu cunhado tira), mas a disposição não é nenhuma.

    "Antes do Amanhecer" é um deles.
    Deixaste-me curiosa!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. tenho que ver,este já vi os outros, claro! são filmes que acompanham a minha geração :)

    ResponderEliminar
  3. Oi, Carlos!
    Não conheço, todavia fiquei intrigada... eu tenho uma queda por filmes e livros que não fazem tanto sucesso (aqueles "chatos" ou fora do padrão).
    Salas de cinema são um problema nesta região: há algumas cá e acolá, e só transmitem aqueles filmes comercialíssimos, sem a menor opção.
    O jeito é a TV, mas nem sempre estou amiga dela!
    Ainda bem que tenho você para me relatar; como dizemos aqui: "dar uma palhinha".

    Abraço.

    ResponderEliminar

  4. Ora cá está o filme de que me falavas há coisa de uma semana! :)
    Não conheço nenhum dos filmes da trilogia... e se tiver oportunidade de ver, claro que terá de ser desde o início.

    Beijinhos a triplicar!
    (^^)

    ResponderEliminar
  5. Vi os outros dois e vou ver este porque adoro uma boa conversa!
    xx

    ResponderEliminar
  6. Se há “filmes da minha vida” esses são, indiscutivelmente, dois deles. Quantas vezes os vi... mais que duas... : ) DVDs que me foram oferecidos, já depois de os ter visto no cinema, precisamente porque sabiam que eu tinha adorado os filmes.

    Como fiquei feliz – feliz é mesmo o termo – nesta terça-feira à tarde, de saber que há um terceiro!!!!

    Tenho que saber quando chega aqui. E já!

    Thanks, Carlos, thanks a lot!!! : )))

    P.S. Acabei por não ler o post todo! Não quero saber mais do que já li sobre o filme... : )


    ResponderEliminar
  7. Cá também anda este terceiro filme; os outros dois já vi.
    Não são os filmes da minha vida, mas com excelentes actores e, de vez em quando, um filme de amor não faz mal a ninguém.

    No quinto filme é quando eles se casam já com 99 anos.

    ResponderEliminar
  8. Só vi o primeiro, mas o tema deste deixou-me curiosa!

    ResponderEliminar
  9. Não vi nenhum deles, mas já ouvi falar bastante sobre estes último! Vamos lá ver se os consigo ver... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar