quarta-feira, 5 de junho de 2013

RM 29: Voulez vous danser avec moi?


Em 1958, quando os EUA lançam o primeiro satélite experimental de comunicações, o Atomium - símbolo da Exposição Internacional de Bruxelas- interrogava o Mundo: para onde nos levará a energia nuclear?
Os apelos à paz e à reconstrução do pós –guerra e os alertas para os problemas causados pelo progresso, lançados pela Exposição de Bruxelas, caíram em saco roto. Todos fizeram orelhas moucas e o resultado está à vista.
Por cá, as críticas também não eram encaradas com bons olhos. Quando D.António Ferreira Gomes, bispo do Porto, escreve uma carta a Salazar alertando-o para a situação social do País, obtém como resposta o exílio forçado.
A candidatura de Humberto Delgado às presidenciais de 1958 , ainda lança uma réstea de esperança na oposição democrática, mas o regime faz batota e proclama-se vencedor de umas eleições que manifestamente perdeu. Ainda faltavam 16 anos para o 25 de Abril, não havia volta a dar-lhe.
50 anos depois, o Correio da Manhã vem dizer que Salazar gostava de mulheres atrevidas. A ser verdade, não se percebe a razão de não ter ligado peva a Marlene Dietrich em “Testemunha de Acusação”.
O facto mais marcante de 1959 vem de Cuba. Estribado no sucesso de François Truffaut – Os 400 Golpes- Fidel Castro consegue finalmente fazer vingar a Revolução Cubana Derrubado o ditador Fulgêncio Baptista , Fidel irá permanecer à frente dos destinos de Cuba durante 49 anos, perante a crítica de todo o mundo que, no entanto, não perde a oportunidade de se banhar nas suas praias de águas tépidas e límpidas.
Da Europa, a voluptuosa Brigitte Bardot ( BB para os amigos), pendurada num cartaz publicitário, bem lhe perguntava "Voulez -vous danser avec-moi?" – mas o rebelde cubano não lhe daria troco. O mesmo faria , aliás, em relação à beat generation que se revia em “Pela estrada Fora” de Kerouac.
E se Kruschev visitou os EUA, aproveitando para visitar o recém inaugurado Museu Guggenheim e cumprimentar Lloyd Wright, Fidel permaneceu em Cuba, a ver  “Ben Hur” , galardoado com 11 estatuetas de Hollywood.
Enquanto as consumidoras mais jovens aprendiam um novo nome de brinquedos – Barbie- os adultos, deliciam-se com a última maravilha do mundo automóvel: "É tão giro ter um Mini!"- gritava a publicidade a plenos pulmões. O êxito do Mini é assegurado em plena era espacial. Mas(pasme-se!) só nesse ano é inventado o abre latas!
Com a evolução dos electrodomésticos que facilitam a vida no lar, as mulheres têm mais tempo livre para ir ao cabeleireiro. As tiragens das revistas femininas disparam e em Portugal o êxito chama-se "Crónica Feminina".
Estávamos em plena era espacial e, à falta de Sputniks, Salazar inaugura o monumento a Cristo-Rei. Mais de cinquenta anos depois, Cavaco Silva, eleito PR pelos abstencionistas, voltará a colocar Portugal no centro da aventura espacial, invocando a Senhora de Fátima e alguns santos como S. Jorge, a quem reconhece o mérito de salvar o país, perante a impotência do governo que ele ajudou a eleger.
Rejeitado pela CEE, Salazar vira-se para EFTA, na companhia da Grã Bretanha, Noruega, Áustria, Suécia e Suíça.
Dois heróis de banda desenhada- Astérix e Obélix- testemunham o enlace.
Quem se deslocou às salas de cinema para ver o filme “Serengueti não pode morrer”, ficou a saber que a extinção de numerosas espécies era já uma ameaça, mas que poucos se preocupavam com isso. Afinal, se Billy Wilder proclamava numa comédia que fez furor,  “Quanto Mais Quente Melhor”, não havia razões para as pessoas se preocuparem com as alterações climáticas. Os mais cépticos esgrimiam mesmo o argumento do mais recente filme de Hitchcock: “Intriga Internacional”.

5 comentários:

  1. Já andei por dentro do Atomium. Parece que o querem destruir...

    Do bispo do Porto só ouvi falar aquando do seu regresso , mas de Humberto Delgado tomei conhecimento na altura das eleições. Assim como do assalto ao quartel de Beja.

    Também me lembro de ter falado com meu Pai acerca de Fidel ...

    Sonhei ter um Mini- Cooper, rrss

    BB toda a gente conhece e quanto aos filmes franceses, francamente , tenho que dar razão ao meu ex-marido: a maioria são uma chatice.

    Fica bem, amigo meu

    ResponderEliminar
  2. Quando vejo as fotografias actuais da belíssima e famosa Brigitte Bardot doutros tempos, só posso dizer que o tempo não perdoa.

    Neste sentido, quero agradecer-lhe, Carlos, os seus votos de parabéns pela passagem do meu aniversário.

    ResponderEliminar
  3. Billy Wilder é um dos meus realizadores preferidos e adoro a comédia “Quanto Mais Quente Melhor”, que já vi centenas de vezes, no entanto, “Testemunha de Acusação” com a nossa Marlene é um filme ainda melhor.

    Do filme do Hitch “Intriga Internacional” também gosto muito.

    Valha-me Deus, e eu que pensava, que o Salazar gostava de homens atrevidos!!!

    ResponderEliminar
  4. Desculpa a brincadeira!

    O melhor da crónica!!!

    "Mais de cinquenta anos depois, Cavaco Silva, eleito PR pelos abstencionistas, voltará a colocar Portugal no centro da aventura espacial, invocando a Senhora de Fátima e alguns santos como S. Jorge, a quem reconhece o mérito de salvar o país, perante a impotência do governo que ele ajudou a eleger".

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  5. O final dos anos 50 foi um excelente ensaio para uma década de sonho - os 60's.

    ResponderEliminar