sexta-feira, 21 de junho de 2013

RM 39: Ir a Londres com a Abreu



Os anos 70 começam com o mundo ocidental a chorar nas salas de cinema. O melodrama "Love Story" destroça os corações de jovens e adultos, homens e mulheres. Afinal, ao contrário do que os hippies proclamavam, o amor não é só felicidade. Pode fazer sofrer muitas almas.
Mas havia outra razões para chorar. Alterações de clima e inexplicáveis acontecimentos meteorológicos lançam grandes preocupações na comunidade científica.
Preocupados ficam também os homens com o livro de Germaine Greer "O Eunuco Feminino" que dá início ao feminismo de "segunda vaga". A sua autora defende que as feministas dos anos 70 devem lutar pela igualdade sexual e económica. As sufragistas passavam à História.
Na moda feminina, o sector têxtil assiste com azedume ao triunfo da mini-saia, cada vez mais reduzida, e tenta impôr a maxi, para recuperar o volume de vendas de tecido. O sucesso, obviamente, é efémero.
O primeiro ano da década traz uma boa notícia para os amantes da electrónica: é inventado o microprocessador (chip). Começou a revolução tecnológica, embora ainda poucos o saibam...
A Meca Cultural da Europa é agitada por uma onda de contestação cristã, motivada pela estreia, em Londres, de Jesus Christ Superstar
Estamos em 1971 e a capital inglesa começa a ser descoberta também pelos portugueses.. O sonho de muitos jovens é ir a Londres “numa daquelas viagens baratas da Abreu”. Concursos de televisão, achocolatados e produtos dentífricos materializam o sonho de alguns, através de concursos e passatempos. Senhoras rumam à capital britânica de malas vazias, para regressarem com elas a abarrotar de peças de vestuário que vendem em "boutiques”,ou mesmo em suas casas, a jovens sequiosos de envergar as novas modas. Os cursos de Verão, em Inglaterra, são também o destino de alguns jovens portugueses, que de lá regressam inebriados, a abarrotar de discos, small gifts comprados em Carnaby Street, e uma peça de roupa adquirido no Biba's. Uma curta estadia de quatro dias em Londres já dá, a um jovem português, tema para um mês de conversas com amigos e familiares.

5 comentários:

  1. Eu também fui passar uma dessas semanas a Londres, com a Abreu...

    ResponderEliminar
  2. Em 71 enforquei-me...ainda em Luanda!

    Fui a Londres com a Abreu ,muito mais tarde e nada barato...

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Eu fiz isso tudo!!! :)
    Era tão bom regressar com as novidades!
    xx

    ResponderEliminar
  4. E que saudades dessas viagens a Londres! :)))

    Viva o feminismo "segunda vaga", se bem que as sufragistas tenham sido inspiradoras também dessa luta pela igualdade das mulheres... A todas elas só podemos agradecer! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  5. Não fui das privilegiadas a ir a Londres com a agência Abreu em inícios de 70... A primeira vez que fui a Londres foi em 79, quando ganhei uma bolsa da Gulbenkian para ir passar um mês a Inglaterra numa Faculdade em Chichester...

    Depois fui lá várias vezes sempre ao serviço da Educação. É a minha cidade favorita...

    ResponderEliminar