quarta-feira, 17 de julho de 2013

Já não há canções de amor? (6)

Mais do que a canção, foi a interpretação que marcou o meu verão de 1977 em Washington, onde vivi uma paixão tórrida.  Não havia discoteca, bar ou restaurante em Georgetown, onde esta canção não passasse meia dúzia de vezes por noite. 

10 comentários:

  1. Hmmm… nunca tinha ouvido Grace Jones cantar esta canção.

    ResponderEliminar
  2. Fazer de um clássico um outro clássico, é obra...

    ResponderEliminar
  3. DEsconhecia esta versão, mas prefiro sempre os originais.

    E, desculpa , as paixões não são sempre tórridas?! rrsss

    Meu amigo, fica bem

    ResponderEliminar
  4. Oi Carlos!
    Georgetown? Morro de vontade de conhecer esta capital, pois fica ao norte do Brasil...
    Hummm, pode ter sido uma paixão por uma bela africana ou indiana (americanizadas, claro)!

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Grace Jones como sempre,fantástica!
    Ai ai as paixões tórridas, eheh
    Um beijo veraneante.

    ResponderEliminar
  6. Conheço bem a música, evidentemente, mas não esta versão da Grace Jones... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  7. Quand il me prend danas ses bras.....
    No verão é tudo tórrido!!!:)))
    xx

    ResponderEliminar
  8. Adoro a canção, embora não me tenha "esturricado" a dançá-la!

    Não conhecia esta versão.Prefiro a original.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  9. Muita boa esta interpretação da Grace Jones, embora a pronúncia não seja a melhor !

    ResponderEliminar