quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Derniers baisers (4)



(Continuado daqui)
Nada melhor para começar o dia, do que um passeio matinal em moliceiro pela Ria. Depois, cumprido o ritual da compra de ovos moles, partida para a Barra onde faço a caminhada matinal.
Paragem seguinte na Costa Nova. Para as fotos e para o primeiro café do dia. Lanço um aceno a Mira – onde ainda há pouco estive em trabalho- e sigo pela estrada florestal. Viro em Quiaios. Não há vivalma na praia. Um ciclista dirige-se-nos em inglês a pedir uma informação. Vai andar por ali a treinar durante uma semana. Sozinho.
Prossegue a viagem pelo Cabo Mondego e depois, serra adentro, em direcção a Buarcos. As indicações são quase nulas mas, desta vez,  a situação não me irrita. Uma placa indica miradouro para a direita e Bandeira em frente. Nem hesito. P´ro miradouro é o caminho. Ficamos sem respiração perante a paisagem que se nos oferece e deixamo-nos ficar longos minutos, para que as nossas retinas retenham bem aquele cenário de quilómetros de areal estendendo-se até perder de vista. Volto a disparara  máquina fotográfica, não sem lamentar uma neblina negra que anuncia mudança de tempo.
Volto à estrada de terra batida. Às apalpadela. Uma tabuleta partida indica um qualquer local. Imperceptível. Sigo o instinto e, metros adiante, uma outra tabuleta indica Casa Pinha. Sigo e ao entrar no portão da casa, o deslumbramento! Nunca tinha visto a Figueira da Foz assim! A paisagem é  esmagadora, mas a neblina impede a captura na máquina fotográfica para memória futura. Mesmo assim, tiro algumas fotos. A pensar nos leitores, para os aconselhar a desfrutar desta visão paradisíaca, muito mais vasta do que alcançada pela máquina. ( Chego à conclusão que tenho de comprar uma máquina a sério...)



Na casa há um restaurante e bungallows. Um grupo de turistas de várias nacionalidades, transportado por duas carrinhas, almoça com a  Figueira em  fundo. Falam quase em surdina, para não estragar a paisagem.
Ainda bem que não são espanhóis!- comento com a Baixinha.
Enquanto deambulo, descubro uma outra casa  que adivinho destinada ao mesmo fim. Devem ser escassos 200 metros, pelo que o caminho até lá é feito a pé.
Uma magnífica vivenda debruçada sobre  a praia de Buarcos. A vista não é tão esplendorosa, mas a casa muito mais acolhedora. Cá fora uma roulotte de matrícula francesa. Portas adentro dois carros e uma mota. Todos com matrícula francesa, também.
Alguém me pergunta com sotaque o que quero. Olho em volta, mas não vejo ninguém. Aproximo-me da piscina e, lá em baixo, vejo um jovem. Digo ao que venho e vou ao seu encontro. Fico a saber que a casa foi adquirida por franceses que ali vivem e alugam. Para dormir uma noite, ou para casamentos e festas. Os preços são razoáveis para aquela vista: 55€ por casal, com direito a pequeno almoço. Pensamos em almoçar ali, mas os preços são proibitivos. Feitas as contas de cabeça, um almoço para dois ficaria no mínimo por 60 a 70 euros. Estou a viver acima das minhas possibilidades, mas nem tanto.
Regresso à Casa Pinha. Os preços são bastante mais convidativos, mas já não servem almoços àquela hora. Pena!
Despedimo-nos da vista magnífica e seguimos serra adentro em direcção a Buarcos e  Figueira da Foz. Paragem para almoço.
Aquela paisagem não nos sai da cabeça. Fazemos a digestão numa caminhada ao longo da marginal. Quando estamos no final olhamos para cima e a casa Serra e Mar acena-nos de lá de cima.
-Deve ser fantástico acordar ali não achas, Baixinha?
- Talvez… mas só experimentando te sei responder…
Regressamos ao carro. Não rumo para sul. Inverto a marcha e dirijo-me para a serra da Boa Viagem. Vamos lá fazer a experiência. Que S. Pedro não nos atraiçoe com um nevoeiro matinal. Felizmente almoçámos bem e o jantar pode ser levezinho, para não pesar na bolsa.
( A viagem continua amanhã)

8 comentários:

  1. Eu gosto muito de Aveiro... principalmente dos ovos moles. :)

    ResponderEliminar
  2. Oi, Carlos!
    Estou desfrutando seus relatos da viagem, e conhecendo um pouquinho mais Portugal (que tanto gosto). Só não me venha com ovos moles... aliás, já experimentou aqueles da ásia, onde os fetos vêm junto?

    E você, nem para ficar em casa cuidando do Bóbi dos vizinhos, deu no que deu!

    Abraço primaveril.

    ResponderEliminar
  3. Estou a "saborear" cada pedacinho da tua viagem!

    Cá espero pelo restinho...

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Eu gosto de tudo, de Aveiro da Costa Nova e dos ovos moles!!!
    A vista é fantástica mas de vai continuar os seus belos relatos vale mesmo a pena uma máquina mais "atrevida" :))) até amanhã e muito boas férias.
    xx

    ResponderEliminar
  5. As saudades que eu tenho dessa paisagem, Carlos!!
    Quantas memórias!
    E Quiaios e a Murtinheira com um lugar tão especial no meu coração e na minha vida.
    Tenho que lá voltar brevemente.
    Aquele abraço e votos de BFDS!!

    ResponderEliminar
  6. Por momentos... perdi-me nesta viagem paradisiaca.

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Já fiz parte deste percurso e apanhei uma estrada florestal em péssimo estado!
    Bela reportagem e que nos abre o "apetite"!

    ResponderEliminar
  8. Que belo relato de um ainda mais belo passeio :) Acho Aveiro uma cidade encantadora!

    Abraços

    ResponderEliminar