terça-feira, 22 de outubro de 2013

Nero e os tubarões



O Nero é um peixe simpático e afável que tem uma boa relação com o Homem. Bem treinado, pode vir comer à nossa mão e deixar-se acariciar como um qualquer animal doméstico.
Acontece que a sua espécie está ameaçada, tendo sido necessário criar vários exemplares em cativeiro.
Por estes dias, vários casais de Neros foram lançados ao mar, com a missão de crescerem e se multiplicarem, para perpetuarem a espécie. Os biólogos admitem que alguns – quiçá muitos- possam ser alvo fácil dos predadores, incluindo pescadores desportivos. 
A fim de minimizar as perdas, incorporaram um chip em cada Nero -  para facilitar a sua localização - e um número de telemóvel para  que,quem os pescar ou fotografar, possa dar notícias do seu paradeiro.
Estava eu a pensar nas vantagens de os peixes terem um número de  telemóvel incorporado, quando uma joaninha pousou na minha mão e me bichanou esta estória.
Dissera-lhe a amiga gaivota que esta manhã um casal de Neros serviu de aperitivo a um tubarão.
Por razões ainda não apuradas,  o tubarão sentiu-se indisposto depois de ingerir o casalinho e devolveu-os ao mar. No entanto, irritado e com razões para reclamar, o tubarão assim que viu o nº de telemóvel no dorso do Nero não esteve com meias medidas. Foi a uma cabine marítima e telefonou para a ASAE a reclamar contra quem lhe serviu os aperitivos estragados.

6 comentários:

  1. Carlosamigo

    ... e fez muito bem. De tubarões há que esperar tudo; dos marítimos e dos terráqueos. Estes não se queixam; tudo lhes chega à palma da mão - e aos bolsos. Pobre Nero com telemóvel; já não lhe chegava o incêndio de Roma, agora cai-lhe a ASAE: Ele há dias em que um homem nem pode sair de casa - à noite.

    Abç

    Henrique

    ResponderEliminar
  2. Os tubarões estão aí a papar mais IMI

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  3. Curiosamente, e numa nota mais séria, vi uma reportagem da BBC em que se chamava a atenção para o facto de se estar a interferir sistematicamente com o equilíbrio biológico e ecológico, de maneira artificial, no intuito de preservar algumas espécies.
    O que pode ter como efeito a extinção de muitas outras que nem sequer se sabia estarem ameaçadas.

    ResponderEliminar

  4. Rábula interessante a que nos contas... e, juntando-lhe o precioso comentário do Pedro Coimbra, chego à conclusão que o ser humano, mesmo com a melhor das intenções, acaba por estragar mais do que remedeia.
    Não sou "peixe" (por acaso até sou de signo Aquário...lol) mas também não gosto de tubarões!!


    Beijinhos de água doce
    (^^)

    ResponderEliminar
  5. E será que a ASAE vai dar ouvidos a tubarões?

    ResponderEliminar
  6. Mente brilhante, a tua!

    Adorei!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar