segunda-feira, 21 de outubro de 2013

RM 55: Uma Tempestade no Deserto varre a URSS. Vamos todos ao Tallon?


Em apenas dois meses, como o mundo está diferente!...No primeiro ano da década assinala-se o nascimento do bébé 5 mil milhões. No último, irá nascer o bébé 6 mil milhões. Meu Deus, como as pessoas se estão a multiplicar! Haverá lugar para todos? Parece que sim. Em 2013 já passámos os 7 mil milhões e, para que haja lugar para todos, vão-se fomentando umas guerras, incentiva-se a fome e deixam-se morrer no Mediterrâneo milhares de imigrantes ilegais.
Em Portugal vai toda a gente ao "Baile do Rivoli" , mas "Não há estrelas no Céu". Quem o afirma é Rui Veloso. Por pouco também deixa de haver peixe. Um desastre ecológico destrói 100 toneladas no rio Tejo e uma maré negra atinge Porto Santo. Para nos dar estas e outras notícias nasce um novo diário: “ O Público”.
A televisão - ou melhor a CNN- inicia o ano (1991) em grande estilo, a transmitir em directo a Guerra do Golfo. Afinal o "Carniceiro" não se assustou com as ameaças e os EUA iniciaram a "Tempestade no Deserto". O mundo assiste embasbacado,pela televisão. como se se tratasse de um filme de ficção. As pessoas ainda não sabem que vêm aí os “reality shows”.A guerra dura 45 dias e no fim quem desaparece não é o país das "Mil e Uma Noites", mas sim a URSS que cai como um baralho de cartas no jogo do "Burro em Pé". Em poucos dias várias Repúblicas soviéticas declaram a independência e a URSS volta a ser Rússia. Uma maçada para a UEFA!
No Congresso Mundial dos Consumidores que se realiza este ano em Hong-Kong, os problemas dos países de Leste estão no centro de todas as atenções. Enquanto a pessoas se deliciam com a possibilidade de comprar nas ruas contrafacções chinesas que reproduzem os originais do ocidente, por que estes povos há muito suspiravam, há relatos de fábricas a fechar todos os dias, desemprego e miséria a alastrarem. É o reverso da medalha do "sonho americano".
Talvez por não gostarem do que se passa à sua volta, oito cientistas decidem fechar-se durante dois anos dentro de uma estufa. Dizem que vão estudar os ecossistemas. Quando isto na Terra der para o torto, talvez possam instalar-se noutro planeta ou numa nave espacial.
É assinado o Tratado de Maastricht. A moeda única já tem hora marcada para o seu nascimento. Por agora chama-se ECU, mas anos mais tarde Guterres vai sugerir que se chame Euro.
Continua "O Silêncio dos Inocentes". Em exibição "num cinema perto de si".
Em Portugal andam a contar-nos as cabeças. Afinal quantos somos? A Internacional Consumista agradece ser informada. Já temos auto-estrada Lisboa-Porto mas, enquanto o betão engorda os bolsos de construtores e das concessionárias, a moda é emagrecer e a pergunta sacramental:"Já foste ao Tallon?"

5 comentários:

  1. Eu ao Tallon não fui... mas já tive de recorrer a um médico da "concorrência"... e deitei abaixo 19 quilos!
    É que se tempos houve em que gordura era formosura, agora as preocupações são outras... e a saúde está primeiro!


    Beijinhos elegantes
    (^^)

    ResponderEliminar
  2. Existem outrosTallons que resolvam estes tipos de situações, se há!

    Conheço um amigo de quem fiz a contabilidade que andou anos e anos no Tallon, mas a única coisa que ele perdeu foi o dinheiro que lá deixou.
    Eu infelizmente perdi 14 kg nas duas últimas semanas de vida do meu falecido marido à muitos anos era eu ainda uma criança!
    Como diz AFRODITE as preocupações são outras, eu tambem perdi 10 e o Rodrigo 8kg numa altura em que ele precisava perder peso. Eu faço caminhadas diarias de 90 minutos pelo campo e floresta, não para emagrecer,mas para desanuviar.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  3. As idas ao Tallon iam matando a administrativa do escritório de advogados onde eu trabalhei.
    Metia impressão só olhar para ela!

    ResponderEliminar
  4. Sou uma sortuda, pois nunca fui a médico nenhum para emagrecer.

    Procuro ir ao ginásio 2 vezes por semana, mas sem abusos...tenho um esquema do ortopedista.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar