quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Da frigidez



A  Shyznogud (Jugular) e o Porfírio Silva ( Machina Speculatrix) manifestaram o seu desagrado e  largaram alguma bílis por causa desta expressão de Eduardo Cabrita.
Lembro a ambos que a expressão pessoa frígida  sempre significou, para mim ( homem  do norte) uma pessoa insensível e não o significado relacionado com a sexualidade, que ambos lhe atribuiram.
Em defesa do meu  argumento, fui procurar o significado de FRÍGIDA aos dicionários e eis o que encontrei:
Frígida (Adjetivo): Pessoa que toma postura indiferente às situações; que não sente compaixão; fria; insensível; pessoa que não se envolve.
 Peço-vos desculpa, caros amigos, mas desta vez não têm razão. Se Marilú não é FRÍGIDA, o que será uma pessoa FRÌGIDA?
 Apenas escrevo este post pelo respeito que o Eduardo Cabrita-  que conheci bem em Macau- me merece. Admito que  tenha jogado com o duplo sentido da palavra, mas a verdade é que a reacção ao seu escrito é manifestamente exacerbada.

12 comentários:

  1. Carlos, eu também sou do Norte. E por lá toda a gente que escreve artigos de jornal sabe para que se usa a palavra frígida. E, já agora, acho que precisa de um dicionário melhor. Esse que usou parece-me estar como os Lusíadas antes do 25 de Abril, sem o episódio da ilha dos amores.
    Já agora: quando falo de política não liberto bílis; liberto opiniões.
    Conheço o Cabrita (há muitos anos) e aprecio-o; mas, precisamente, sou sempre mais duro com quem vale a pena. Não sou é do género de tolerar "deslizes" graves: para isso já basta o pessoal do governo a desculpar o Manchete. Perdão, o Machete.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lamento, Porfírio, mas não querendo polemizar, mantenho tudo o que escrevi. A citação do post é do Dicionário Informal on line mas se consultar estes: Porto Editora, Infopédia, Priberam; Dicionário On line (português) verá que tenho razão. Sorry!

      Eliminar
  2. isso deve ser da impotência que a amizade com o autor lhe provoca!

    ResponderEliminar
  3. isso deve ser da impotência que a amizade com o autor lhe provoca!

    ResponderEliminar
  4. Ficando apenas pelo dicionário: não percebo porque diz que tem razão nesse ponto. Nenhum desses dicionários tem a conotação sexual do termo? Errado. Dos que menciona só experimentei o Priberam e esse tem o que falta no seu post.

    Eu também não quero polemizar. Aceito sem problemas que me tenha criticado: nem vou chamar a isso polemizar (embora, quando não se quer polemizar, não se usam certas expressões que constam do seu post).

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  5. Não percebo a discussão, talvez porque não li o texto que deu origem a este mas, a palavra "frígida" foi sempre usada quando se fala de alguém insensível, fria, a nível sexual ou nas relações pessoais que mantém no seu dia a dia ou, até, nas decisões que toma. Não fui ver o significado no dicionário mas este é o significado que eu sempre lhe atribui.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Sempre usei a palavra FRÍGIDA com esse sentido...
    Aliás, temos um (desgoverno) FRÍGIDO!!!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. Quem pensa que o Cabrita era capaz de uma baixaria dessas é porque realmente não o conhece.
    A ex-mulher dele (Filomena) foi uma das mais directas responsáveis pela minha vinda para Macau.
    E, adivinhe agora, quem é que me foi mostrar Macau, no fim da tarde de 1 de Outubro de 1995, enquanto a Filomena e a minha prima esperavam por um tá pau da tasca da Ti Irene?
    Pois, o Eduardo Cabrita.
    Das pessoas mais inteligentes, mais cultas, mais educadas que conheço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Pedro! Eduardo Cabrita é uma pessoa incapaz de tal baixaria. Estou totalmente de acordo consigo.

      Eliminar