quarta-feira, 12 de março de 2014

Saldanha gourmet



O Saldanha é, de há muito, uma nova centralidade de Lisboa. Tenho assistido de perto à sua evolução e, quando regresso a casa depois de um período de ausência, vejo sempre uma nova mudança que aponta sempre no mesmo sentido.
Agora a velha praça  está  a transformar-se numa espécie de centro de comida ambulante. Na ala  nascente, entre o Atrium e a Praia da Vitória,  há um triciclo que vende iogurtes biológicos, uma roulotte que vende batatas fritas e uma caravana que vende sushi.  Com bastante sucesso, dizem-me...
Tenho saudades do velho Saldanha ( na foto) onde pontificavam o Monumental e a casa da condessa da Covilhã ( onde  hoje estão instalados o Centro Europeu do Consumidor e a DGC)  e  havia um alfarrabista que alegrava as minhas tardes de sábado. Um pouco mais adiante,  já na Fontes Pereira de Melo- onde hoje está a Zara- ficava o café-restaurante  Montecarlo, local de animadas tertúlias onde tive a oportunidade de conhecer algumas das figuras do jornalismo e da escrita, mas também excêntricos que não deviam a sua condição ao Euromilhões.  E havia uma menina na tabacaria que nos fazia perder a cabeça e um barbeiro que tratava meter os cabelos na ordem. Para além de um bilhar e de um bife famoso.
Bem, este post era sobre o Saldanha e já vou avenida abaixo. As conversas são como as cerejas, né?

9 comentários:

  1. As coisas de que o Carlos gostava (que idade tem agora a menina da tabacaria?) pertecem ao passado, o único tempo real que existe é o PRESENTE.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estava quase a dar-lhe razão, Ematejoca, mas depois lembrei-me que foi no passado que fui jovem e me diverti. Agora já sou velho e se um jovem me vê a divertir-me vai logo dizer aos amigos que eu estou a pôr em causa a geração dele...

      Eliminar
    2. A minha mãe dizia: "velhos são os trapos"!!!

      O Carlos ainda tem muito sumo e, há muitas meninas que ficam loucas por si, sem pôr em causa a geração.

      APROVEITE O INSTANTE QUE PASSA QUE A VIDA É MUITO CURTA!

      Eliminar
  2. Ainda bem que as tuas palavras são como as cerejas, pois assim vou conhecendo Lisboa de outros tempos, não muito antigos.
    A Lisboa que adorava ter conhecido!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Era ao Monumental que eu ia ao cinema quando era menina e moça e estava na faculdade agora é uma zona por onde passo de carro...às vezes! :)

    ResponderEliminar

  4. Tudo muda, mas que causa saudades, causa. Os pontos de referência ficam-nos apenas e só na memória. :((

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Ai esse bife, que quase se trinchava com um simples garfo, com um molho "à café", como não comi jamais, melhor...

    ResponderEliminar
  6. Comida de rua é algo que ainda não entrou comigo, Carlos.
    Não dá!

    ResponderEliminar
  7. Partilho essa tua saudade, amigo...

    Bom serão, Carlos

    ResponderEliminar