quarta-feira, 2 de abril de 2014

Erro crasso


Está-se mesmo a ver qual deles é, não está?


A expressão "erro crasso" significa um erro grosseiro, incompreensível ou indesculpável.
De acordo com a pesquisa que efectuei, a expressão terá tido origem em Roma durante o primeiro Triunvirato,  formado pelos generais Caio, Pompeu e Crasso.
Este último terá sido incumbido de atacar  os Partos, tarefa que não exigia grande esforço, pois tratava-se de um pequeno povo com poucos argumentos para resistir ao poderio romano.
Crasso partiu para a sua tarefa tão confiante na vitória, que prescindiu de atacar da forma convencional utilizada pelos exércitos romanos. Além disso, para atalhar caminho,  escolheu uma passagem estreita e  com pouca visibilidade. Resultado: os romanos foram vencidos pelos Partos, envergonhando o poderio de Roma.
Desde essa pequena batalha, perdida  pelos romanos por  incúria, quando alguém com todas as condições para ter sucesso comete um erro  estúpido ( seja por soberba ou ignorância), passou a dizer-se que cometeu  um erro crasso 

6 comentários:

  1. Repito que esta rubrica é mesmo muitíssimo interessante!!!

    Eu cometi o erro crasso de nunca gostar de história.

    ResponderEliminar
  2. Adoro estes "Dizeres"!

    Erros crassos são cometidos diariamente por quem nos desgoverna!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Erro crasso...CBO!

    O primeiro Triunvirato foi formado pelos generais: Pompeu, Crasso e Júlio César!

    A passagem escolhida por Crasso para atalhar caminho foi um desfiladeiro, logo....está bem de ver que foi apanhado de surpresa, sem apelo nem agravo!...

    Janita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Azar seu, minha senhora! Acontece a quem se fia demasiado na Net. É que o primeiro nome de Julio César era Cayo. Aliás, Cayo Julio. O César vem por um acréscimo que não tenho tempo para lhe explicar.
      Mas sou benévolo e ainda lhe explico que uma passagem estreita pode ser um desfiladeiro
      Às vezes os dardos envenenados fazem ricochete e têm efeito boomerang.

      Eliminar
    2. Suposição errada! Não foi na Net que pesquisei. Gosto de História e consultei o meu velho livro de História Geral e Pátria (Antiguidade e Idade Média) da autoria de António Mattoso e António Henriques. Na página 145 com o título "Do primeiro Triunvirato ao Cesarismo"
      (...)
      "Estes três militares, Pompeu, Crasso e Júlio César, em lugar de se combaterem, resolveram formar uma aliança secreta (60, AC). Comprometiam-se a ajudar-se mutuamente, em tudo o que se referisse à política. Esta aliança recebeu o nome de Primeiro Triunvirato...."
      (...)

      Quanto aos dardos envenenados, não é nem nunca foi meu apanágio arremessá-los. Talvez seja melhor o senhor fazer um introspeção cuidadosa.
      Avé César! Diz-lhe alguma coisa? A mim, também! Mas isso foi mais tarde...
      Lembre-se, a sua verdade não é a única! Fique bem!

      Janita

      Eliminar
  4. Não fui eu que baptizei Caio Júlio, mas esse era o seu verdadeiro nome e contra isso, nada a fazer. Não é a minha verdade... é a da História.

    ResponderEliminar