terça-feira, 20 de maio de 2014

Está nos livros (5)




" Olhe à sua volta- disse ela.- Vê felicidade? Vê alegria? Os americanos nunca foram tão prósperos, as pessoas nunca estiveram tão seguras.Nunca viveram tantos anos, em tão boa saúde, nunca em toda a história. Para alguém que tenha vivido há cem anos, nem precisamos de recuar mais, este mundo seria o próprio Paraíso.Voamos. Os nossos dentes não apodrecem.Os nossos filhos não morrem repentinamente com uma febre.Não há estrume no leite.A Igreja não nos pode assar vivos devido a pequenas diferenças de opinião. Os anciãos não podem apedrejar-nos até à morte por adultério.Nunca perdemos as nossas colheitas.Podemos comer peixe cru  no meio do deserto, se assim o desejarmos.Mas olhem para nós.Somos tão obesos que precisamos de lotes maiores nos cemitérios.Os nossos filhos de dez anos andam a consumir heroína ou a matar crianças de oito anos, ou ambas as coisas. Divorciamo-nos mais depressa do que casamos.Tudo o que comemos tem de ser selado,caso contrário alguém poderia envenenar a comida e, à falta de veneno,usaria alfinetes.Um décimo de nós está na cadeia e não temos tempo suficiente para construirmos todas as cadeias de que precisamos.Bombardeamos outros países simplesmente porque nos põem nervosos e a maioria de nós é não apenas incapaz de identificar esses países no mapa, como nem sequer dizer em que continente ficam.Vestígios dos retardadores de combustão que usamos nos estofos e nos tapetes começaram a surgir no leite materno.Por isso, diga-me, acha que isto está a funcionar?Acha que devemos continuar por este caminho?
- Pois, pois, mas não há nada como um belo Big Mac - disse o Corpulento.Limpou uma unha com a unha do polegar oposto."

( Michael Cunnigham in Dias Exemplares)

9 comentários:

  1. e, enquanto se come um Big Mac o melhor é nem pensar no assunto

    ResponderEliminar
  2. Forte realidade Carlos.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  3. É muito estranho mesmo, mas parece que o que era realmente importante deixou de o ser, para dar lugar a não sei o quê... Será ao dólar, rei e senhor?

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Creio que este é um problema global, a que osd portugueses também não escaparam, Teté
      Beijinhos

      Eliminar
  4. A alienação estado.unidense é de nos deixar em aflição profunda, ainda mais porque o país está fortemente armado e se acha um modelo de virtudes e acima de todas as leis internacionais!!

    Amigo, não te constipes :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como já disse no comentário anterior, não me parece que seja um problema exclusivamente americano, amiga
      Espero bem que não, porque este ano já tive doses que cheguem :-)

      Eliminar
  5. Eca...dá nojo...uma coisa bem orgânica e automática, quase involuntária :o(

    ResponderEliminar