terça-feira, 6 de maio de 2014

Machismo, ou acto falhado?



A comunicação social é um espelho da sociedade. Não raras vezes, os títulos deixam perceber que quem escreve está imbuído de preconceitos que julgávamos ultrapassados, mas persistem em vastos sectores da sociedade. 
Vem isto a propósito do título de uma notícia de hoje do JN:
"Apanhada a ter relações sexuais em voo da Virgin"
A minha reacção imediata, foi lembrar-me do tempo em que  os maridos infiéis eram desculpados pelas próprias mulheres, que acusavam a rival de ser, no mínimo, uma "cabra" que lhe seduziu/roubou o marido. 
O homem, coitado, dado às fraquezas da carne, nunca era culpado por trair a mulher.Era uma vítima. A culpada era sempre a "galdéria" que o desencaminhou.  
O título da notícia do JN segue o mesmo padrão. Embora as relações sexuais entre dois adultos presumam o consentimento de ambas as partes, o/ (a?) jornalista do JN terá partido do princípio que foi a jovem a desencaminhar o seu parceiro para a casa de banho do avião. Daí que tenha optado por escrever "Apanhada" em vez de "Apanhados". Ela é que quis ter relações sexuais e engatou o gajo, estão a perceber?  
Quando o/a jornalista se denuncia através de um título, não reflecte apenas a sua forma de pensar, mas também a do círculo onde se move. Quando um (a) editor(a) deixa passar um título destes, a situação torna-se ainda mais clara. 
A liberdade sexual foi uma conquista das mulheres no 25 de Abril, mas há preconceitos que continuam enquistados  e não dão sinais de desaparecer, 40 anos depois. 

10 comentários:

  1. A liberdade sexual foi uma conquista das mulheres no 25 de Abril???

    "Ela é que quis ter relações sexuais e engatou o gajo"

    Isso, é o que se chama liberdade sexual das mulheres, ser a mulher a ter a iniciativa.

    Espero que tenha valido a pena!!!

    ResponderEliminar
  2. Na geração da minha mãe eram as mulheres que tinha "dores de cabeça".

    Na minha geração são os gajos a ter "dor de cabeça".

    Não estou a passar férias na Guatemala, nem fui apanhada a ter relações sexuais num voo da Lufthansa.

    ResponderEliminar
  3. ~ Compreendo o espírito da sua interessante crónica e arrisco-me a afiançar que se trata de uma autora, pois as mulheres frustradas por frieza ou por mal se resolverem, são as mais cáusticas no julgamento dos seres do seu sexo.

    ~ Mas o que era outrora um escândalo, hoje só merece um sorriso benevolente, se o episódio se verificar com um parceiro-- urgências de quem ousa transgredir no intuito de conseguir uma vida mais colorida e excitante.

    ~ Tem razão: restam ainda muitos preconceitos. Eu ainda os tenho: não consigo aceitar esta situação como a Emantejoca a descreve. É contra todos os meus mais arreigados princípios; não só de decoro, mas também de higiene.

    ~ No entanto, admito que as feromonas possam provocar uma forte reação´química, de tal ordem, que mulheres independentes achem que vale a pena arriscar.
    ~ Para o sexo feminino, é uma situação muito rara, mas só assim, penso que valerá o risco.

    ~ ~ ~ Uma crónica interessante. ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim não me interessa o acto sexual, Majo!

      O que me interessa é que a mulher tenha a liberdade de decidir sobre a sua vida sexual; como não aceito que os homens possam ir até onde as mulheres tem medo de chegar.

      Falta de decoro e higiene é também quando o homem é o herói sedutor, tão amado pelos homens ao longo dos anos.

      Mais uma vez recuso a misogenia, de resto o meu "Kraut" e eu somos o casal mais unido e fiel que tu possas imaginar.

      Eliminar
    2. ~
      ~ Querida amiga, eu escrevi: " a situação que a Emantejoca ~ d e s c r e v e".
      ~ Não escrevi ~ d e f e n d e ~ ou ~ p r a t i c a ! ! !

      ~ Referi-me aos meus principios e não a tratados ou normas de decoro e higiene.

      ~ ~ ~ B e i j i n h o s, ~ ~ ~

      Eliminar
  4. Carlosamigo

    Repito o que deixei na outra Crónica


    Como certamente já sabes, estou (infelizmente…) de volta a este vale de lágrimas em que os criminosos que dizem que nos governam reina a felicidade e até consegui(mos?)ram uma saída limpa (???) depois de quase três anos de sofrimento, de penúria, de pobreza e de resignação. Somos assim, masoquistas, gostamos de levar na cabeça, que raio de vida e de estar de cócoras.

    Goa ficou para lá voltar no próximo ano. Entretanto, estarei por cá e tentarei ir acompanhando, como habitualmente faço, este teu blogue. E, sempre que possível, comentando. Mas, hoje, ainda não comento…

    Abç

    ResponderEliminar
  5. Puro acto falhado! :)
    Da jornalista, obviamente, para a menina espero que tenha valido a pena!

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. O título é tão estúpido que não merece quaisquer comentários

    ResponderEliminar
  7. A estupidez preconceituosa de quem escreveu nem merce que se peca tempo com a criatura, mas concordo totalmente contigo!

    Tudo de bom, amigo meu

    ResponderEliminar
  8. Fujo dos preconceituosos. São os/as piores

    Normalmente ,são "papa hóstias"!!!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar