sexta-feira, 20 de junho de 2014

Está nos livros (8)



"Quando digo eu também sou jornalista, faço-o com muita humildade, porque à minha memória chega uma ampla galeria fotográfica e nela encontram-se os rostos de Juan Pablo Cárdenas que, por ser um grande jornalista, foi refém pessoal de Pinochet, de Pepe Carraso que, por ser um grande jornalista, foi assassinado por Pinochet, de Rodolfo Walsh que, por ser , além de escritor, um grande jornalista, foi assassinado pela ditadira argentina, de José Luiz Lopez de la Calle que, por ser um grande jornalista, foi assassinado pela ETA, e a eles se acrescentam outros ilustres colegas do grupo que fui encontrando pelo caminho, de modo que, ao dizer eu também sou jornalista faço-o com orgulho, mas um orgulho que não dura muito, pois a profissão encontra-se em franca decadência".

(Luís Sepúlveda in Histórias daqui e dali)

3 comentários:

  1. Carlosamigo

    O Luís Sepúlveda é... o Luís Sepúlveda - e está tudo dito.

    Abç

    ResponderEliminar
  2. Lamentavelmente é esta e outras profissões que estão a ser vitimas da injustiça, no entanto o orgulho continua daquilo que foi.

    Bom fim de semana Carlos.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  3. E que profissão não está em decadência???

    A minha (professora) está em extinção!

    Já li alguma coisa de Sepúlveda. Um livro que adorei foi "O poder dos sonhos".

    Beijinhos.

    ResponderEliminar