sexta-feira, 6 de junho de 2014

Momento de poesia alentejana

Em noite de feroz inspiração, o poeta foi passear pelo campo e, topando  um alentejano que contemplava o luar, disse-lhe:
- És um amante do belo! Acaso já viste também os róseo-dourados dedos da aurora tecendo uma fímbria de luz pelo nascente, ou as sulfurosas ilhotas de sanguíneo vermelho pairando sobre um lago de fogo a esbrasear-se no poente, ou as nuvens como farrapos de brancura obumbrando a lua, que flutua esquiva, sobre um céu soturno?
- Ultimamente, não!... Faz um ano que o médico me proibiu de beber- respondeu o alentejano

3 comentários:

  1. ~ É engraçada, mas não representativa da totalidade-- o povo alentejano aprecia versejar e fazer rimas...

    ResponderEliminar
  2. Admiro os alentejanos por se saberem rir de si próprios, pois disseram-me que a maior parte de anedotas sobre alentejanos foram imaginadas por alentejanos.

    ResponderEliminar