quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A Casa do Lago

Lago do Campo Grande ( foto da Net)

Uma greve de metro é sempre um grande transtorno para mim. Se é parcial, a coisa resolve-se com maior ou menor dificuldade mas, quando se estende por 24 horas, a solução é pegar no carro, ou meter os pés ao caminho.
Esta manhã soalheira estava amena e optei pela segunda hipótese. Saí de casa mais cedo do que o habitual e meti-me ao caminho.  Apoveitei para apreciar o Campo Grande renovado e exultei quando vi que o café da ilha estava aberto e havia barcos no lago. 
Estava hesitante entre fazer uma pausa para tomar o café ou prosseguir o caminho, quando ouvi uma voz familiar:
- Que fazes aqui?
Era a Teresa, ex- colega da faculdade de Direito e minha vizinha na casa do Rochedo.
Contei-lhe a minha hesitação e logo me desafiou para tomar um café  na Casa do Lago ( assim se chama agora o café). 
 Enquanto recordávamos tempos da faculdade e as inúmeras vezes que por ali parávamos  ao final da tarde, para dar uma volta de barco, fomos assaltados pela mesma ideia.  “E se fossemos dar uma volta, como nos velhos tempos?”.
Assim foi. Telefonámos para os nossos escritórios, cada um alegou o impedimento que lhe veio à cabeça e lá ficamos durante uma hora, tentando ver espelhadas na água as imagens da nossa juventude. Não as encontrámos, mas vivemos uma manhã diferente.
 Apesar de sermos vizinhos ocasionais, raras vezes  partilhamos momentos de lazer. Muito menos a sós.  Foi por isso uma manhã especial. Pusemos a conversa em dia e desfrutámos desse prazer que é não cumprir um dever. Como algumas vezes fazíamos, quando faltávamos às aulas para ir andar de barco no Campo Grande, ou apenas tomar um café e dar dois dedos de conversa.
Às vezes é preciso tão pouco para sermos felizes e nos sentirmos mais motivados para o trabalho…


3 comentários:

  1. Costuma-se dizer que "há males que vêm por bem", Carlos ! :)) Ainda bem que houve greve e há greves providenciais ! rsrs
    .

    ResponderEliminar
  2. Um super começo de dia!
    São as pequenas coisas que dão sentido à vida!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. E uma volta de barco no Campo Grande, em boa companhia, lava a alma a qualquer um, Carlos

    ResponderEliminar