sexta-feira, 31 de outubro de 2014

A dificuldade da escolha



Andava a queixar-se de algumas maleitas há coisa de um ano. Não tinha luzinhas a piscar, avisando a tipologia da enfermidade. Era à antiga. Apenas emitia uns gemidos estranhos ou começava a tremer furiosamente, abalando o chão da cozinha, quando alguma coisa estava mal. Lá fui tentando aliviar-lhe a dor e adiar o estertor mas, na semana passada, despediu-se com um último suspiro, enquanto o técnico que entretanto chamara numa última tentativa  para a curar, me desenganava e lhe dava a extrema-unção. 
Preparei-lhe o funeral, em cerimónia simples. Agradeci-lhe, uma última vez, a forma dedicada como sempre se entregou ao trabalho, sem um único lamento. Já sabia que o passo seguinte seria doloroso. Colocava-se de imediato uma questão: como substituir aquela fiel companheira ? Quem estará melhor habilitado para fazer esquecer os bons serviços que a máquina de lavar de linha branca, comprada no saudoso Carrefour me prestou de forma zelosa e eficiente, ao longo de quase duas  décadas?
Nesta sociedade da hiperescolha, onde cada marca apresenta uma panóplia diversificada de modelos para cada produto, com o objectivo de penetrar em todos os  nichos de mercado, escolher uma máquina  é, por vezes, tarefa ciclópica. Principalmente para leigos em novas tecnologias, como eu, que fico com a cabeça a andar à roda, cada vez que vejo luzinhas a piscar num visor, sem saber se aquilo significa que o aparelho está a dar o berro ou em perfeito estado de funcionamento.
 Como distinguir o modelo XPTO 17, do seu concorrente, da mesma marca, XPTO 17 SP? Muitas vezes os modelos distinguem-se apenas por pormenores só perceptíveis a especialistas na matéria e não ao consumidor comum. 
E como saber se a marca que mais se adequa às minhas necessidades é a ZPLR Hidromatic ou a mais singela (pelo menos em nomenclatura baptismal)  ZETA?
Eu sei que há testes comparativos que nos podem ajudar e que podemos pedir a opinião dos amigos mas, na generalidade, cada um sempre enaltece as características da marca e modelo que tem em casa, para justificar o acerto da sua opção. A consulta a amigos também pode ter a vantagem de eliminar à partida  algumas marcas mas, caramba, nem os meus amigos são tantos que me permitam uma escolha por amostragem, nem estava na disposição de me colar ao telefone a perguntar-lhes: 
“Olha lá, estás satisfeito com a tua máquina de lavar? Parece-te que é o modelo ideal para mim?” 
Decidi, por isso, meter-me ao caminho e dirigir-me a uma loja onde a oferta de marcas fosse variada e tivesse aconselhamento técnico na escolha. Fui. 
Comecei por deambular entre marcas e modelos olhando para os preços e tentando decifrar o que se escondia por detrás da designação de cada marca e modelo. Ao fim de cinco minutos, pedi a ajuda de um funcionário. Afoito, contei-lhe a história:
Olhe, vim cá porque a minha máquina pifou e preciso de uma nova, mas não sei o que hei-de comprar. Pode dar-me uma ajuda?”
Qual era a marca da máquina que tinha?” – perguntou-me o funcionário, certamente já apontado para me indicar a compra de um modelo da mesma marca.
Desiludi-o. Percebi-o na reacção estampada na face, quando lhe respondi  “a minha máquina de lavar era de marca branca”. Olhou-me com ar superior de quem vê entrar um pelintra,num estabelecimento onde se vendem produtos com “pedigree” e disse:
“Pois, nós aqui só temos produtos de marca. Se quer uma máquina dessa linha, terá de procurar noutro sítio”.
Perguntei-lhe se sabia onde poderia encontrar uma máquina, igualzinha à minha, porque era isso que queria.
Começou por encolher os ombros e depois, a custo, lá disse que não fazia ideia. 
Expliquei-lhe então que,  não tendo tempo para andar a procurar um estabelecimento onde vendessem máquinas de marca branca, queria uma máquina que durasse os mesmos 20 anos de vida da defunta.
Escapou-se-lhe um sorriso. “A sua máquina tinha 20 anos? Hoje já não arranja disso. Se aguentar 10, já é muito bom!”
Conformei-me. Pedi-lhe um conselho. Acabou por me indicar três modelos de duas marcas diferentes. Optei por um, que me pareceu adequado às minhas necessidades, e cujo preço era atraente.
 Agora tenho lá em casa uma máquina cheia de luzinhas a piscar, que me fazem lembrar o cockpit de um avião. Não percebo para o que servem, nem consigo decifrar os seus sinais. Entreguei essa tarefa à empregada que me pareceu entusiasmada com a nova hóspede, tal a forma carinhosa como a recebeu. 
Eu continuo com saudades da minha máquina de lavar de marca branca. Baratucha e fiel. 
Os tempos são outros, claro. Vivemos no tempo  de um mercado sujeito a grande pressão, onde anualmente desaparecem 8 em cada 10 produtos lançados como novidades, onde em cada 1000 ideias, apenas 35 vêem a luz do dia, e só 19 obtêm sucesso.  
A pressão  dos mercados alterou profundamente as regras do jogo publicitário que até há cerca de 30 anos se resumia a propostas inocentes como “Omo lava mais branco” ou “Vaqueiro torna tudo mais apetitoso”. Mas alterou também a forma de nos relacionarmos com os produtos e dificultou a forma de fazer as nossas escolhas.  Já não procuramos o duradouro. Somos seduzidos pelas novas tecnologias que apenas nos prometem o prazer efémero de comprar hoje a última novidade mas, passados poucos meses, somos obrigados a admitir que temos em casa uma velharia.

Aviso: Hoje é o Dia Mundial da Poupança. Recuperei este texto, que  há tempos  escrevi para a revista Tempo Livre, porque me parece enquadrar-se dentro do espírito do que deve ser um consumidor sustentável

3 comentários:

  1. Durou 20 anos! À pouco tempo publiquei a minha Moulinex que tem 40.
    Sou um pouco conservadora, até nas marcas!

    Bom fim de semana Carlos.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  2. A minha é a segunda desde que vim de Luanda em 75. A primeira foi uma hoover(simples) e durou uns 20 anos. Seguiu-se um Balay (simples) que apenas acende uma luzinha, quando ligo a qual apaga quando o programa acaba.

    Não me imagino com nada complicado...

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. 20 anos!
    que sortudo!
    mas havia marcas que embora não fossem sequer de marca branca eram muita boas, mas se formos a fazer uma analise, bem poucas resistiram.
    enfim! modernices que nos custam caras.
    bom texto que gostei de ler.
    e bom fim de semana.
    beijinho

    :)

    ResponderEliminar