quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Mistérios de Buenos Aires

Como é possível um tipo escrever um livro de 200 páginas sobre Buenos Aires, onde não ocupa mais do que uma dúzia de páginas sobre a capital argentina?
Como é que, sendo o protagonista  um espião  que viveu por lá entre 1985 e 2005, não faz uma única referência ao período pós  ditadura, nem ao  Corralito e colapso económico argentino? 
Das duas uma: ou o espião andou a apanhar bonés, ou o autor pensa que Buenos Aires é aquela rua para as bandas da Estrela. 

5 comentários:

  1. Será que as vendas farão sucesso com tal absurdo!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. ~ Tal como o filme de 1935, é um belo embuste para quem se deixa impressionar pela sugestão dum título apelativo.

    ~ ~ Dias serenos e sorte na aquisição de boas leituras. ~ ~

    ResponderEliminar
  3. Não era a esse livro que me referia, Majo, mas concordo com o seu comentário, que também se aplica a. Cadernos de Buenos Aires que, além do mais é muito mal escrito.
    O problema foi meu, eu sei, mas sempre que vejo um livro com um título alusivoa Buenos Aires, compro por impulso.

    ResponderEliminar
  4. Qual o nome do livro Carlos? fiquei curiosa e sou ótima leitora rsrs
    Vivo comprando tudo mas nem sempre consigo ler tudo .

    ResponderEliminar