quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Agora estou muito mais descansado

Desde há uns tempos a esta parte que andava preocupado porque :

1. Não me recordava de alguns nomes próprios ;
2. Não  me recordava onde deixava algumas coisas ;
3. Quando estou a conversar e tenho que interromper o pensamento, por ser interrompido, tenho dificuldade de continuar a conversa no ponto em que a tinha deixado.

Enfim, creio que começava a pensar que tinha um inimigo dentro da minha cabeça, cujo nome começa por Alz...

Hoje li um artigo que me deixou bem mais tranquilo, por isso passo a transcrever a parte mais interessante :

" Se tens consciência dos teus problemas de memória, então é porque
ainda não tens problemas."

Existe um termo médico que se chama ANOSOGNOSIA, que é a situação em que tu não te recordas temporariamente de alguma coisa. Metade dos maiores de 50 anos, apresentam algumas falhas deste tipo, mas é mais um facto relacionado com a idade do que com a doença.

Queixar-se de falhas de memória, é uma situação muito comum em pessoas com 50 ou mais anos de idade.
É o caso de a falha se traduzir por não recordar um nome próprio, entrar numa divisão da casa e esquecer-se do que se ia lá fazer ou buscar, esquecer o título de um filme , actor ou canção, não se lembrar onde deixou os óculos,etc. etc..

Muitas pessoas preocupam-se, muitas vezes em excesso, por este tipo deesquecimento. Daí uma informação importante :

“Quem tem consciência de ter este tipo de esquecimento, é todo aquele que não tem problemas sério de memória”. 
Todos aqueles que padecem de doença de memória, com o inevitável fantasma de Alzeimer, são todos aqueles que não têm consciência do que efectivamente se passa.

Dubois, professor de neurología da CHU Pitié-Salpêtrière ,encontrou uma engraçada e didática explicação, válida para a maioria dos casos, de pessoas que estão preocupadas com os seus esquecimentos:
"Quanto mais se queixam dos seus problemas de memória, menos possibilidades têm de sofrer de uma doença de memória".

Este documento é dedicado a  todos os esquecidos de que me recordo.
Se esquecerem de o compartilhar, não se preocupem porque não será Alzeimer... 

( Os meus agradecimentos ao leitor BS que me enviou este texto por  e-mail)

6 comentários:

  1. Também fico mais descansada, então. :) É que estou mesmo a rever-me neste filme.

    Há tempos li um livro muito interessante e engraçado sobre este mesmo tema: "Onde deixei os meus óculos: o como, quando e porquê da perda de memória" de Martha Weinman Lear.

    ResponderEliminar
  2. Carlos, Também já tinha lido algo semelhante e fiquei bem contente!
    Tenho esse livro, Luisa!
    Foi bom ler este post sempre dá algum sossego.
    xx

    ResponderEliminar
  3. Mais descansada...

    http://experimenteie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Mas quem nunca teve esquecimentos desses? E nem é preciso esperar pelos 50... :)

    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Eu fui diretamente para "Alzheimer's Disease" !

    ResponderEliminar
  6. ~ ~ Tenho um familiar, com cerca de 90 anos, com grave perda de memória, sem a referida doença, mas, apenas, por arteriosclerose. ~ ~

    ResponderEliminar