domingo, 8 de março de 2015

Poema de domingo

Georges Seurat (Un dimanche apré midi à lîle de Grande Jatte)

Aos domingos as ruas estão desertas
e parecem mais largas.
Ausentaram-se os homens à procura
de outros novos cansaços que os descansem.
Seu livre arbítrio alegremente os força
a fazerem o mesmo que fizeram
os outros que foram fazer o que eles fazem.
E assim as ruas ficaram mais largas,
o ar mais limpo, o sol mais descoberto.
Ficaram os bêbados com mais espaço para trocarem as pernas
e espetarem o ventre e alargarem os braços
no amplexo de amor que só eles conhecem.
O olhar aberto às largas perspectivas
difunde-se e trespassa
os sucessivos, transparentes planos.
Um cão vadio sem pressas e sem medos
fareja o contentor tombado no passeio.

É domingo.
E aos domingos as árvores crescem na cidade,
e os pássaros, julgando-se no campo, desfazem-se a cantar empoleirados nelas.
Tudo volta ao princípio.
E ao princípio o lixo do contentor cheira ao estrume das vacas
e o asfalto da rua corre sem sobressaltos por entre as pedras
levando consigo a imagem das flores amarelas do tojo,
enquanto o transeunte,
no deslumbramento do encontro inesperado,
eleva a mão e acena
para o passeio fronteiro onde não vai ninguém.

( António Gedeão in "Novos poemas póstumos",Sá da Costa Ed. 1990)

5 comentários:

  1. Esta descrição dos domingos, do Professor Rómulo de Carvalho, fez-me lembrar a cidade do Porto há uns anos atrás! Parecia uma aldeia deserta...com a agravante de nem as árvores crescerem nem os pássaros cantarem...

    As telas do pintor francês, são lindas, bucólicas e coloridas! Há uma pintura que gosto muito onde esta tela, que apresenta aqui, aparece numa outra, como se fora um quadro pendurado na parede.

    Janita

    ResponderEliminar
  2. Como gostei da imagem da procura de novos cansaços para descansar! :)

    ResponderEliminar
  3. Domingos bem diferentes por estas paragens.
    É com cada invasão!!

    ResponderEliminar
  4. ....novos cansaços que os descansem.!!!

    Adorei o poema que não conhecia.
    Associo sempre o poeta ao poema mais conhecido...Pedra Filosofal.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar