segunda-feira, 13 de abril de 2015

A Lição de Eduardo Galeano


Dia triste o de hoje, que roubou a vida a dois enormes vultos da literatura mundial.
Depois do post que aqui escrevi sobre o Nobel Gunther Grass, deixo-vos este testemunho de Eduardo Galeano ( 1940- 2015), um dos maiores nomes do jornalismo e da literatura latino-americana.
Vai correndo triste e mortífero este Abril para a cultura mundial.

6 comentários:

  1. Adorei o vídeo. Tão verdadeiro!

    Sem dúvida, um Abril triste!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. ~ Lamento...
    ~ Deixa-nos um legado extraordinário,
    mas podia andar por cá mais dez...
    ~ Que descanse em paz, bem merece.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  3. Como andei todo o dia na rua, só soube da morte de Eduardo Galeano, quando cheguei a casa e li o seu comentário, Carlos, e o do Rui.

    ResponderEliminar
  4. Uma excelente lição de vida que perdurará, apesar da triste partida de Eduardo Galeano.

    ResponderEliminar
  5. mais uma a somar a já tantas este ano.
    que descanse em paz!
    gosto muito deste poema dele

    Os que trabalham têm medo de perder o trabalho, os que não trabalham têm medo de nunca encontrar o trabalho.
    Quem não tem medo da fome tem medo da comida.
    Os automobilistas têm medo de caminhar e os pedestres têm medo de ser atropelados.
    A democracia tem medo de recordar e a linguagem tem medo de dizer.
    Os civis têm medo dos militares e os militares têm medo da falta de armas.
    As armas têm medo da falta de guerras.
    Medo da mulher à violência do homem, medo do homem das mulheres sem medo.
    Medo dos ladrões, medo da polícia.
    Medo da porta sem fechadura, do tempo sem relógio, das crianças sem televisão.
    Medo da noite sem comprimidos para dormir, medo de dia sem comprimidos para acordar.
    Medo da multidão, medo da solidão.
    Medo do que foi e do que pode ser.
    Medo de morrer, medo de viver.


    Eduardo Galeano
    :(

    ResponderEliminar