segunda-feira, 6 de abril de 2015

Um anjo à beira mar




Sexta-feira Santa. Uma reportagem de última hora leva-me até ao Oeste. Almoço no litoral, tendo o mar como cenário. A leitura do cardápio sugere-me um bife de atum. Aceito a sugestão. 
Enquanto aguardo, os meus olhos saltitam entre a leitura das gordas dos jornais e as ondas revoltas esparramando-se no areal. 
Vindo de não sei onde entra um anjo. Cabelo negro ( quem disse que os anjos são todos loiros desconhece a beleza dos anjos com cabelo de azeviche), caindo sobre um corpo esguio e bem torneado. Senta-se na mesa à minha frente. Pousa os óculos escuros sobre a mesa e pede a ementa. Da carteira recolhe uns óculos de ver ao perto ( os anjos de cabelo negro com problemas oftalmológicos devem pertencer a uma casta especial que não consta dos catecismos) que deixam a descoberto uns olhos verdes deslumbrantes . Anuncia a sua escolha ao empregado sem pronunciar uma palavra. (Os anjos ouvem mas não falam). Volta a pegar na carteira de onde retira um livro. Olha-me e deixa escapar um sorriso disfarçado. Retribuo.
Há qualquer coisa naquele sorriso que me traz à memória a psiquiatra de Tony Soprano, nos tempos da primeira série. O empregado traz-me o bife de atum. De repente, perdi o apetite. Só tenho olhos para aquele anjo, absorvido pela leitura de um livro cujo título não consigo descortinar. Entrego ao palato a apreciação do sabor do bife de atum, enquanto olho o mar e me interrogo sobre a escolha gastronómica do anjo que está diante de mim, mas agora ostensivamente me ignora. Um peixe grelhado? Uma salada? Talvez aquelas ovas cozidas com molho de vinagrete…
A resposta demora uma eternidade. Já deixei metade do bife de atum abandonada à sua sorte e pedi uma manga para rematar a refeição, quando o empregado traz a encomenda do anjo que algum enviado de Deus colocou à minha frente em tarde de Sexta-feira Santa, para me fazer experimentar a provação. 
Surpresa! O pedido improvável provoca-me uma breve náusea. Afinal, os anjos também comem favas com chouriço. Ainda por cima numa sexta-feira Santa, dia em que tal pitéu lhes devia estar vedado pela Lei Divina.

Em tempo: este texto foi inicialmente publicado no CR, na Páscoa de 2010

24 comentários:

  1. Amigo, as favas com chouriço ( que horror!!) só demonstram com as belas forma s dos anjos louros ou morenos podem gerar equívocos...

    Mas isto sou a falar , que de anjo não tenho nada :)

    Boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desde que levem entrecosto, não digo que não. O meu estômago é que não gosta lá muito.
      Boa semana, amiga

      Eliminar
  2. Os anjos também pecam.

    Beijinhos, Carlos. :)

    ResponderEliminar
  3. Bem, não sabia que era jornalista. Mas gostei de saber :) basta lembrar que o Diabo também era anjo.
    Boa semana, beijinho meu :*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então é porque nunca visitou o meu perfil. Caso contrário já saberia e talvez se surpreendesse ao ver que me gabo por nunca ter entrado numa loja IKEA
      Beijinho e boa semana para si também

      Eliminar
  4. não podia ser anjo para comer favas e com chouriço ainda por cima!

    que texto delicioso de ler.

    gostei muito!

    :)

    ResponderEliminar
  5. O Carlos já publicou esta história aqui ou no Crónicas do Rochedo, só não me lembra qual foi o meu comentário.

    Como eu não sou nenhum anjo, um dia destes tenho que experimentar favas com chouriço, embora não goste de chouriço e de favas goste pouco.

    Continuação de um bom tempo pascoal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perdão!

      Desejo-lhe um Bom Tempo Pascal, período do Ano litúrgico que segue 50 dias depois do Domingo de Páscoa.

      Eliminar
    2. Tem toda a razão, Ematejoca. Por lapso não referi que era uma republicação, mas irei emendar a falha no próximo post.
      Na verdade publiquei este texto no dia 9 de Abril de 2010. Já lá vão 5 anos e saber que a minha amiga longínqua ainda se lembrava do texto é para mim um enorme elogio.
      Assim, em retribuição, relembro-lhe o não menos excelente comentário que fez a este texto nessa longínqua Páscoa de 2010:

      "Durante o passeio de Domingo de Páscoa Mefisto aparece pela 1ª vez ao Fausto na figura de um cachorro.
      Na Sexta-feira Santa 2010 Mefisto aparece de repente ao Fausto português moderno, na figura de um anjo de olhos verdes, cabelo de azeviche e um corpo de sonho

      Os anjos verdadeiros são todos loiros com olhos azuis celestiais, comem filetes de pescada nas Sextas-feiras Santas — e NUNCA, NUNCA, NUNCA comem favas com chouriço".
      Um beijinho grato do seu amigo tuga com mau feitio :-)

      Eliminar
    3. Como é que eu podia esquecer as suas fantásticas crónicas/histórias, Carlos, que sempre li e continuo a ler com grande prazer.

      A minha mania de mencionar a literatura alemã nos meus comentários.

      Mil beijinhos da nossa cidade, que estou prestes a deixar.

      Eliminar
  6. Não há Bela sem Senão!!!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. Respostas
    1. Foi só uma queda mental, Papoila, mas essas às vezes magoam mais do que as outras :-)

      Eliminar
  8. Ainda bem que não sou anjo. Como também gosto de favas com chouriço não corro o risco de desiludir ninguém. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também gosto de favas com entrecosto, mas nunca imaginei ver um anjo a comê-las numa sexta feira santa :-)

      Eliminar
  9. Camilo muito bem aproveitado no comentário Papoila ! :)))
    Carlos, eu acho que ela pagou a dizima para comer as belas das favas com chouriço.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se eu fosse o confessor dela perdoava-lhe a dízima, Ricardo
      Abraço

      Eliminar
  10. Gostei muito do texto. Há por aí muitos anjos destes, consumidos por desejos carnais :)

    ResponderEliminar
  11. Espero que este anjo não tenha sido consumido, Miss Smile. Era um desperdicio :-)

    ResponderEliminar
  12. Não seria uma mensagem subliminar??
    Mandar o Carlos à fava?? :))

    ResponderEliminar