sexta-feira, 1 de maio de 2015

Carta de uma jovem aos patrões

"Peço desculpa que a minha madrasta tenha morrido por causa de um cancro. Peço desculpa por não ser um robot e ficar emocionalmente afetada pela morte dela e ter faltado ao trabalho.

Peço desculpa por ter ficado doente e não ter conseguido trabalhar e por não ter contagiado ninguém. Trabalho 47,5 horas por semana, sem receber horas extras, que legalmente deveria receber. E que por isso tenha pouco tempo para marcar as minhas consultas médicas.

Claramente, sou uma empregada horrível e por isso, peço desculpa. Sei que odeiam que lhes digam como devem fazer o vosso trabalho, mas sugiro que comecem à procura de um substituto para mim. O mais rápido possível”.

Esta história foi contada pelo jornal "Metro". Uma jovem empregada a passar por um momento difícil na sua vida, cansou-se da falta de compreensão dos patrões que em nada lhe facilitaram a vida e despediu-se com esta mensagem.

11 comentários:

  1. Deverá haver muitas mais...

    Tudo de bom para ti, amigo!

    ResponderEliminar
  2. Sempre ouvi dizer k "com vinagre, não se apanham moscas", mas cada um é responsável pelos seus atos.

    Bom domingo!

    ResponderEliminar
  3. A exploração chegou a um ponto que leva as pessoas a aceitarem tudo para poderem sobreviver. Houvesse mais com esta coragem e talvez as coisas mudassem!

    Beijinhos, Carlos. :)

    ResponderEliminar
  4. ~~ Carlos, neste Dia da Mãe, um longo abraço, «in memoriam».~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ~ Que coisa, Carlos!!
      ~ Impressionante!!
      ~ Não mereci, nem um 'obrigado'!!

      Não são maneiras de conviver na blogosfera!!
      ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

      Eliminar
    2. Creio que terá percebido que estive ausente, Majo. Não foi desconsideração. Foi apenas problema de saúde. Enquanto puder vou continuar por aqui, as não poderei ser mais aquele blogueiro omnipresente. Sorry!

      Eliminar
  5. Há momentos em que é preciso dizer "basta"...

    ResponderEliminar