segunda-feira, 8 de junho de 2015

O livro da semana: Stoner


A primeira coisa que me chamou a atenção em Stoner, foi tratar-se de um livro escrito há 50 anos que esteve esquecido até 2013. Como é que numa época de tanta produção livreira ( produção literária é outra coisa…)  alguém se lembra de ir repescar este livro esquecido  há meio século e, num ápice, Stoner se transforma num estrondoso sucesso a nível mundial?
Sou um bocado avesso a best- sellers  e hesitei antes de o enfiar no saco de compras, mas não resisti às apreciações da capa ( clicar na imagem)
“Não percebo como é que um romance tão bom passou despercebido tanto tempo”  escreve Ian Mc Ewan.
Uma citação destas de um dos meus autores preferidos, sobre um livro e um escritor que me eram totalmente desconhecidos, não caiu em saco roto. E a curiosidade em lê-lo foi tão grande que não ficou na lista de espera. Nesse mesmo dia comecei a lê-lo e dei por mim a devorar cada página com enorme sofreguidão.
O livro é sobre a vida de um professor universitário desconhecido.  Nascido num recôndito lugarejo , parece ter o destino traçado à nascença: ser trabalhador rural para toda a vida. Já adolescente é instigado pelos pais a ir para a Universidade estudar agricultura para depois os ajudar nas tarefas do campo. Vai para a Universidade para “cumprir um dever”,  mas acaba por se tornar professor de Literatura Inglesa.
Que raio o terá entusiasmado num livro  com um enredo aparentemente tão insonso? – perguntarão alguns leitores.  
A resposta é fácil: a emoção que transpira ao longo da narrativa.  Stoner é um homem “vulgar”, nascido num meio sem quaisquer referências, destinado a “ver a vida passar”  que um dia é “iluminado” pela literatura e faz dela a sua paixão. Estudando-a e ensinando-a. O resto ( que é o essencial do livro) é uma vida cheia de erros, de frustrações e de falhanços próprios de quem teve de enfrentar a vida sem estar preparado para ela.  
Ia escrever que Stoner teve uma vida infeliz, mas isso é uma grande mentira. Ele  conseguiu encontrar a felicidade, onde a maioria só vê frustração. Pois… foi mesmo isso que me empolgou neste livro que recomendo a quem não  vir a vida como uma história de sucesso. É que este é um livro para pessoas que preferem ser felizes.

5 comentários:

  1. Parece ser interessante, fica a sugestão, embora tenha uns tanto em fila de espera! Quando começo a ler e me seduz, também devoro as páginas.

    Beijinho Carlos e uma boa semana

    ResponderEliminar
  2. Excelente sugestão a sua. O livro é maravilho e deveras inspirador.

    ResponderEliminar
  3. Mais um para colocar na lista que nunca mais acaba, pois não tenho paciência para nada!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Posso fazer uma pergunta, Carlos?
    Sentiu-se mais feliz após terminar a leitura deste livro?

    Se sim, também o vou querer ler!

    É que está difícil ( impossível) encarar a vida como uma história de sucesso!

    Janita

    ResponderEliminar
  5. Não comprei na Feira do Livro, e em princípio já não volto lá, mas está na minha lista de compras. Ainda este ano hei de o ler... :)))

    Beijocas

    ResponderEliminar