segunda-feira, 27 de julho de 2015

Twins




Não, não vou escrever sobre a discoteca que em tempos fez furor no Porto e levava pessoas a deslocarem-se de Lisboa , ou voarem desde Barcelona ou Madrid, com o único propósito de aí passarem uma noite de fim de semana.
O meu intuito é escrever sobre outro Twin que  nos últimos dias entrou nas nossas vidas, despertando suspiros em muitos corações. Refiro-me ao 452b, um novo planeta descoberto por esse telescópio  espacial  que dá pelo nome de Kepler. 
Desde que iniciou a sua missão, em 2009, este telescópio sonda já anunciou, por diversas vezes, a descoberta de um planeta possivelmente  habitável, o que tem provocado ondas de histeria na comunidade científica  e não só.
Até eu,  que apesar de adorar geografia  não tenho por hábito andar na lua, mas por vezes gosto de sonhar acordado,   me entusiasmo com estas descobertas de novos planetas e ponho-me logo a pensar nas esbeltas alienígenas que poderão habitar esses planetas.
No entanto,  desta vez não senti aquele formigueiro do empolgamento, tão típico daqueles que sonham encontrar um dia  parceiros no espaço e pedir-lhes boleia numa nave espacial.  
A minha reacção pouco entusiástica não se deve apenas ao facto de  ter sido invadido pela descrença nos últimos meses, ou por estar cansado de ler sobre falsas promessas. A razão da minha descrença é bem mais prosaica: segundo li na imprensa internacional, o Kepler 452 b pode ser um planeta gémeo da Terra.  Ora, se assim for, não tem interesse nenhum, porque os seus habitantes não deverão ser muito diferentes destes monstros terráqueos que querem aniquilar o planeta onde vivemos e, como diz o outro, para melhor está bem, está bem, para pior já basta assim. 
Espero, por isso, que a comunidade científica anuncie, com a brevidade possível, a descoberta de um planeta habitável, cujos habitantes  em nada se pareçam com os terráqueos.  Um planeta onde reine a paz e a concórdia, o dinheiro não seja adorado como divindade e a Natureza seja respeitada como o bem supremo que todos estão empenhados em preservar.   


11 comentários:

  1. O Carlos tenta inocentemente encontrar a sua via fazendo apelo a diversas utopias: um planeta onde reine a paz e a concórdia, o dinheiro não seja adorado como divindade e a Natureza seja respeitada como o bem supremo que todos estão empenhados em preservar.

    Se o mundo em que vivemos flutuasse moralmente para além do bem e do mal, morríamos de pasmo.

    Um beijinho muito terno, da Teresa, uma mulher liberta de utopias e ideologias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto de sonhar e de utopias, Teresa, porque felizmente não pagam imposto.Fico surpreso quando me diz que é uma mulher liberta de utopias e ideologias, por isso, não resisto a fazer-lhe uma pergunta: o Jerónimo sabe?
      Beijinho igualmente terno de um homem que não se quer libertar das utopias e gosta de sonhar, porque quando deixar de o fazer, sentir-se-á morto.

      Eliminar
    2. A minha simpatia pelo Partido Comunista Português vem de longe, no entanto, nunca corri o risco de ser intoxicada por uma ideologia.

      A liberdade não tem preço!

      Eliminar
    3. Vai desculpar-me, minha cara Teresa, mas interrogo-me se a contradição deste seu comentário, terá sido propositada. "A liberdade não tem preço" é um belo slogan ( eu próprio o usei em mim) , mas é uma enorme utopia alguém acreditar que é livre. Creio que me deu um belo mote para um post.
      Beijinho amigo

      Eliminar
    4. A liberdade, eu balbucio-a... mas é, na verdade, uma enorme utopia alguém acreditar que é livre.

      Neste caso, queria dizer que sempre me recusei a entrar num partido político, usando um outro mote "um espírito livre não é filiado em nenhum partido".

      Abraço-o com amizade, Carlos, enquanto espero pelo seu post. Nada de preguiças.

      Eliminar
  2. "O Universo é feito essencialmente de coisa nenhuma.
    Intervalos, distâncias, buracos, porosidade etérea.
    Espaço vazio, em suma.
    O resto, é a matéria.

    Daí, que este arrepio,
    este chamá-lo e tê-lo, erguê-lo e defrontá-lo,
    esta fresta de nada aberta no vazio,
    deve ser um intervalo!..."

    ( António Gedeão)

    Sonhar com um mundo melhor, onde impere a paz e a concórdia, pode ser uma utopia, como outro sonho qualquer, mas é também, uma das 'Coisas boas da Vida'

    :)

    ResponderEliminar
  3. Também ouvi a notícia, mas não a interiorizei, pra lhe ser franca, Carlos!
    Obrigada pela visita e comentário. Boas férias, mesmo em trabalho.
    Beijinho da "Céu"!

    ResponderEliminar
  4. Ainda diz o Carlos que não anda na Lua... Pois, pois, paz e concórdia no planeta é utopia, como bem diz a Ematejoca! ;)

    Beijocas, sem utopias!

    ResponderEliminar
  5. Eu ando muitas vezes na Lua, mas gosto de ter os pés bem assentes na Terra :)

    ResponderEliminar
  6. Um dia destes aparecem por aí os seres desse planeta.

    ResponderEliminar
  7. Com a depressão em que caí ando a Leste do Paraíso!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar