domingo, 25 de setembro de 2016

Eu vim de longe...




Admiti escrever um post a comunicar o regresso do "On the rocks". Pensei melhor e decidi não o fazer. Na verdade não sei se este blog vai regressar.  Aconteceu, simplesmente, que algumas leitoras me foram perguntando, desde o início do Verão, quando é que eu retomava  o "On the rocks".
Várias vezes pensei em fazê-lo, mas sempre encontrei desculpas para adiar o regresso. Ou porque era Verão, ou porque não tinha tempo, ou porque não me sentia com disponibilidade para alimentar dois blogs, ou porque o On the rocks tem poucos leitores, ou porque me apetece gozar a reforma, ou ainda porque, estando agora reformado e com uma vontade enorme de viver o tempo que me resta, não ter disponibiidade para retribuir as visitas que os leitores me fazem, o que me deixa desconfortável.
Esta terá sido a razão mais forte para andar há dois  adiar  um possível regresso,  mas devo admitir que há uma outra: um certo esvaziamento mental que me coarcta a criatividade e impede de manter a qualidade e variedade de temas que, a avaliar pelas opiniões positivas, o "On the rocks" oferecia aos leitores.
Nas últimas semanas, dois comentários no CR foram decisivos para que decidisse reabrir esta janela da blogosfera. 
Primeiro foi a Afrodite a chamar a atenção para o facto de muitos portugueses terem visitado imensos países, mas não conhecerem as maravilhas que Portugal oferece. Partilho a opinião dela e o seu comentário fez acender uma luzinha no meu cérebro. 
Há três ou quatro anos, andava eu a fazer um cruzeiro no Nilo, conheci em Luxor dois casais nortenhos, mas com as vidas ancoradas em Lisboa. 






Nessa noite conversámos bastante sobre viagens, vinhos e gastronomia. Eles especialistas em provar o precioso néctar e os petiscos culinários, elas mais voltadas para petiscos que alimentam o espírito, mas pouco exigentes. Falavam maravilhadas de paisagens do nordeste brasileiro, das delícias das praias das caraíbas,do charme das  ruas de Paris , Londres e Roma,ou dos encantos do sudeste asiático, mas quando lhes perguntava se tinham visitado determinado museu, invariavelmente respondiam que não, por falta de tempo. Um argumento clássico, que me habituei a ouvir com frequência, pelo que não estranhei. 
Mais surpreendido fiquei, quando lhes comecei a falar das belezas do Douro Internacional, das paisagens atapetadas de Trás os Montes,  das aldeias de xisto da Lousã, da beleza agressiva da Beira Alta, nomeadamente na zona de transição a norte, e constatei que não sabiam onde era o Douro Internacional, aldeias de xisto apenas conheciam uma ou duas perto de Castelo de Paiva, onde tinham ido depois da queda da ponte de Entre os Rios, Beira Alta e Trás os Montes só de passagem. 


No entanto, conheciam bem o Alentejo, que adoravam e o Algarve ( não disseram, mas pela conversa percebi, que conheciam as praias algarvias e os hotéis, mas o Algarve interior  e serrano, só aquele por onde o automóvel é obrigado a passar a caminho de Tavira).
Sou um irredutível apaixonado pelo Norte e dói-me constatar que conheço dezenas de pessoas que viajaram  para países longínquos, mas nunca foram a Trás os Montes por, alegadamente, ser muito longe!!!!
Andava eu por Trás os Montes com aquela luzinha de que acima vos falei a bailar  nos neurónios, quando a minha querida amiga Teresa me pediu para escrever sobre... Trás os Montes. 
Foi então que pensei que viajar por Portugal, poderia ser um bom mote para  o " On the rocks". Um blog destinado a divulgar as belezas do nosso país, com uma ou outra crónica pelo meio a fazer a ponte entre mim e os leitores. 

Uma coisa despretensiosa com poucas palavras e muitas imagens. Que não serão certamente as maravilhosas fotos da Elisa Fardilha, ou da Lis Costa, mas que tentarão ser suficientemente motivadoras para aliciar os leitores a "irem para fora cá dentro".
Como acontece com qualquer viajante que se preze, neste blog os posts não terão dia nem hora para chegar. Será, por isso, um On the rocks centrado em Portugal, nas coisas portuguesas e nas paisagens que o país oferece, mas sem dia nem hora de actualização.
Como é óbvio, começarei pelo Norte e por essa belíssima província de Trás os Montes. Depois, logo se vê. Será  a minha  inspiração, a vontade de escrever  e a reacção dos leitores que irá determinar o futuro do On the rocks. Uma coisa é certa: tal como antes da interrupção, política aqui não entra
Uma última palavra, para informar  que antes de iniciar o périplo pelo país, ainda escreverei outro post. Em jeito de prefácio a uma viagem que espero vos agrade e termine o mais tarde possível. É que este ano em que andei afastado daqui fiz uma longa viagem ao interior de mim e tenho a sensação de estar a chegar de muito longe.

16 comentários:

  1. Também eu amo a TERRA.

    Que grande alegria me dá com o regresso do On the Rocks, Carlos, e as suas crónicas sobre a nossa querida terrinha.

    Mil beijinhos de agradecimento, meu querido amigo.

    ResponderEliminar
  2. Excelente ideia, também fico muito feliz adoro o meu País, imagens e frases curtas :)))
    Felicidades.
    bjs

    ResponderEliminar
  3. Vou iniciar e terminar o meu comentário, pelo final deste seu texto acerca das viagens, Carlos.
    Talvez porque de todas as viagens por si realizadas, até hoje, esta última, pelo interior de si mesmo, foi a que mais despertou o meu interesse e a minha ternura.
    Aguardo, com expectativa, tanto as Crónicas que farão ponte entre si e os leitores (entre os quais me incluo, desde há muito) e os posts ilustrados, com as belezas do nosso País.
    Há muito que aguardava a reabertura do "On the Rocks". Seja muito bem regressado...:-)


    ResponderEliminar
  4. Nunca pensei que não voltaria ao "On the Rocks" pensei sim que por andar a viajar, não teria tempo para tal.Fico muito contente por voltar, mesmo que nem sempre comente.
    De facto o nosso Portugal tem maravilhas para conhecer, viajei muito pelo Norte e cada dia mais me encantava a sua beleza.

    Beijinho com um :))) por o ter de volata.

    ResponderEliminar
  5. Há muitos estrangeiros da própria terra.

    Espero que passe por Amarante e Coimbra :)

    ResponderEliminar
  6. Carlos, estou emocionada com o que acabei de ler, emocionada e muito feliz. Os motivos são vários, mas nem os vou enumerar porque iria alongar-me. O principal foi o saber que contribui (ainda que indirectamente) para o teu regresso a este teu e também nosso cantinho.

    Obrigada!
    Fico a aguardar as tuas novidades que vou tentar não perder, apesar de ter o meu tempo muito limitado para poder estar atenta ao que se vai passando na blogosfera.

    Um forte abraço... e vê lá se consegues aparecer em São Pedro de Moel!
    (passa na Graça Sampaio)

    ResponderEliminar
  7. Por mim pode passar por onde queira. Conheço mal Portugal. E não há nada comparável a ir, estar lá, seja onde for. O que trazemos dos lugares não é captado pela imagem. É tão outra coisa que sempre podemos vê-la sem comprometer o ir. A ideia é interessante.

    ResponderEliminar
  8. Que bom! A mim também me falta conhecer tanto de Portugal. Vou gostar de viajar por aqui, com toda a certeza.

    ResponderEliminar
  9. Vou viajar por aqui para ficar com mais ideias para viajar por Portugal.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  10. Gracias por pasar por el blog tuve un error y se me borraron todos los comentarios que habia en algunas entradas que mal verdad.
    ‌Si sento si en alguna no te respondo por lo que ya te comentado.

    Me gusta mucho el tuyo.

    http://anna-historias.blogspot.com.es/2016/09/muerte.html?m=1

    ResponderEliminar
  11. Estou sempre com as férias em Potugal .Mais que 30 anos e ainda encontro encantos maravilhosos .Portugal fica um sonho .
    abraços

    ResponderEliminar
  12. Acho muito boa ideia regressar, ainda mais com estas temáticas. Aqui há uns anos descobri que conhecia muito mal a minha própria cidade, Lisboa, de modo que aos poucos tenho vindo a visitar jardins, miradouros, igrejas, etc. pelo que atualmente já a conheço melhor. Com o país real e profundo já é um pouco mais complicado... :)

    Beijocas

    ResponderEliminar
  13. Não me canso de ler esta crónica, tendo como musas: A Deusa do Amor e a deusa do terror.

    ResponderEliminar
  14. Que boa notícia, Carlos.

    Já li e reli o teu post,maravilhando-me com as tuas excelentes fotos.
    Fiquei sem graça com o elogio que fizeste às minhas fotos.
    Sei o que valho como fotógrafa...
    Espero ansiosa pelas publicações...não importa que sejam espaçadas.

    Obrigada pelo destaque!!!...

    Beijinhos.

    ResponderEliminar