terça-feira, 4 de outubro de 2016

O Inferno em Trás os Montes

Fizemos a viagem entre Vila Real e Chaves ao princípio da tarde de um dia de calor intenso em que a região parecia um braseiro.  
Saímos de Vila Real ainda com o céu esplendorosamente azul mas, percorridos menos de 20 quilómetros, o fumo começou a tapar o sol e o azul deu lugar a um cinzento ameaçador. No trajecto até Chaves vimos mais de 20 focos de incêndio como este. Prova evidente de fogo ateado por mãos criminosas. Porventura, por alguém que na véspera um juiz bondoso tenha mandado em paz

Quando chegámos a Chaves o sol tinha desaparecido por completo, ofuscado pelo fumo dos incêndios. O calor sufocante desafiou-me para um banho na piscina do Hotel do Forte de S. Francisco, onde decidimos pernoitar.

 
Quando saí da piscina fui abordado por uma senhora alemã ansiosa por notícias sobre o incêndio.Perguntou-me insistentemente se a cidade corria perigo. Estava visivelmente assustada, até porque pela manhã estivera no Gerês e, no caminho de regresso a Chaves, vira o início do grande incêndio de Arcos de Valdevez. Procurei tranquilizá-la mas horas depois (ao jantar) e à noite, quando regressávamos ao hotel depois de um passeio nocturno pela cidade, assim que nos via, perguntava se  estávamos em segurança.
Respondi-lhe que não havia problema, que dormisse tranquila e desfrutasse as férias.


 Na manhã do dia seguinte constatei que os meus esforços tinham sido em vão. Assim que me viu, lá veio a pergunta.  E na verdade, ao ver este manto de fumo a pairar sobre Chaves, era natural que a senhora tivesse medo.

Pensávamos partir de manhã cedo para Pitões das Júnias  mas, perante o ar aflito da senhora,decidi praticar uma boa acção e  convidar o casal para uma visita ao centro histórico.


Quando o ar se tornou mais respirável e o fumo parecia começar a dissipar-se, abalámos.Deu-me um enorme prazer ver o ar encantado com que ambos percorriam as ruas, admirando com uma paixão semelhante à minha os encantos desta bela cidade.


Quando ao princípio da tarde nos despedimos estavam visivelmente mais tranquilos.

No dia seguinte telefonaram-me a dizer que de tarde tinham feito uma visita à cidade no comboio turístico mas o fumo voltara a descer sobre a idade, tornando o ar irrespirável


À noite aventuraram-se a trocar a sala de jantar do hotel


por um restaurante no centro histórico.
Queriam, no entanto, voltar ao local onde eu os levara a comer os melhores pastéis de Chaves de Tras os Montes, pelo que pediam que os orientasse. 



Embrenhado no Parque de Montesinho, sem grande paciência para explicações, sugeri-lhes que fossem ao posto de turismo e perguntassem onde ficava a Maria

Ou, então, que seguissem o odor das flores, pois elas os levariam até à Maria.
Não sei qual a opção que tomaram, mas enviaram-me um SMS a dizer que tinham comprado meia dúzia  de pastéis e uns enchidos para comerem durante a viagem até Lamego. 
Devem ter chegado lá em bom estado, devem... Refiro-me aos alemães, não aos pastéis de Chaves, obviamente...

27 comentários:

  1. AMEI as fotos.Conheço muito mal Chaves.Lamento imenso.
    A última foto está uma ternura. Que janela linda e toda florida!

    Penso que teria medo de andar a passear com fogo tão perto!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Da janela do meu quarto no hotel ainda via o enorme clarão de fogo. Impressionante. Infelizmente, a minha máquina não permitiu captar o momento com fidelidade. Beijinhos

      Eliminar
  2. Que bela reportagem fotográfica! Lamento, mas conheço mal a região. Quem sabe se um dia, guiado pelas suas excelentes fotos, me aventuro a descobrir as maravilhas de Chaves e demais recantos!

    Cada vez mais me convenço que a justiça deste país é cega. Como é possível não monitorizar estes criminosos que nos destroem o património. Infelizmente, com o final do verão deixou-se de falar nos planos para evitar estas tragédias. Espero que no próximo verão o cenário dos incêndios se inverta.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelas suas palavras. Comungo a mesma opinião relativamente aos criminosos e a quem os põe em liberdade

      Eliminar
  3. Estive em Chaves há quase trinta anos. Tempo demais. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, muito tempo, mas o centro histórico está ainda mais bonito, luísa

      Eliminar
  4. Esse flagelo dos incêndios tira-me do sério, Carlos.
    Cambada de fdp!!

    ResponderEliminar
  5. Gostei de ver a cidade onde nasci e onde passo alguns dias de Verão! Linda reportagem e como nem no verão passado nem este lá estive ainda não conheço essa casinha de bonecas toda enfeitada de flores. Gostei muito Carlos. Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas conhece a Maria, não conhece, papoila?

      Eliminar
    2. Ainda não...
      Como sabe, em Trás-os Montes qualquer visita que se faça é sempre acompanhada de qualquer "coisa que se coma" sendo assim passo os dias em casa de tios e estamos sempre à mesa :))) raramente vou fora é mais fácil ir buscar ao restaurante e depois ficamos todos por casa. Quando lá voltar vou experimentar.. Bjs e obrigada.

      Eliminar
  6. Não conheço Chaves, mas um dia ainda vou descobrir os seus encantos. Outrora havia uma pastelaria na Rua Sá da Bandeira no Porto onde se comiam uns excelentes pastéis de Chaves.

    Continuo encantada com as suas reportagens fotográficas e não só, como esses irritantes velhinhos alemães. Quem tem medo compra um cão.

    Lamego ainda fica em Trás os Montes?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os alemães não eram irritantes, Ematejoca. E, digo-lhe, a senhora estava muito assustada, mas tinha razão para isso. Só não percebo como é que aquele corpanzil de Panzer pode ter medo de alguma coisa, mas isso são outros 20

      Eliminar
    2. Lamego fica exactamente na fronteira entre Tras os Montes e a Beira Alta. Esteja tranquila, porque ainda vamos passar por lá...

      Eliminar
    3. Teresa, esperando que o Carlos não leve a mal: Trás-os-Montes e Alto Douro, formam uma única província à qual pertence Lamego, sim!
      :)

      Desculpa lá, mas os turistas alemães, coitados, era muito natural que se sentissem assustados e inseguros com os incêndios. Se um cão resolvesse a situação soltavam-se matilhas deles, pelas matas e florestas, e evitar-se-iam muitas desgraças.

      Desculpe-me a intromissão, Carlos.

      Eliminar
    4. Peço imensa desculpa, Carlos. Não me apercebi que estava a responder aos comentários, caso contrário não teria respondido à Teresa. :(

      Eliminar
    5. Pelo amor de Deus, Janita. Esta caixa de comentários é livre...
      Disse à Teresa que Lamego fica na fronteira, porque essa é uma opinião quase consensual ( embora isso não signifique que esteja certa administrativamente)

      Eliminar
  7. Conheço razoavelmente Chaves, tanto que reconheci alguns lugares que o Carlos nos mostra nas fotos.
    Fotos essas, que estariam muito mais belas não fora o fumo que se nota em algumas. Na da piscina é notória a mancha de fumo a pairar sobre a mesma.
    Este ano - como em outros - o nosso país viu devastados hectares e hectares das nossas florestas. Um dó de alma. Um crime sem castigo.
    Não me admiro nada da preocupação dos turistas alemães.

    Aguardo a próxima viagem, Carlos.

    Obrigada, por estas visitas documentadas e ilustradas, por terras de Portugal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os incêndios são um flagelo e enquanto houver condescendência com a sua actuação, veremos as coisas piorar de ano para ano.

      Eliminar
  8. Uma calamidade que além de sinistros ambientais, também
    afetam o turismo...
    Ficamos cada vez mais mendigos...
    Dias de sonho coloridos pelo sol de Cascais...
    Beijinhos, amigo.
    ~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  9. Muito triste e assustador os fogos.
    Excelente reportagem, que me trouxe boas recordações e saudades, reconheci algumas imagens, a ultima vez que fui a Chaves o Rodrigo partiu comigo de Ponte de Lima com intenção de ele (eu não) ir comer cabrito, levou-me para o Alto Minho, atravessamos Trás-os-Montes acabamos em Espanha, andamos quatrocentos e muitos km acabou por comer o cabrito ao jantar em Ponte de Lima onde estávamos hospedados.
    interessante os postes continuam a serem enfeitados com flores tal como os vi.

    Beijinho Carlos

    ResponderEliminar
  10. Boa tarde, os incêndios são o mal provocado por interesses pessoais, um dia vão diminuir, obrigatoriamente todo o sistema de combate aos incêndios vá mudar para melhor.
    A fotorreportagem é excelente, assim como, as fotos também o são.
    Resto de boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
  11. hummm....os alemães acabaram por ter sorte com o fogo:). Ganharam um guia simpático e ficaram a conhecer a cidade com pormenores que não vêm nos guias.

    ResponderEliminar
  12. Chaves adoro esta cidade. Tenho uma quinta muito perto onde passo fins de semana super calmos. Para mim os melhores pasteis de Chaves são os do café Paulo,na praça Brasil, ao lado do JOKER, no lado contrário do Hotel Aqua Flavia. Se calhar tudo é um hábito mas já experimentei noutros locais e não gostei. Adorei saber que não sou a única apaixonada por Chaves. Quanto aos incêndios são postos, sem dúvida, e se soltam os incendiários já sabem o que isso vai provocar, mais incêndios.

    ResponderEliminar
  13. Chaves adoro esta cidade. Tenho uma quinta muito perto onde passo fins de semana super calmos. Para mim os melhores pasteis de Chaves são os do café Paulo,na praça Brasil, ao lado do JOKER, no lado contrário do Hotel Aqua Flavia. Se calhar tudo é um hábito mas já experimentei noutros locais e não gostei. Adorei saber que não sou a única apaixonada por Chaves. Quanto aos incêndios são postos, sem dúvida, e se soltam os incendiários já sabem o que isso vai provocar, mais incêndios.

    ResponderEliminar